Pular para o conteúdo principal

Vacinas contra a pandemia provam que a ciência sempre vence a religião

JAMES A. HAUGHT | FFRF Algo para lembrarmos durante a pandemia: a ciência venceu todos os confrontos da história em sua guerra contra a religião.

Esta guerra começou na Grécia Antiga e ainda se agita mais de dois milênios depois.

A Grécia clássica fervilhava de fé mágica. Multidões de animais foram sacrificados a um conjunto bizarro de deuses invisíveis que supostamente viviam no topo do Monte Olimpo. Multidões deram dinheiro a oráculos que supostamente transmitiam mensagens dos deuses. Até mesmo “guerras sagradas” foram travadas pela riqueza acumulada pelos santuários oraculares.

Em meio a toda essa confusão, alguns pensadores sábios começaram a buscar explicações naturais, não sobrenaturais. Foi o nascimento da ciência — mas foi arriscado.

Anaxágoras (500-428 aC) ensinou que o Sol e a Lua são objetos naturais, não divindades. Ele foi condenado à morte por impiedade, mas escapou para o exílio. 

Protágoras (490-420 aC) disse que não sabia se os deuses existem — então ele foi banido de Atenas. Seus escritos foram queimados e ele se afogou enquanto fugia no mar. 

O mártir mais famoso foi Sócrates (470-399 AEC), que foi forçado a beber veneno por ofensas, incluindo “não adorar os deuses adorados pelo estado”.

Ao longo dos séculos, os crentes freqüentemente mataram pensadores científicos — mas a ciência sempre se mostrou correta.

Hipácia (c. 360-415 EC), uma mulher brilhante que chefiava a famosa biblioteca de conhecimento de Alexandria, foi espancada até a morte por seguidores cristãos de São Cirilo.

O médico Michael Servetus (c. 1510-1553) — o primeiro a aprender que o sangue flui do coração para os pulmões e vice-versa — foi queimado na Genebra puritana de João Calvino por duvidar da Trindade.

Giordano Bruno (1548-1600) foi queimado pela Santa Inquisição por ensinar que a Terra gira em torno do Sol e que o universo é infinito. 

O pioneiro da ciência Galileu (1564-1642) escapou por pouco do mesmo destino pelo mesmo motivo, mas foi sentenciado à prisão domiciliar perpétua.

Na época em que Charles Darwin (1809-1882) percebeu a evolução, a religião ocidental em sua maioria havia perdido o poder de matar os não conformistas. 

O grande avanço de Darwin desencadeou uma batalha religião-contra-ciência que continua hoje. Isso causou o notório “Julgamento do Macaco de Escopos” no Tennessee em 1925, e ainda se manifesta quando fundamentalistas tentam banir a evolução dos cursos de ciências nas escolas públicas. 

Eles afirmam que um pai-criador sobrenatural fez todas as espécies na forma moderna cerca de 6.000 anos atrás, enquanto a ciência prova que a vida é muito mais antiga e que novas espécies evoluíram a partir das anteriores. A evolução se tornou o alicerce da biologia moderna.

Hoje em dia, quase todo mundo percebe que a ciência é uma dádiva colossal para a humanidade, curando doenças, eliminando o trabalho enfadonho, avançando o conhecimento, abrindo comunicações em todo o mundo e geralmente tornando a vida melhor. 

A ciência mais uma vez veio em socorro com várias vacinas Covid-19 que foram desenvolvidas em um tempo incrivelmente curto. Em contraste, a religião dá pouco ao mundo — e não tem soluções a oferecer para o coronavírus.

A ciência venceu todos os confrontos históricos, minando constantemente os dogmas sobrenaturais da religião.

O biólogo mundialmente conhecido Richard Dawkins diz que a fé "subverte a ciência e mina o intelecto". Felizmente, ainda está perdendo a guerra com a ciência.

Vacinas contra o coronavírus
foram desenvolvidas em
tempo recorde

James A. Haught é jornalista e membro da FFRF (Freedom From Religion Foundation), organação sem fins lucrativos que se dedica à defesa da separação entre o Estado e a Igreja.

Religiões compõem um imenso zoológico bizarro de adoração ao sobrenatural







Comentários

  1. Hipátia, Giordino Bruno e Galileu não sofreram perseguição por causa da religião. Hipátia foi morta por motivos políticos não ligados a ciência, Galileu era mantido pela Igreja católica, ele e Bruno tiveram problemas teológicos e não científicos com a Igreja. Antes de Galileu, Copérnico tinha prosposto o mesmo modelo e não foi perseguido. Embora seja errada a perseguição teológica e política, elas não tem nada a ver com ciência vs religião.

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Posts mais acessados na semana

No Brasil, mulher que não crê em Deus é submetida à opressão em dobro

Cobrado por aluguel de templo, Valdemiro diz não ter contrato social com a Igreja Mundial

90 trechos da Bíblia que são exemplos de ódio e atrocidade