Pular para o conteúdo principal

Glaucoma é a doença neurodegenerativa que mais afeta a população

Doença silenciosa, o glaucoma é no mundo a principal causa de cegueira, que começa com a morte dos neurônios na periferia do olho. 


ELENA VECINO CORDER
professora de biologia clelular na Universidade
Bordeaux (França), integrante vitalícia da
Clare Hall Cambridge (Reino Unido)

The Conversation
plataforma de informação
e análise produzida por 
acadêmicos e jornalistas

A doença neurodegenerativa que mais afeta as pessoas no mundo não é o Alzheimer, apesar da sua popularidade, mas sim o glaucoma. Os dados sobre a sua prevalência indicam que afeta 2,5% da população, mais do dobro da doença de Alzheimer ( 1,1% ). O Parkinson está muito mais atrás, com 0,157% da população afetada. Além do mais, se olharmos para o grupo populacional entre 40-80 anos, o glaucoma sobe para 3,5% da população.

No Dia Mundial da Visão, queremos destacar que o glaucoma é a principal causa de cegueira no mundo e também é conhecido como a doença silenciosa, porque a cegueira começa com a morte dos neurônios na periferia do olho.

Como mal prestamos atenção ao que vemos na periferia, a pessoa afetada não percebe a perda visual até ir ao oftalmologista. E até lá, normalmente 50% dos seus neurônios morreram e não conseguem mais se recuperar.

Como o próprio nome sugere, uma doença neurodegenerativa afeta os neurônios. E a retina, a parte sensível do olho, é composta por neurônios muito especializados. 

Nervo óptico
FOTO: JITENDRA JADHAV / SHUTTERSTOCK

A causa da cegueira no glaucoma é a morte dos neurônios que transportam a mensagem visual do olho para o cérebro, chamados células ganglionares da retina (embora, estritamente falando, devam ser chamados de neurônios ganglionares da retina). Isto pode causar confusão, pois embora todos os neurônios sejam células, nem todas as células são neurônios. E aqueles que morrem no glaucoma são os neurônios que conectam o olho ao cérebro.

Uma tremenda despesa farmacêutica e cirúrgica

O glaucoma não é uma doença que provoca a morte, mas é a principal causa de cegueira no mundo, atualmente irreversível. Por outro lado, o tratamento do glaucoma envolve um gasto médico e farmacêutico global que excede o de qualquer outra doença neurodegenerativa devido à duração do tratamento.

A variedade mais comum é chamada de glaucoma primário de ângulo aberto e aparece na idade adulta. Uma vez diagnosticada, requer tratamento farmacológico diário com colírios para o resto da vida, ao qual podem ser acrescentadas diferentes intervenções cirúrgicas à medida que a doença progride.

Em outras doenças neurodegenerativas, infelizmente, o tratamento farmacológico e cirúrgico é escasso. A esperança de vida também é menor no caso da doença de Alzheimer e da doença de Parkinson, devido à sua incapacidade.

Una neurodegenerativa no suficientemente investigada

O ser humano alcançou grandes desafios em pesquisa, como chegar a Marte ou impedir a propagação de uma pandemia com uma vacina gerada em poucas semanas.

Com este potencial, podemos pensar que seríamos capazes de curar todas as doenças atuais se fizéssemos investimentos suficientes em investigação para o fazer. 

No entanto, a maioria dos pedidos de investigação sobre doenças neurodegenerativas não inclui o glaucoma, o que é prejudicial para a investigação desta patologia.

Atualmente, um consórcio de investigadores internacionais – RReSTORe – uniu-se para unir forças, partilhar resultados e tentar promover o financiamento da investigação.

O consórcio está dividido em cinco subgrupos de discussão com os seguintes objetivos:

Desenvolver e diferenciar novos neurônios na retina que sejam capazes de substituir aqueles que morrem.

Desenvolva métodos e modelos para transplantar essas células no olho.

Estude como os novos neurônios se integrarão à retina e farão as conexões corretas com o restante dos neurônios.

Tente reconectar esses novos neurônios ao cérebro através do nervo óptico.

Conecte os terminais desses neurônios aos neurônios apropriados no cérebro para restaurar a visão.

Mais pesquisas seriam necessárias para encontrar uma cura.

Embora o apoio da indústria farmacêutica seja necessário para a descoberta de novos tratamentos, no caso da investigação para a prevenção ou cura de doenças como o glaucoma, as coisas mudam. 

Para investigar até ser detectada a origem da patologia, e mesmo conseguir a recuperação da visão, é necessário financiamento sem restrições ou interesses económicos, vindo principalmente dos Estados e de organizações sem fins lucrativos.

O aumento do financiamento da investigação resultará na melhoria da qualidade de vida das pessoas e na poupança nas despesas farmacêuticas dos estados.

A associação dos atingidos é muito importante, pois podem influenciar as decisões tomadas pelos decisores e apoiar a investigação. Em Espanha, a associação de pacientes com glaucoma (AGAF) está neste caminho.

• Retomada do Programa Mais Médicos foca mais na saúde da família

• Ligar fé à saúde é afronta à ética da medicina, diz pesquisador

• Reino Unido aproveita a experiência do programa agentes de saúde do SUS

Comentários

Post mais lidos nos últimos 7 dias

Influenciadora cristã torna-se ré por associar enchentes no Sul à quantidade de terreiros

90 trechos da Bíblia que são exemplos de ódio e atrocidade

Bianca Machado Cotta, vítima do voo AF 447

Responda cristão: Deus criou as estrelas antes ou depois da Terra?

Alunos evangélicos de escola de Manaus recusam trabalho de cultura africana

Líder de igreja é acusado de abusar de dezenas de fiéis

Ateus americanos recorrem à Justiça na 'guerra ao Natal'

Ateus são o grupo que menos apoia a pena de morte, apura Datafolha

Valdemiro pede 10% do salário que os fiéis gostariam de ter

A física moderna sugere que o tempo não avança, é apenas uma ilusão