Pular para o conteúdo principal

Vanessa, ex-Testemunha de Jeová: 'Minha mãe me expulsou, jogando minhas coisas na rua'

Fanatismo religioso
 leva mãe a renegar
 a própria filha


por Vanessa Pimentel
ex-Testemunha de Jeová

"Quando eu tinha dois anos, minha mãe começou a frequentar uma religião [Testemunhas de Jeová]. Por causa disso, fui participante ativa desde a infância. Depois de dez anos, fui batizado e passei a assumir mais responsabilidades dentro do grupo. Todos os sábados, precisamos executar o serviço de bater de porta em porta, chamando as pessoas para conversar.

Conforme fui crescendo, fui me irritando com essa obrigação, mas continuando fazendo porque sabia que era importante para minha mãe.

Contudo, minha vida virou um inferno quando comecei a namorar um rapaz, aos 17 anos. Como ele não pertencia à religião, passava a ser tratado de forma diferente pelos demais, pois estava fazendo algo que era contra as regras.

Em casa, também senti uma diferença na convivência. Tudo o que fazia estava errado, tinha algum defeito.

Mesmo assim, continuei com o relacionamento com o meu namorado. Até tivemos relações sexuais, o que não é permitido pela religião antes do casamento.

O sentimento de culpa em mim era muito grande, então contei para minha mãe. Tudo piorou: ela escondeu algumas comidas e disse aos meus irmãos que eu não era merecedora delas, além de delegar como funções domésticas todas para mim.

Um dia procurei os anciãos do grupo e contei o que tinha feito. Fui obrigada a passar por uma espécie de julgamento: em ritual como esse, a pessoa deve dizer o que fez de errado, entrando em detalhes. O resultado é que fui expulsa da religião.

Minha mãe também deixou de falar comigo. Quando o fazia, era para implicar com algo.

Na época, eu trabalhava como empregada doméstica e estudava radiologia. Sentia que estava sendo muito injustiçada, pois não estava fazendo nada de errado.

Um dia, depois de voltar ao trabalho, tivemos uma briga, e ela veio para cima de mim. Meu pai, que não fazia oposição a ela, nos separou.

Não demorou, para que minha mãe jogasse minhas coisas na ruda, dizendo que ali não tinha mais espaço para mim.

Fique tão revoltada que chamei a polícia. Entrei novamente na casa, peguei o restante das minhas coisas e não sabia o que fazer e nem para aonde ir. Acabei ligando para o meu namorado, cuja família é também religiosa, e ele me acolheu.


Por pressão deles, nos casamos. Na época, eu estava com 22 anos. Mas a situação toda começou com que começamos a nos estranhar. Não nos dá mais tão bem. Acabamos nos separando logo em seguida.

Depois disso, acabei voltando a morar na casa da minha mãe. Eu ainda não ganhava o suficiente com as faxinas para pagar um aluguel.

Não demorou e nos desentendemos novamente pela pressão que ela fazia para que eu voltasse a frequentar como reuniões religiosas.

Minha situação melhor quando uma vizinha me ofereceu um quarto para morar por um preço baixo. Então, consegui me reestruturar. Fui trabalhar na área da saúde, conheci um rapaz, me casei e temos dois filhos.

Ainda tenho contato com minha família, mas tudo é difícil. Minha mãe não deseja persuadir e até cantar, tanto eu quanto meus irmãos, para voltar a frequentar as reuniões do grupo.

Por causa disso, passamos longos períodos sem falar. Apesar de ter conseguido organizar minha vida, até hoje tenho sonhos constantes com o momento em que eu vi na rua, sem ter ideia de como seriamente a minha vida dali para frente. "

Vanessa Pimentel, 33, é radiologista. Seu depoimento foi publicado inicialmente no site Universa, com o título "Jogou minhas coisas na rua".



Veja 14 proibições das Testemunhas de Jeová a seus seguidores

Ex-fiel diz por que as Testemunhas de Jeová são uma 'seita destrutiva'

MP da Itália investiga perseguição de Testemunhas de Jeová à ex-fiel

Revista das Testemunhas de Jeová afirma que ex-fiéis são 'doentes mentais'



Comentários

Post mais lidos nos últimos 7 dias

90 trechos da Bíblia que são exemplos de ódio e atrocidade

Escola Estadual Igreja Evangélica muda de nome e deixa de afrontar o Estado laico

Evangélico, chefão do tráfico no Rio manda fechar igrejas católicas

Malafaia divulga mensagem homofóbica em outdoors do Rio

Essência do totalitarismo é querer fazer o 'bem para todos'

