Pular para o conteúdo principal

Faz 30 anos que uma nave espacial detectou vida na Terra

Carl Sagan fez com que a nave robô da Nasa Galileu fizesse um teste para saber se ela conseguia mesmo descobrir vida em um planeta. E o planeta escolhido foi a Terra


GARETH DORRIAN
pesquisador de pós-doutorado 
em Ciências Espaciais, na
Universidade de Birmingham,
Inglaterra

The Conversation
plataforma de informação
e análise produzida por 
acadêmicos e jornalistas

Já se passaram 30 anos desde que um grupo de cientistas liderado por Carl Sagan encontrou evidências de vida na Terra usando dados de instrumentos a bordo da espaçonave robótica Nasa Galileu. Sim, você leu corretamente. Entre as suas muitas pérolas de sabedoria, Sagan ficou famoso por dizer que a ciência é mais do que um corpo de conhecimento – é uma forma de pensar.

Em outras palavras, a forma como os humanos realizam a descoberta de novos conhecimentos é pelo menos tão importante quanto o próprio conhecimento.

Neste sentido, o estudo foi um exemplo de “experiência de controle” – uma parte crítica do método científico. Isto pode envolver perguntar se um determinado estudo ou método de análise é capaz de encontrar evidências de algo que já sabemos.

Suponhamos que alguém passasse pela Terra em uma espaçonave alienígena com os mesmos instrumentos a bordo que Galileu tinha. Se não soubéssemos mais nada sobre a Terra, seríamos capazes de detectar vida aqui de forma inequívoca, usando apenas estes instrumentos (que não seriam otimizados para encontrá-la)? Se não, o que isso diria sobre a nossa capacidade de detectar vida em qualquer outro lugar?

O Galileu foi lançado em outubro de 1989 num voo de seis anos até Júpiter. No entanto, Galileu teve primeiro de fazer várias órbitas no interior do sistema solar, em sobrevoos próximos da Terra e de Vênus, a fim de ganhar velocidade suficiente para chegar a Júpiter.

Em meados da década de 2000, os cientistas recolheram amostras de sujidade do ambiente semelhante a Marte do deserto chileno do Atacama, na Terra, que é conhecido por conter vida microbiana. Eles então usaram experimentos semelhantes aos usados ​​na espaçonave Viking da NASA (que tinha como objetivo detectar vida em Marte quando pousaram lá na década de 1970 ) para ver se era possível encontrar vida no Atacama.

Eles falharam – a implicação é que se a sonda Viking tivesse aterrado na Terra, no deserto do Atacama, e realizado as mesmas experiências que fizeram em Marte, poderia muito bem ter perdido assinaturas de vida, embora se saiba que esta está presente.

Resultados Galileu

Galileu foi equipado com uma variedade de instrumentos projetados para estudar a atmosfera e o ambiente espacial de Júpiter e suas luas. Isso incluiu câmeras de imagem, espectrômetros (que decompõem a luz por comprimento de onda) e um experimento de rádio.

É importante ressaltar que os autores do estudo não presumiram quaisquer características da vida na Terra ab initio (desde o início), mas tentaram derivar as suas conclusões apenas a partir dos dados. O instrumento espectrômetro de mapeamento por infravermelho próximo (NIMS) detectou água gasosa distribuída pela atmosfera terrestre, gelo nos polos e grandes extensões de água líquida “de dimensões oceânicas”. Também registrou temperaturas variando de -30°C a +18°C.

Evidência para a vida? Ainda não. O estudo concluiu que a detecção de água líquida e de um sistema meteorológico aquático era um argumento necessário, mas não suficiente.

O NIMS também detectou altas concentrações de oxigênio e metano na atmosfera da Terra, em comparação com outros planetas conhecidos. Ambos são gases altamente reativos que reagiriam rapidamente com outros produtos químicos e se dissipariam em um curto período de tempo. 

Terra e Lua vistas pela
espaçonave Galileu 
a 6 milhões de km

IMAGEM: NASA

A única maneira de manter tais concentrações destas espécies seria se elas fossem continuamente reabastecidas por algum meio – mais uma vez sugerindo, mas não provando, vida. Outros instrumentos da espaçonave detectaram a presença de uma camada de ozônio, protegendo a superfície da prejudicial radiação UV do Sol.

