Pular para o conteúdo principal

Reabertura de escolas em São Paulo amplia risco de Covid-19 para 340 mil idosos

Ludmilla Souza / Agência Brasil A aposentada Maria Elisa Victorino Geraldo, 72, divide a casa onde mora, na zona leste da capital paulista, com a mãe, Dinah de Rossi Victorino, 94, a filha e as netas. Ela é uma dos cerca de 340 mil idosos da cidade que coabitam com crianças e adolescentes em idade escolar.

Com a pandemia de Covid-19 e a discussão sobre o retorno às aulas presenciais em São Paulo, Maria Elisa teme estar mais exposta ao novo coronavírus quando as crianças voltarem a frequentar a escola.

“Tememos muito o retorno às aulas. Tenho diabetes e minha mãe tem enfisema pulmonar. Aqui em casa temos duas crianças em fase escolar, Francesca, de 14 anos, e Antonella, de 12 anos. Elas devem permanecer em casa, nas aulas online, se isso for opcional até o fim da pandemia. Caso contrário, minha filha, mãe delas, verá como poderá ser feito esse processo”, admite a aposentada.

“Nosso maior medo, além do que já conhecemos da potência do vírus através de reportagens, é que os médicos sempre descobrem novos sintomas e sequelas, ou seja, ainda temos desconhecimento do que o vírus realmente pode causar a curto e a longo prazo, fora o perigo de morte”, completou Maria Elisa, que mora na Vila Prudente.

O casal de aposentados Luís Pinheiro Silva, 69, e Miriam Cristina Borges Pinheiro, 67, também mora com os netos e teme o retorno das crianças à escola. Para Luís, a volta às aulas só deveria ocorrer depois da descoberta da vacina contra o novo coronavírus e da imunização de todos.

“Se reabrirem as escolas, sem garantia nenhuma, porque não foi feita a vacina, quem pode dizer que a criança vai manter 1,5m longe um do outro se, no dia a dia, ninguém faz isso, nem dentro do supermercado, nem shopping! A criança pode se contaminar e transmitir para seus familiares, principalmente para os avós, então não acho certo voltar agora. Creio que deveria voltar sim, depois que tiver uma vacina para todos”, disse o avô de Luiz Gustavo, de 8 anos, e de Kethlyn Cristiana, de 6 anos, moradores do Jardim Marília, também na zona leste.

Até este momento, a prefeitura de São Paulo liberou, a partir de 7 de outubro, as aulas presenciais para alunos do ensino superior ou para atividades extracurriculares do ensino infantil, fundamental e médio,.

A volta às aulas das escolas públicas e particulares ainda não tem data definida. O prefeito disse que está sendo avaliada a possibilidade de os estudantes voltarem a partir de 3 de novembro.

Sem vacina, idosos
são presas fácil do
coronavírus


 

Testes mostram que os efeitos colaterais da CoronaVac são leves 

Vacinação contra a Covid-19 em São Paulo começa em outubro, diz governador 

Padre contra uso de máscara diz que quem morrer agora vai mais cedo para Deus 

Revista de humor científico concede Prêmio IgNobel ao presidente Bolsonaro

Estudos revelam por que obesos podem contrair forma mais grave de Covid-19 

Brasileiros higienizam alimentos de forma inadequada na pandemia

Comentários

Posts + acessados hoje

Pastor de Manaus é acusado de ejacular ‘esperma de Deus’ em obreiras

90 trechos da Bíblia que são exemplos de ódio e atrocidade

Líder religiosa pagava quem trabalhava em sua empresa com promessas de salvação divina