Pular para o conteúdo principal

Pandemia do coronavírus pode estar elevando o número de suicídios no Brasil

Ferraz Jr / Jornal da USP   Assunto tratado como tabu no Brasil, o suicídio ganhou visibilidade quando o mês de setembro passou a ser dedicado a chamar a atenção da sociedade para a gravidade do fato. Recebeu a cor do alerta e hoje, o Setembro Amarelo lembra que cerca de 32 pessoas cometem suicídio por dia no País, totalizando perto de 12 mil casos por ano. 

Os números são do Ministério da Saúde e assustam pelo crescimento acelerado. De 2011 a 2016 houve um aumento de 20% de casos de suicídio.

Outro dado que se destaca, também do Ministério da Saúde, é o da faixa etária, que se transformou no principal grupo de risco para o suicídio. A maioria dos casos é composta de jovens entre 19 e 24 anos. Como são jovens que estão entrando na faculdade, o tema acabou se sentando ao lado deles na sala de aula das universidades.

Na Universidade de São Paulo não foi diferente e hoje abriga vários grupos de apoio a seus estudantes nos diferentes campi da USP em todo o Estado de São Paulo.

“É preciso tratar o assunto com responsabilidade porque os casos de tentativa de suicídio chegam a ocorrer dez vezes mais que o próprio suicídio consumado,” alerta a psicóloga Dagma Venturini Marques Abramides, do Departamento de Fonoaudiologia da Faculdade de Odontologia de Bauru (FOB) da USP.

A professora é uma das que acreditam que a pandemia da Covid-19, que impôs o isolamento físico e social às pessoas, tem aumentado os casos de ideação de suicídio para quem sofre de algum transtorno mental, incluindo a depressão, doença que acomete 12 milhões de brasileiros, segundo a Organização Mundial da Saúde (OMS). 

Contudo, é preciso cuidado para não jogar toda a responsabilidade do suicídio na conta da depressão. Segundo a psicóloga Luciana Handa, existem outros gatilhos. “Problemas de relacionamento familiar, desemprego, crise financeira, por exemplo, podem ser as causas do suicídio que não passa necessariamente pela depressão,” afirma.

Com o agravamento do problema, novos grupos de apoio surgiram na Universidade ou foram incrementados fora dela para tentar chegar aos jovens. Foi o caso do Grupo de Valorização da Vida (GVV) de Ribeirão Preto, por exemplo, que conta com a participação de docentes da USP como voluntários.

“É um grupo de apoio que se reúne uma vez por semana para prestar atendimento de apoio e acolhimento a quem nutre a ideia do suicídio e aos familiares, independentemente de ter vínculo com a USP,” explica Luciano Nakabashi, integrante do GVV e professor da Faculdade de Economia, Administração e Contabilidade de Ribeirão Preto (FEA-RP) da USP.


O CVV É UM SERVIÇO DE PREVENÇÃO AO SUICÍDIO.
TEL: 188. Atende também por e-mail e on-line


Mortes por Covid-19 superam a marca de 1 milhão no mundo

Reabertura de escolas em São Paulo amplia risco de Covid-19 para 340 mil idosos 



Comentários

Indivíduo disse…
Ora, se Deus não existe, então o suicídio é a melhor opção para se fazer, pois morto não precisa de dinheiro e não sofre castigo eterno.

Posts + acessados hoje

Pastor de Manaus é acusado de ejacular ‘esperma de Deus’ em obreiras

90 trechos da Bíblia que são exemplos de ódio e atrocidade

Líder religiosa pagava quem trabalhava em sua empresa com promessas de salvação divina