Irlandeses aprovam o aborto e Igreja Católica sofre nova derrota


Vitória das
 mulheres em
um país de
maioria católica

Em um referendo histórico, a maioria dos irlandeses (66%) aprovou a legalização do aborto, contra a postura conservadora da Igreja Católica, que carimba o procedimento como “pecado”. 

Agora, o governo vai regulamentar o aborto para gestação até 12 semanas.

Antes, o procedimento era permitido somente a mulheres em estado de risco iminente de morte.

No geral, mulher que decidisse interromper uma gravidez poderia ser condenada a até 14 anos de prisão.

O resultado do referendo é, portanto, uma vitória principalmente das mulheres e uma derrota da Igreja.

Embora 78% da população afirmam ser católicos, em 2015 já ficou evidente que Igreja perdeu influência na Irlanda, com a aprovação do casamento entre pessoas do mesmo sexo.

O “divórcio” entre irlandeses e Igreja Católica se dá também pelos casos de padres pedófilos que abalaram o país.

Com informação das agências.


Irlanda foi uma teocracia que tratou mulheres como escórias

Irlanda regasta a história da vergonha das lavanderias católicas




Padre que abusou de 55 crianças na Irlanda dava aula em Osasco

A responsabilidade dos comentários é de seus autores.


Comentários

  1. Sou ateu e não nutro a menor simpatia pela igreja católica, ou qualquer outra. Porém, sou menos simpático ainda a assassinos. Aborto indiscriminado - sem nenhum motivo justo, seja por estupro, seja por colocar a vida da mulher em risco, a exemplos - é pura e simplesmente assassinato premeditado. A biscate vai, dá de qualquer jeito, não se previne, fica grávida e arranca de seu útero e mata uma vida inocente? Direito sobre o próprio corpo? Apóio. Mas e os deveres sobre o próprio corpo, como prevenir uma gestação indesejada, onde ficam os deveres para com o corpo? Concordo com que as mulheres possam decidir sobre o próprio corpo - e os homens também -, mas acontece que o embrião, o feto não é o corpo delas, não é o corpo das feministas assassinas, é outro corpo, é o corpo de outro ser vivo, que, por azar, está crescendo e permanecerá por poucos meses dentro de uma assassina.
    Direito sobre o próprio corpo? OK. Quer matar alguém? Então, se mate. Dou todo o apoio nesse caso. Até dou umas dicas de como se suicidar. Mas abortar indiscriminadamente não é exercer o direito sobre o próprio corpo, é decretar a pena de morte de outro.
    Acho curioso - e hipócrita - certas "visões" feministas, sobretudo as de viés esquerdista. São a favor do aborto, da pena de morte para um inocente, mas se declaram contra a execução de criminosos, contra a pena de morte para um bandido. Matar o feto que é produto de um estupro, pode; matar o estuprador, não, é contra os direitos humanos.
    E nem me venham com aquela (outra) lenga-lenga de que não sei até quantos meses o feto não sente dor, não tem consciência etc. Biologicamente falando, a partir do momento da fecundação, da formação da primeira célula do novo ser vivo, o zigoto, ele já é vivo. Essa única célula já se nutre, realiza respiração celular, se duplica etc, ou seja, apresenta metabolismo, atributo que define o ser vivo e o distingue da matéria bruta, inanimada.
    Não tem condição de criar a criança? Outra balela. Qualquer gata vira-latas ou cadela de rua dá conta de cuidar da cria. Uma ser humano não? Papo de vagabunda! E vá lá que seja, vamos acreditar que a vagaba seja tão inútil e desprezível e que não consiga mesmo criar o próprio rebento. Simples : dê para a adoção. Basta ir em qualquer hospital público e manifestar sua vontade de dar a criança para a adoção a uma assistente social. O parto é realizado, a biscate não precisa nem ver o rosto do bebê que pretendia matar e a criança vai viver em uma casa que muito vai lhe querer.
    Aborto indiscriminado não é exercer o direito sobre o próprio corpo. Não pode ser considerado uma vitória de ninguém. É assassinato. Premeditado. Qualificado.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Como ateu está faltando estudo pra tu, nenhum cientista no mundo diz que zigoto é ser vivo.

      Excluir
    2. Vamos analisar cada parte do seu argumento:
      1 - "Mas e os deveres sobre o próprio corpo, como prevenir uma gestação indesejada, onde ficam os deveres para com o corpo?"
      - O problema é q há diversas influências no caso: sexo só após o casamento, vc DEVE ter filhos, boicote à camisinha e outros métodos anti-conceptivos. Mas ngm chega e pergunta p/ a mulher o que ela quer.
      2 - "Acho curioso - e hipócrita - certas "visões" feministas, sobretudo as de viés esquerdista. São a favor do aborto, da pena de morte para um inocente, mas se declaram contra a execução de criminosos, contra a pena de morte para um bandido. Matar o feto que é produto de um estupro, pode; matar o estuprador, não, é contra os direitos humanos."
      - Eu sou a favor do aborto em questões específicas (estupro, risco de morte, anencefalia) o restante não sou a favor, porém se vc quer fazer, o faça até pq é liberado p/ quem tem grana e não vejo ngm reclamando sobre isso. Quando a lei for aplicada seriamente a todos, aí podemos fazer a comparação com bandidos.
      A comparação com bandidos é interessante. Há um erro de muitos esquerdistas (q aliás, mancham a questão de direitos humanos), mas é MUITO parecido com a igreja (se importar com fetos, mas crianças abandonadas que se explodam)...Ambos os lados cometem o mesmo erro.
      3 - "Não tem condição de criar a criança? Outra balela. Qualquer gata vira-latas ou cadela de rua dá conta de cuidar da cria. Uma ser humano não? Papo de vagabunda!"
      - Falou pouco mas falou merda. Aliás, usou um conceito de religioso, que não sabendo de ciência, liga o discurso religioso com científico (o famoso: "Nossa, pq abandona o bebê, nenhum animal faz isso").
      Na verdade, há dois pontos bem irônicos sobre: O que é pior? Pobre q tem mil filhos e não tem condições de criar ou dondoca que não cuida mas deixa as empregadas cuidarem dos filhos???
      4 - "Simples : dê para a adoção."
      - É uma opção interessante, mas não é uma solução. Se bobear, pode ser um outro problema, já q há crianças q sequer são adotadas. Talvez, a solução seria a conscientização de métodos anti-conceptivos, aí vem o problema de doutrinas religiosas/ignorância das pessoas. Ó o ciclo vicioso do problema...
      5 - "Aborto indiscriminado não é exercer o direito sobre o próprio corpo. Não pode ser considerado uma vitória de ninguém. É assassinato. Premeditado. Qualificado.."
      - Uma pergunta que agora lembrei e deixei p/ último: Já ouviu falar de aborto espontâneo? Como saber se aconteceu isso? Ou vamos prender as mulheres como ocorre no Chile, Rep. Dominicana e outros países?

      Excluir

Postar um comentário

Busca neste site