Judeus ortodoxos retomam em Jerusalém rituais de sacrifício



Nos últimos anos, judeus ortodoxos de Jerusalém (Israel) retomaram os rituais de sacrifício de animais, resgatando a tradição de Leviim, uma tribo bíblica de Levi que se dedicava a cuidar do  templo sagrado.

Secularistas e autoridades do governo estão tentando impedir a continuidade da prática.

O mais recente sacrifício — de uma cabra —ocorreu na Páscoa [ver vídeo abaixo], no Monte do Templo.
abate religioso
Tradição do abate de cabra
vem da tribo bíblica Leviim

Os religiosos tiveram de obter uma liminar do Supremo Tribunal para realizar o ritual, porque desta vez o Departamento Veterinário de Israel informou que não ia autorizar a celebração.

O rabino Yehuda Glick contou que o ritual tem sido realizado como parte das orações para que haja a reconstrução do templo e que o abate se dá “com máximo de precisão bíblica possível”.

Contou que em um altar, “construído como o real e de acordo com a lei judaica”, a cabra foi abatida por um sacerdote sob cantos de Leviim.

No Brasil, o sacrifício é comum entre seguidores de crenças de afrodescendentes. Alguns religiosos argumentam, nesse caso, que não se trata de um abate apenas para fins de celebração porque, depois, a carne do animal serve para alimentar as pessoas.

Em 2011, o deputado Feliciano Filho (PV), da Assembleia Legislativa de São Paulo, propôs projeto de lei que, se fosse aprovado, proibiria os abates religiosos no Estado.

Na época, Tata Matâmoride, presidente do Instituto Nacional de Defesa das Tradições de Matriz Afro-brasileira, criticou a proposta com o argumento de que se tratava de perseguição religiosa, já que não haveria proibição dos abates cristãos, como o de abate de animais para a ceia de Natal.

Sangue de cabra para Jeová


Com informação e vídeo do Israel National News e deste site.



Afro-brasileiro critica proposta para ritual de sacrifício