Pular para o conteúdo principal

Entre os 10 autores mais influentes de posts da extrema-direita, 8 são evangélicos

Estudo rastreou a rede social por três meses para saber o que está mobilizando o extremismo no Brasil


Dos 10 autores mais influentes de posts da extrema-direita, 8 são evangélicos autodeclarados, ou seja, 80%, destacando-se nomes como o deputado Nikolas Ferreira (PL-MG), senador Flávio Bolsonaro (PL-RJ) e Michelle Bolsonaro, ex-primeira-dama.

Essas informações estão no estudo feito por pesquisadores da UFF (Universidade Federal Fluminense) e da UFRJ (Universidade Federal do Rio de Janeiro).

Com financiamento da Fundação Heinrich Böll, o estudo utilizou um soft de inteligência artificial que rastreou 50 milhões de pessoas por dia e posts de extremistas de novembro de 2023 a janeiro de 2024.

Foram monitorados os X (antigo Twitter), Instagram, Facebook e YouTube. O mais utilizado foi o X, que se firmou com a rede social preferida pela extrema-direita brasileira.


X é a rede preferida
da extrema-direita,
bem à frente das demais
 
Em textos curtos, os posts expressavam sentimentos de ameaça, medo e desconfiança, na maioria das vezes em defesa do ex-presidente Jair Bolsonaro ou em louvação a ele e de ataque ao ministro Alexandre de Moraes, do STF, e ao presidente Lula.

Parte dos posts apenas continham links de publicações de direita ou de informações de interesse do bolsonarismo, como textos de apoio à tentativa de golpe de 8 de janeiro, segundo a professora Christina Vital, uma das coordenadoras do estudo.

O cientista político Joanildo Burity afirma que o estudo confirma a força de mobilização dos evangélicos de extrema-direita, embora esse segmento seja minoritário — cerca de 10% desse extrato da população, que representa 30% dos brasileiros.

Burity diz ser recente a influência do país da extrema-direita, que sempre esteve marcada pela sua associação com a ditadura militar, skinheads e grupos pró-nazismo.

“Os evangélicos deram uma base social de massas para o movimento de extrema-direita”, diz

“Sem essa militância religiosa da extrema-direita, ela se reduz ao que sempre foi: grupelhos de intelectuais, de empresários, de militares, muito coesos, mas capazes de reunir bem pouca gente”.

> Com informação da Fundação Heinrich Böll e DW Brasil.

Comentários

Post mais lidos nos últimos 7 dias

90 trechos da Bíblia que são exemplos de ódio e atrocidade

Deputado estadual constrói capela em gabinete. Ele pode?

Ateu manda recado a padre preconceituoso de Nova Andradina: ame o próximo

Mescla da política e religião intimida ateus no Brasil. E defendê-los e defender a razão

Veja 14 proibições das Testemunhas de Jeová a seus seguidores

Como as memórias são armazenadas em nosso cérebro?

No noticiário, casos de pastores pedófilos superam os de padres

Fé de pais TJs não supera direito à vida de um bebê, decide juíza

Marcha para Jesus no Rio contou com verba de R$ 2,48 milhões

A prefeitura do Rio de Janeiro liberou R$ 2,48 milhões para a realização ontem (sábado, 19) da Marcha para Jesus, que reuniu cerca de 300 mil evangélicos de diferentes denominações. Foi a primeira vez que o evento no Rio contou com verba oficial e apoio institucional da Rede Globo. O dinheiro foi aprovado para a montagem de palco, sistema de som e decoração. O pastor Silas Malafaia, um dos responsáveis pela organização da marcha, disse que vai devolver R$ 410 mil porque o encontro teve também o apoio de sua igreja, a Assembleia de Deus Vitória em Cristo. “O povo de Deus é correto”, disse. “Quero ver a parada gay devolver algum dinheiro de evento.” Pela Constituição, que determina a laicidade do Estado, a prefeitura não pode conceder verba à atividade religiosa. Mas o prefeito Eduardo Paes (PMDB), que compareceu à abertura da marcha, disse que o seu papel é apoiar todos os eventos, como os evangélicos e católicos e a parada gay. A marcha começou às 14h e contou com sete trios

Só metade dos americanos que dizem 'não acredito em Deus' seleciona 'ateu' em pesquisa