Pular para o conteúdo principal

Justiça da Noruega anula expulsão de mulher das Testemunhas de Jeová

A decisão abre caminho para que a justiça de outros países protejam ex-fiéis da intolerância 


Um tribunal de apelação da Noruega anulou a expulsão de uma fiel das Testemunhas de Jeová, em um julgamento sem precedentes.

Gry Helen Nygard foi desassociada em 2018 após ela contar a anciões (pastores) que fora vítima de estupro por um integrante da igreja. Os religiosos entenderam que ela foi conivente com o abuso e a expulsaram.

A Justiça determinou que as TJs paguem a Nygard indenização correspondente a R$ 60 mil e que assumam os custos do processo, em torno de R$ 500 mil.

As TJs estão recorrendo da decisão, que poderá ser seguida por outros países europeus.

Para Nygard, o importante não é a volta à religião, mas poder ter contato com seus dois filhos.

Inflexíveis e fundamentalistas, os Jeovás discriminam os desassociados, destruindo suas famílias, impedindo, em muitos casos, o relacionamento entre pais e filhos.


Gryn quer
ter os filhos
de volta





Comentários

Anônimo disse…
Tem que anular essa seita inteira
cultfriend disse…
Absurdo essa seita extremista ainda existir em pleno século XXI
Manoel disse…
Isso espulssaram nossa família inteira ,fizeram discriminação com minha família,minhas filhas ficaram até com depressão e meu esposo também

Post mais lidos nos últimos 7 dias

90 trechos da Bíblia que são exemplos de ódio e atrocidade

Deputado estadual constrói capela em gabinete. Ele pode?

Ateu manda recado a padre preconceituoso de Nova Andradina: ame o próximo

Veja 14 proibições das Testemunhas de Jeová a seus seguidores

Mescla da política e religião intimida ateus no Brasil. E defendê-los e defender a razão

Como as memórias são armazenadas em nosso cérebro?

No noticiário, casos de pastores pedófilos superam os de padres

Fé de pais TJs não supera direito à vida de um bebê, decide juíza

Holanda pede a religiosos provas de que animal não sofre no abate

Marianne Thieme: "Liberdade religiosa termina onde começa o sofrimento de humanos ou de animais"  O Parlamento da Holanda concedeu aos líderes do judaísmo e do islamismo um ano para provar cientificamente que o abate religioso não causa sofrimento nos animais.  Em junho de 2011, a Câmara dos Deputados aprovou lei que proíbe esse tipo de abate porque é feito sem o atordoamento dos animais. A lei terá de ser votada pelo Senado, para ser confirmada ou não, o que ocorrerá após o prazo dado para a manifestação dos religiosos. A lei foi proposta pelo Partido pelos Animais, o único do gênero no mundo. Para Marianne Thieme (foto), líder do partido, “a liberdade religiosa termina onde começa o sofrimento humano ou animal”. Ela é seguidora da Igreja Adventista do 7º Dia. A proposta da nova lei uniu judeus e muçulmanos do país. Eles acusam o Parlamento de querer acabar com a liberdade de religião. Pela tradição judaica e islâmica, os animais têm de estarem conscientes no m