Angola suspende Iurd por 60 dias por causa de morte de fiéis

Pelo menos 16 pessoas morreram na "Vigília da Virada -Dia do Fim"
O governo de Angola suspendeu por 60 dias todas as atividades da Igreja Universal do Reino de Deus por considerá-la culpada pela morte de 16 fiéis (incluindo crianças) e de centenas de feridos na noite de 31 de dezembro, na “Vigília da Virada – Dia do Fim".

Uma comissão de inquérito dos Órgãos Auxiliares da Presidência apurou que os fiéis morreram pisoteados e por asfixia porque a Universal atraiu para o Estádio da Cidadela Desportiva, em Luanda, mais pessoas do que o local suporta. O estádio tem capacidade máxima para 30.000 pessoas, e houve o comparecimento de 152.600 fiéis.

A comissão concluiu que a Igreja despertou o interesse de tantas pessoas por ter feito a seguinte propaganda enganosa: “O Dia do Fim — venha dar um fim a todos os problemas que estão na sua vida; doença, miséria, desemprego, feitiçaria, inveja, problemas na família, separação, dívidas, etc. Traga toda a sua família”.

O governo comunicou que essa publicidade “criminosa e enganosa” está prevista na Lei Geral da Publicidade, nos artigos que tratam das informações falsas susceptíveis de “alarmar o espírito do público”, induzindo-o em erro. O que ocorreu principalmente com doentes em busca de cura.

A Comissão de Inquérito constatou que a Universal, na organização do evento, não se preocupou com a segurança dos fiéis.

Estádio Cidadela de Luanda
Mais de 150 mil pessoas compareceram
a um estádio onde cabe no máximo 30 mil
A Igreja não informou as autoridades sobre a possibilidade de haver uma superlotação do estádio. Fechou os portões às 18h, embora a Vigília estivesse programada para começar às 20h. Só manteve aberto o portão vip, o que levou para lá a multidão que tentava entrar. Permitiu cânticos às 18h30 e aclamações por parte dos fiéis que estavam no estádio, deixando ainda mais aflito quem estava do lado de forma. Não interrompeu a Vigília após da morte e desmaio de fiéis.

A comissão também apurou que os 100 voluntários da Igreja não tinham nenhuma preparação para socorrer os fiéis.

No dia seguinte às mortes, Ferner Batalha, bispo-adjunto da Universal, admitiu que o comparecimento dos fiéis superou as expectativas. Disse ter avisado com antecedência as autoridades sobre a realização da Vigília e que solicitou ajuda da Cruz Vermelha.

O presidente de Angola é José Eduardo dos Santos. O país é uma ex-colônia de Portugal. Fica na costa ocidental da África e tem cerca de 21 milhões de habitantes. Tem mais de mil religiões, muitas de inspiração cristã. Nos últimos anos tem aumentado a presença de igrejas neopentecostais brasileiras.





O governo encaminhou o caso para a Procuradoria-Geral da República, que vai aprofundar as investigações e deverá anunciar novas sanções, com consequências judiciais civis e criminais. 

Suspendeu também — e por tempo indeterminado — as atividades de outras igrejas evangélicas que não são reconhecidas oficialmente. Entre elas está a Igreja Mundial, do Valdemiro Santiago.

Com informações de Angola Press.

16 pessoas morrem em culto da Igreja Universal em Luanda
janeiro de 2013