Pular para o conteúdo principal

Retomada do Programa Mais Médicos foca mais na saúde da família

Objetivo é que as áreas desassistidas sejam atendidas por equipes de profissionais multidisciplinares 


AGÊNCIA BORI

O Programa Mais Médicos foi criado em 2013 para fortalecer o atendimento à população em regiões com poucos profissionais. De 2018 a 2023, porém, houve redução de 36% no número de médicos no programa. 

A reformulação da iniciativa em 2023 embasa uma nota de conjuntura de pesquisadores da Faculdade de Medicina da Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG) e da Fundação Oswaldo Cruz (Fiocruz) publicada na revista “Trabalho, Educação e Saúde” nesta sexta (6). 

Os autores afirmam que a recomposição do programa deve priorizar a alocação de médicos na Estratégia Saúde da Família, que mantém equipes multidisciplinares na atenção básica.

O programa propõe uma remuneração em forma de bolsa, e o profissional deve se comprometer com uma carga horária de 44 horas semanais, sendo 36 de atividades assistenciais e 8 de formação. 

“É um contrato temporário, e isso traz alguns problemas, porque não gera vínculo e não tem os mesmos direitos que a carteira assinada oferece”, explica Angélica Ferreira Fonseca, pesquisadora da Escola Politécnica de Saúde da Fiocruz e autora do documento junto com Geraldo Cunha Cury, professor da UFMG. 

Para a pesquisadora, “a alternância de médicos é prejudicial para a qualidade da atenção primária em saúde”.

Os pesquisadores ressaltam que esta versão do Mais Médicos atende a preocupações urgentes, como provimento e fixação de profissionais em áreas desassistidas e o processo de formação profissional. 

Estas são as novidades mais significativas do programa a partir de 2023, que “investe fortemente na formação dos médicos, com possibilidade de titulação”, afirma Fonseca. 

Desafio do programa
é fixar médicos em
regiões desassistidas

FOTO: MARCELO CAMARGO / AGÊNCIA BRASIL


A nova versão do programa estendeu o tempo de permanência para quatro anos. Ao final, o médico pode obter três títulos: especialista lato sensu, mestrado profissional e especialista em Medicina de Saúde da Família e Comunidade, que exige a aprovação em um exame.

Podem se inscrever no programa médicos brasileiros formados no país, médicos brasileiros com atuação no exterior e registro profissional no Brasil ou no exterior ou médicos estrangeiros com registro profissional, também no Brasil ou no país de origem.

Entre abril e agosto de 2023, 14 editais foram lançados e a procura foi alta, de acordo com a nota dos pesquisadores. 

“É inegável que o Mais Médicos esteve no centro de disputas políticas nos últimos governos, mas também é inegável que ele está endereçado a um problema grave no país, que é o acesso à saúde. Uma das consequências desse cenário é a precarização das condições de trabalho dos médicos”, diz Fonseca. 

Os autores registram que a atual versão do programa avança em relação à experiência anterior frente ao desafio de manter profissionais na Amazônia e, em particular, em territórios indígenas, tanto que houve um edital específico com mil vagas para a região.

O objetivo do programa é ampliar esse acesso à saúde para a população. “O Brasil vive um problema de vazios assistenciais, onde o acesso a serviços de saúde é difícil, há uma necessidade de agir urgentemente, então a retomada do Mais Médicos é muito bem-vista”, aponta a pesquisadora. “Mas esse é um problema histórico que não vai ter solução a curto prazo”, completa.

https://abori.com.br/saude/retomada-do-programa-mais-medicos-busca-fortalecer-estrategia-de-saude-da-familia/

Com informação da revista “Trabalho, Educação e Saúde”.

• Reino Unido aproveita a experiência do programa agentes de saúde do SUS

• ‘Medicina alternativa’ coloca o SUS contra a ciência, dizem estudiosas

• Ferramenta ajuda pacientes com Alzheimer a preservar a memória

Comentários

Post mais lidos nos últimos 7 dias

Influenciadora cristã torna-se ré por associar enchentes no Sul à quantidade de terreiros

90 trechos da Bíblia que são exemplos de ódio e atrocidade

Bianca Machado Cotta, vítima do voo AF 447

Responda cristão: Deus criou as estrelas antes ou depois da Terra?

Alunos evangélicos de escola de Manaus recusam trabalho de cultura africana

Líder de igreja é acusado de abusar de dezenas de fiéis

Ateus americanos recorrem à Justiça na 'guerra ao Natal'

Ateus são o grupo que menos apoia a pena de morte, apura Datafolha

Valdemiro pede 10% do salário que os fiéis gostariam de ter

A física moderna sugere que o tempo não avança, é apenas uma ilusão