Título original: Tentação totalitária por Luiz Felipe Pondé para Folha Você se considera uma pessoa totalitária? Claro que não, imagino. Você deve ser uma pessoa legal, somos todos. Às vezes, me emociono e choro diante de minhas boas intenções e me pergunto: como pode existir o mal no mundo? Fossem todos iguais a mim, o mundo seria tão bom... (risadas). Totalitários são aqueles skinheads que batem em negros, nordestinos e gays. Mas a verdade é que ser totalitário é mais complexo do que ser uma caricatura ridícula de nazista na periferia de São Paulo. A essência do totalitarismo não é apenas governos fortes no estilo do fascismo e comunismo clássicos do século 20. Chama minha atenção um dado essencial do totalitarismo, quase sempre esquecido, e que também era presente nos totalitarismos do século 20. Você, amante profundo do bem, sabe qual é? Calma, chegaremos lá. Você se lembra de um filme chamado "Um Homem Bom", com Viggo Mortensen, no qual ele é um cara

Ministro do STF critica a frase ‘Deus seja louvado’ do real

Marco Aurélio lembrou  que somente no  império  a religião era obrigatória  O ministro Marco Aurélio (foto), 65, do STF (Supremo Tribunal Federal), disse que não consegue conceber “que nas notas de moedas do real nós tenhamos ‘Deus seja louvado’”, porque isso fere a laicidade do Estado. Em uma entrevista ao UOL, lembrou que na argumentação de seu voto favorável à descriminalização do aborto de fetos anencéfalos, em abril, ressaltou que o Brasil não está mais no império, “quando a religião católica era obrigatória e o imperador era obrigado a observá-la”. “ Como outro exemplo de incompatibilidade com o Estado laico ele citou o crucifixo do plenário do STF. “Devíamos ter só o brasão da República.” Aurélio elogiou a decisão do Tribunal de Justiça gaúcho pela retirada do crucifixo de todas as suas dependências, o que demonstra, segundo ele, que o Rio Grande do Sul é um Estado que “está sempre à frente em questões políticas”. Celso de Mello, outro ministro do Supremo, já

Intel deixa de ajudar escoteiros que discriminam gays e ateus

Arcebispo afirma que vida dos descrentes não tem sentido

Para Battisti, o sentido da vida está no sobrenatural  O arcebispo Anuar Battisti (foto), 59, de Maringá (PR), escreveu um artigo onde aborda um tema recorrente por parte de religiosos, o de que não há sentido na vida dos descrentes em Deus. “Este ambiente de descrença, misturado com ateísmo, leva a pessoa a viver no deserto da vida sem gosto, sem rumo, vagando em busca de um sentido”, escreveu dom Battisti no artigo publicado no Diário.com. “A ausência de Deus cria na alma humana um vazio de sentidos que leva ao desespero, à negação de tudo o que diz respeito ao sobrenatural”, acrescentou. A americana Paula Kirby, consultora de organizações seculares, escreveu recentemente no Washington Post que quem precisa de Deus para que a sua vida tenha um significado é porque a sua família e amigos, em tese, não têm nenhum valor. O que, obviamente, é um absurdo. Ninguém precisa de Deus, por exemplo, para amar seus filhos. Kirby argumentou que é o cristianismo que tenta tirar todo

Médico acusado de abuso passa seu primeiro aniversário na prisão

Roger Abdelmassih (reprodução acima), médico acusado de violentar pelo menos 56 pacientes, completou hoje (3) 66 anos de idade na cela 101 do pavilhão 2 da Penitenciária de Tremembé (SP). Foi o seu primeiro aniversário no cárcere. Filho de libaneses, ele nasceu em 1943 em São João da Boa Vista, cidade paulista hoje com 84 mil habitantes que fica a 223 km da capital. Até ser preso preventivamente no dia 17 de agosto, o especialista em reprodução humana assistida tinha prestígio entre os ricos e famosos, como Roberto Carlos, Hebe Camargo, Pelé e Gugu, que compareciam a eventos promovidos por ele. Neste sábado, a companhia de Abdelmassih não é tão rica nem famosa e, agora como o próprio médico, não passaria em um teste de popularidade. Ele convive em sua cela com um acusado de tráfico de drogas, um ex-delegado, um ex-agente da Polícia Federal e um ex-investigador da Polícia Civil. Em 15 metros quadrados, os quatros dispõem de três beliches, um vaso sanitário, uma pia, um ch