Pular para o conteúdo principal

Nova variante do coronavírus infecta com mais eficiência sistema respiratório

Elena Dusi | La Repubblica   Um novo estudo na Science confirma a maior contagiosidade da variante D614G, do novo coronavírus

"É mais eficiente na infecção de células do trato respiratório humano" e agora representa 99% de todos os Sars-Cov-2 em circulação.

Isso explica a aceleração das infecções: em outubro registrou-se quase um quarto dos casos desde o início da pandemia.

"Mais eficiente em infectar as células do trato respiratório humano", capaz "de ser transmitida de forma significativamente mais rápida” e “proliferar in vitro cerca de 10 vezes mais rápido”. 

É a identidade do coronavírus com a mutação D614G no último estudo dedicado a ele pela revista Science, com a assinatura de um dos maiores virologistas do mundo, Ralph Baric, da North Carolina University, que estuda coronavírus há trinta anos. 

“Os pacientes infectados com a variante D614G são caracterizados por uma carga viral mais elevada no trato respiratório superior, em comparação com a variante original, mas não por uma maior gravidade dos sintomas”.

 Na verdade, o coronavírus mutante de acordo com Baric é mais vulnerável aos anticorpos. E, previsivelmente, também a futuras vacinas.

Na época de Wuhan, a versão com mutação não existia. Em fevereiro apareceu na Itália e foi protagonista da primeira onda. 

Um estudo dos laboratórios nacionais de Los Alamos no meio do ano em Cell acompanhou sua progressão: no norte da Itália já em março eliminou as outras variantes, que continuavam ocupando a região Centro e Sul do país. Durante o mês de março, a mutação se torna prevalente na Europa e começa a se espalhar também para os Estados Unidos. 

Entre março e abril é registrada em cerca de metade das amostras mundiais. Hoje é 99,9% em todos os lugares.

O estudo de Baric, em hamsters, viu como o vírus mutante é capaz de se espalhar mais rapidamente "por meio de gotículas e aerossóis". E é possível que a aceleração agressiva da pandemia em todo o mundo tenha algo a ver com isso. 

Só outubro, mês em que o D614G já eliminou as outras variantes do ambiente, registrou um quarto das infecções desde a chegada do coronavírus, com 10 milhões em três semanas. Em novembro, enfrentamos um aumento diário de mais de meio milhão de casos. França, Itália e até mesmo a eficiente Alemanha registraram repetidos registros de infecções, apesar das medidas de contenção. Os Estados Unidos romperam a barreira diária de 100.000 positivos diários.

Nenhum país estava realmente preparado para uma segunda onda tão forte. E talvez a substituição de uma das 30 mil bases do genoma do coronavírus (uma G substituindo a D) possa estar entre as causas. 

Em hamsters colocados em contato com o vírus mutante, a infecção se espalhou em dois dias, para seis dos oito animais, e para todos os oito após quatro dias. 

No caso do vírus original, o de Wuhan, nenhum animal havia se infectado após dois dias, mas todos estavam infectados após quatro dias. “A transmissão por aerossol também é mais eficiente na versão mutante”, acrescenta outro dos autores do estudo, Yoshihiro Kawaoka, da Universidade de Wisconsin.

A variação, explica Baric com os colegas da Universidade de Wisconsin, dá ao spike, a ponta da coroa do coronavírus, uma forma ligeiramente diferente. Uma das abas do spike, com D614G, abre ligeiramente em comparação com a versão original. Isso, por razões relacionadas à biologia do vírus, permite que ele penetre mais facilmente nas células humanas. Mas, por outro lado, o obriga a descobrir o flanco aos nossos anticorpos.

Variante do
coronavírus se
espalha pela Europa


Tradução de Luisa Rabolini para IHU Online 

Pastor americano que pregou ser a Covi-19 castigo de Deus morre da doença

Pandemia deixa 80% dos brasileiros mais ansiosos, mostra pesquisa

Malafaia faz campanha contra vacina: ‘Não podemos ser cobaias de chinês’

Escolas de Poços não aceitarão matrícula de quem não se vacinar

Senador morreu de Covid-19 por crer em Bolsonaro, não nos médicos, diz amigo 

Bolsonaro afirma que vacina obrigatória só no seu cachorro 

Bolsonarista, senador morto com Covid-19 era contra o isolamento social 

Morre brasileiro que era voluntário dos testes da vacina AstraZeneca/Oxford


Pesquisadores da Unicamp encontram o novo coronavírus no cérebro 

Bolsonarista prefeito de Mirandópolis distribui 'kit Covid' contra 'vírus chinês'


Mortes por Covid-19 superam a marca de 1 milhão no mundo

Reabertura de escolas amplia risco de Covid-19 para 340 mil idosos
dows: initial; width: initial; will-change: initial; word-break: initial; word-spacing: initial; writing-mode: initial; x: initial; y: initial; z-index: initial; zoom: initial;">

Comentários

  1. Coitados desses cientistas ... eles não entendem que evolução é só uma teoria ... Que esse papo de que viemos do macaco eh ficção

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Posts mais acessados na semana

90 trechos da Bíblia que são exemplos de ódio e atrocidade

Em encontro com Bolsonaro, padre canta que 'Deus pode realizar o impossível'

Vereador critica repasse de verba às igrejas. E é acusado pela bancada evangélica de 'intolerante'