Pular para o conteúdo principal

Palavra 'ateu' foi criada na Grécia Antiga como insulto a quem não acreditasse em deuses

RICARDO OLIVEIRA DA SILVA


A palavra ateísmo possui origem grega. Data do século V AEC (antes da era comum) o registro da palavra atheos em fontes escritas. No caso, theos indicaria deuses e o a teria o sentido de ausência ou negação. Nos primeiros registros atheos era usado como um adjetivo para se referir a pessoas que eram abandonadas ou viviam sem os Deuses.

Já a partir do final do século V para o século IV AEC a palavra atheos passou a ser enfatizada como substantivo para indicar pessoas que não acreditavam nos Deuses.

Um dos primeiros registros que enfatiza esse sentido é Defesa de Sócrates, um relato de Platão (428/427-348/347 A.E.C) sobre o julgamento do seu mestre Sócrates (469-399 AEC) na cidade de Atenas no ano de 399 AEC. Conforme consta no texto, Sócrates repeliu a acusação de que ele não acreditava nos Deuses protetores da cidade dizendo que não era ateu.

O que se deve destacar é que a palavra “ateu”, assim como ateísmo, foi criada na Grécia Antiga como uma forma de insulto e acusação: não acreditar nos Deuses era sinônimo de desrespeito moral, social e político, uma vez que a religião dava um sentido positivo para diversas esferas da vida grega. Por isso, as pessoas procuravam não se identificar como ateias, pois isso era visto como indicativo de imoralidade e ameaça política.

Um segundo ponto que deve ser salientado é que a palavra ateísmo apareceu sem relação com razão, racionalidade ou ciência. Ser ateu no contexto da Antiguidade, grega e romana, não era, via de regra, ter uma visão racional e científica sobre o mundo e o ser humano.

Com o advento do cristianismo no Império Romano e sua consolidação na Europa medieval, o estigma em torno de pessoas que não acreditavam em Deus se acentuou.

É apenas no cenário do Iluminismo europeu no século XVIII, possuindo como base a Revolução Científica (XVII) e o desenvolvimento da racionalidade com propensões mais empíricas, que surgiram pensadores que procuraram reformular o sentido de ateísmo como uma visão de mundo amparado na racionalidade. Barão D’Holbach (1723-1789), naquele que é considerado o primeiro livro declaradamente ateísta da história da filosofia ocidental, Sistema da Natureza (1770), escreveu: “O que é, com efeito, um ateu?: É um homem que destrói algumas quimeras nocivas ao gênero humano para reconduzir os homens à natureza, à experiência, à razão.” (Holbach, 2010, p. 772).

Do século XVIII aos dias atuais, muitos intelectuais contribuíram na construção de uma visão de mundo ateísta, entre os quais destaco: Ludwig Feuerbach (1804-1872), Karl Marx (1818-1883), Charles Darwin (1809-1882), Friedrich Nietzsche (1844-1900), Bertrand Russell (1872-1970), Jean-Paul Sartre (1905-1980), Richard Dawkins (1941).

Contudo, ainda persiste a noção de que ateísmo é apenas criticar ideias e instituições religiosas. Talvez um dos desafios do século XXI, que testemunha muitos países terem um acréscimo na população ateísta, seja realçar o significado propositivo que o ateísmo pode ter na construção de um mundo mais tolerante e solidário na luta contra os fundamentalismos religiosos e os movimentos de negação da ciência e do pensamento racional.


> Ricardo Oliveira da Silva é professor de história na Universidade Federal de Mato Grosso do Sul.


Livro 'Ateísmo no Brasil' recupera um país que poucos brasileiros conhecem




Comentários

Unknown disse…
Visão de mundo fundamentada na racionalidade.

O texto ficou ótimo e ainda aponta um dos principais desafios do ateísmo atual. (SécXXI)
Elisandro disse…
Interessantes informações muito pertinente. Parabéns. Ao Paulo e ao professor Ricardo!
Luciano disse…
Texto Sensacional, algumas informações que eu não tinha conhecimento e passeei a ter aqui, parabéns professor.

Post mais lidos nos últimos 7 dias

90 trechos da Bíblia que são exemplos de ódio e atrocidade

Escola Estadual Igreja Evangélica muda de nome e deixa de afrontar o Estado laico

Malafaia divulga mensagem homofóbica em outdoors do Rio

Essência do totalitarismo é querer fazer o 'bem para todos'

Título original: Tentação totalitária por Luiz Felipe Pondé para Folha Você se considera uma pessoa totalitária? Claro que não, imagino. Você deve ser uma pessoa legal, somos todos. Às vezes, me emociono e choro diante de minhas boas intenções e me pergunto: como pode existir o mal no mundo? Fossem todos iguais a mim, o mundo seria tão bom... (risadas). Totalitários são aqueles skinheads que batem em negros, nordestinos e gays. Mas a verdade é que ser totalitário é mais complexo do que ser uma caricatura ridícula de nazista na periferia de São Paulo. A essência do totalitarismo não é apenas governos fortes no estilo do fascismo e comunismo clássicos do século 20. Chama minha atenção um dado essencial do totalitarismo, quase sempre esquecido, e que também era presente nos totalitarismos do século 20. Você, amante profundo do bem, sabe qual é? Calma, chegaremos lá. Você se lembra de um filme chamado "Um Homem Bom", com Viggo Mortensen, no qual ele é um cara