Pode-se imaginar que uma simples olhada pela câmera seja suficiente para detectar a vida. Mas as imagens mostraram oceanos, desertos, nuvens, gelo e regiões mais escuras na América do Sul que, apenas com conhecimento prévio, sabemos, claro, serem florestas tropicais. 

No entanto, uma vez combinada com mais espectrometria, descobriu-se que uma absorção distinta de luz vermelha se sobrepunha às regiões mais escuras, o que o estudo concluiu ser “fortemente sugestivo” de absorção de luz pela vida vegetal fotossintética. Nenhum mineral era conhecido por absorver luz exatamente dessa maneira.

As imagens de maior resolução obtidas, conforme ditado pela geometria do sobrevoo, foram dos desertos da Austrália central e das camadas de gelo da Antártica. Portanto, nenhuma das imagens tiradas mostrava cidades ou exemplos claros de agricultura. A espaçonave também passou perto do planeta durante o dia, de modo que as luzes das cidades à noite também não eram visíveis.

De maior interesse, porém, foi o experimento de rádio de ondas de plasma de Galileu. O cosmos está repleto de emissões naturais de rádio, mas a maior parte é de banda larga. Isto é, a emissão de uma determinada fonte natural ocorre em muitas frequências. 

As fontes de rádio artificiais, pelo contrário, são produzidas numa banda estreita: um exemplo quotidiano é a sintonia meticulosa de um rádio analógico necessária para encontrar uma estação no meio da estática.

Um exemplo de emissão natural de rádio da aurora na atmosfera de Saturno pode ser ouvido abaixo. A frequência muda rapidamente – ao contrário de uma estação de rádio.

Galileu detectou emissões de rádio de banda estreita consistentes da Terra em frequências fixas. O estudo concluiu que isto só poderia ter vindo de uma civilização tecnológica e só seria detectável no século passado. 

Se a nossa nave espacial alienígena tivesse feito o mesmo sobrevoo pela Terra em qualquer momento nos poucos bilhões de anos anteriores ao século XX, então não teria visto nenhuma evidência definitiva de uma civilização na Terra.

Talvez não seja surpresa que, até agora, não tenha sido encontrada nenhuma evidência de vida extraterrestre. Mesmo uma espaçonave voando a poucos milhares de quilômetros da civilização humana na Terra não tem garantia de detectá-lo. Experimentos de controle como este são, portanto, críticos para informar a busca por vida em outros lugares.

Na era atual, a humanidade já descobriu mais de 5.000 planetas em torno de outras estrelas, e até detectamos a presença de água nas atmosferas de alguns planetas. A experiência de Sagan mostra que isto não é suficiente por si só.

Um forte argumento a favor da existência de vida noutros locais exigirá provavelmente uma combinação de evidências que se apoiem mutuamente, tais como a absorção de luz por processos semelhantes aos da fotossíntese, a emissão de rádio em banda estreita, temperaturas e condições meteorológicas modestas e vestígios químicos na atmosfera que são difíceis de explicar por meios não biológicos. 

À medida que avançamos para a era de instrumentos como o telescópio espacial James Webb , a experiência de Sagan continua tão informativa agora como era há 30 anos.

• Carl Sagan escreve sobre um 'pálido ponto azul' nos cosmos, a Terra

• Lições de mortalidade que recebi do meu pai, Carl Sagan

• Não há esperança fora da ciência, diz viúva de Sagan

Comentários

Post mais lidos nos últimos 7 dias

90 trechos da Bíblia que são exemplos de ódio e atrocidade

Em 2022, no Rio, jovens e brancos foram maioria dos casos da varíola dos macacos

Veja 14 proibições das Testemunhas de Jeová a seus seguidores

Britney Spears entra na lista de famosos que não acreditam em Deus

Por que Jesus é retratado com um tanquinho? Esse messias reflete os valores cristãos de masculinidade

Atentados e corte de verba pública colocam as Testemunhas de Jeová em crise

Sam Harris: não é Israel que explica as inclinações genocidas do Hamas. É a doutrina islâmica