Arcebispo afirma que vida dos descrentes não tem sentido

Para Battisti, o sentido da vida está no sobrenatural  O arcebispo Anuar Battisti (foto), 59, de Maringá (PR), escreveu um artigo onde aborda um tema recorrente por parte de religiosos, o de que não há sentido na vida dos descrentes em Deus. “Este ambiente de descrença, misturado com ateísmo, leva a pessoa a viver no deserto da vida sem gosto, sem rumo, vagando em busca de um sentido”, escreveu dom Battisti no artigo publicado no Diário.com. “A ausência de Deus cria na alma humana um vazio de sentidos que leva ao desespero, à negação de tudo o que diz respeito ao sobrenatural”, acrescentou. A americana Paula Kirby, consultora de organizações seculares, escreveu recentemente no Washington Post que quem precisa de Deus para que a sua vida tenha um significado é porque a sua família e amigos, em tese, não têm nenhum valor. O que, obviamente, é um absurdo. Ninguém precisa de Deus, por exemplo, para amar seus filhos. Kirby argumentou que é o cristianismo que tenta tirar todo

MPF recorre no Rio à Justiça para permitir a ‘cura’ de homossexuais

O MPF (Ministério Público Federal) no Rio deu entrada na Justiça a uma ação civil pública para anular a resolução do CFP (Conselho Federal de Psicologia) que proíbe os profissionais de prometer “cura” da homossexualidade porque se trata de uma orientação sexual, e não de um transtorno. A iniciativa do MPF coincide com o esforço que lideranças evangélicas, incluindo seus representantes na Câmara dos Deputados, estão fazendo para derrubar essa resolução do conselho. Fábio Aragão, um dos três procuradores que assinam a ação, é evangélico. Para o deputado Jean Wyllys (PSOL-RJ), isso demonstra que o Ministério Público está sendo instrumentalizado pela crença pessoal de um de seus integrantes. “Isso é um erro grave, porque a Justiça deve ser laica”, disse o deputado. “Retomar a discussão sobre a homossexualidade ser ou não uma doença é um absurdo do mesmo tipo que seria retomar a discussão sobre se o sol gira em torno da terra.” Carlos Tufvesson, estilista engajado no movimento de

Música gravada pelo papa Francisco tem acordes de rock progressivo. Ouça

Nobel da Academia Pontifícia diz a bispos que a evolução é fato

por Telmo Pievani , do Corriere della Sera Arber acredita que fé e ciência são compatíveis O presidente da Academia Pontifícia das Ciências, Werner Arber  (foto), biólogo prêmio Nobel de Medicina em 1978, proferiu, no dia 12 de outubro passado, uma conferência sobre as relações entre ciência e fé, apresentada ao pontífice e aos membros do Sínodo dos Bispos, na qual ilustrou com clareza as bases da explicação evolucionista contemporânea. O texto na íntegra está disponível no site da Academia . No contexto de uma reflexão "sobre as mútuas relações e compatibilidades entre o conhecimento científico e os conteúdos fundamentais da fé", Arber escolheu como exemplo de aquisições científicas essenciais a evolução do universo e a evolução da vida sobre a Terra, como "fatos científicos estavelmente verificados". O microbiologista da Universidade de Basel, que sucedeu a Nicola Cabibbo no fim de 2010, explicou ainda que as variações genéticas espontâneas e a seleção

Russas podem pegar até 7 anos de prisão por protesto em catedral

Protesto das roqueiras Y ekaterina Samutsevich, Nadezhda  Tolokonnikova  e Maria Alyokhina durou apenas 1m52 por Juliana Sayuri para Estadão Um protesto de 1 minuto e 52 segundos no dia 21 de fevereiro [vídeo abaixo]. Por esse fato três roqueiras russas podem pagar até 7 anos de prisão. Isso porque o palco escolhido para a performance foi a Catedral de Cristo Salvador de Moscou. No altar, as garotas da banda Pussy Riot tocaram a prece punk Holy Shit , que intercala hinos religiosos com versos diabólicos como Virgin Mary, hash Putin away . Enquanto umas arranhavam nervosos riffs de guitarra, outras saltitavam, faziam o sinal da cruz e dançavam cancã como possuídas. As freiras ficaram escandalizadas. Os guardas, perdidos. Agora as rebeldes Yekaterina Samutsevich  (foto), Nadezhda Tolokonnikova (foto) e  Maria Alyokhina (foto) e  ocupam o banco dos réus no tribunal Khamovnichesky de Moscou, acusadas de vandalismo e ódio religioso. Na catedral, assim como noutras manifes