Pular para o conteúdo principal

Vídeo mostra adolescente 'endemoninhado' no chão. É um culto em escola pública de Caxias

Afrontando a laicidade determinada pela Constituição, escola do Estado do Rio de Janeiro assedia e manipula estudantes submetendo-os à doutrinação religiosa   


Eduardo Banks
jornalista e militante do Estado laico

Última Hora

Em uma era onde a verdade é mais valiosa do que nunca, uma investigação jornalística meticulosa desvenda práticas controversas da diretora Andrea Neves Valverde na E. E. Professora Cordélia Paiva em Duque de Caxias, Rio de janeiro.

Desafiando os limites entre o ético e o legal, de acusações que oscilam entre a realização de cultos religiosos em um ambiente educacional laico e graves denúncias de assédio moral e manipulação.

Em vídeos a que o ÚLTIMA HORA teve acesso exclusivo, alunos da E.E. Professora Cordélia Paiva são constrangidos a participar de atividades religiosas em salas de aula, com todo o “circo pentecostal” que caracteriza essa espécie de culto, com crianças caindo como se estivessem “endemoninhadas”, sendo evidente a manipulação feita sobre a personalidade em formação desses jovens. 

Segundo o biólogo Richard Dawkins, “submeter crianças à doutrinação religiosa é o mesmo que maltratá-las”, o que não foi considerado pela administração escolar.

Diretora de escola pública estadual usaria de seu cargo para promover práticas religiosas no ambiente de ensino, e interferência nas atividades escolares regulares, desvirtuando o espaço destinado à formação tecnológica, para encontros de casais, jovens e adolescentes que somente poderiam ser realizados em igrejas, colocando em xeque o valor da sua própria formação pedagógica.



Em 2016, o Órgão Especial do Tribunal de Justiça do Estado do Rio de Janeiro já tinha proibido a aplicação de uma lei teocrática (Lei E 4.295/2004) que permitia o emprego dos espaços das escolas públicas por grupos religiosos, portanto, há OITO ANOS que os diretores de escolas estaduais são obrigados a saber que são obrigados a manter a neutralidade religiosa no funcionamento das instituições de ensino. Inadmissível que ainda ocorra o “prevaricar por Jesus” no serviço público: 

Direito constitucional. Representação de inconstitucionalidade da lei estadual 4.295/2004. Norma que autoriza os diretores de escolas públicas estaduais a ceder espaço nos colégios para a realização de encontro de casais, jovens e adolescentes de todos os grupos religiosos. Matéria relativa à organização e funcionamento da administração pública, o que engloba a gestão de bem público, incompatibilidade vertical da norma impugnada com os artigos 7º, 112, §1º, II, “D” E 145, II e VI, todos da Constituição do Estado do Rio de Janeiro, que conferem ao governador do Estado iniciativa reservada de lei para regular as matérias em discussão. Hipótese que consubstancia inconstitucionalidade formal e orgânica, porquanto a lei foi editada por órgão distinto do previsto nas regras constitucional da qual deveria retirar o seu fundamento de validade, Declaração de inconstitucionalidade que se impõe. (0061223-27.2015.8.19.0000 - DIRETA DE INCONSTITUCIONALIDADE. Des(a). GABRIEL DE OLIVEIRA ZEFIRO - Julgamento: 04/07/2016 - OE - SECRETARIA DO TRIBUNAL PLENO E ORGAO ESPECIAL)

Uma Fronteira Ultrajada

A escola, um bastião do conhecimento e da neutralidade, supostamente se transformou em palco para cultos religiosos, questionando o princípio fundamental da separação entre Estado e Igreja. Testemunhos e gravações corroboram a realização desses eventos, provocando um debate acalorado sobre a legalidade e a pertinência dessas práticas em um espaço educacional.

A sra. Andrea Neves Valverde, a diretora da instituição, é apontada como a arquiteta dessas controvérsias, com acusações que mancham sua gestão e levantam dúvidas sobre sua liderança. A gravidade das denúncias sugere uma transgressão dos deveres éticos e legais, colocando em xeque a integridade da administração escolar.

A comunidade escolar, dividida e inquieta, clama por justiça e transparência. Pais, alunos e professores exigem esclarecimentos e medidas corretivas, reiterando a importância de preservar a escola como um espaço de aprendizado livre de influências religiosas ou pessoais.

Separação entre Estado e Igreja

Esse caso reacende o debate sobre a separação entre Estado e Igreja, um princípio que, segundo Thomas Jefferson, é um “muro de separação” essencial para a liberdade. A situação na E. E. Professora Cordélia Paiva serve como um lembrete crítico da necessidade de manter nossas instituições educacionais livres de qualquer forma de doutrinação.

Sacrilégio Educacional

Enquanto a investigação continua, a comunidade espera ansiosamente por respostas e ações concretas. A verdade, como disse Winston Churchill, é inestimável; portanto, devemos protegê-la com um corpo de guardas. Neste caso, a guarda é a vigilância constante dos princípios éticos e legais que devem reger nossas escolas.

Comentários

CBTF disse…
É a mesma diretora que diz que não pode ter festinha a fantasia de Halloween na escola pq o Estado é laico, hahahahahha

Post mais lidos nos últimos 7 dias

90 trechos da Bíblia que são exemplos de ódio e atrocidade

Deputado estadual constrói capela em gabinete. Ele pode?

Ateu manda recado a padre preconceituoso de Nova Andradina: ame o próximo

Mescla da política e religião intimida ateus no Brasil. E defendê-los e defender a razão

Veja 14 proibições das Testemunhas de Jeová a seus seguidores

Como as memórias são armazenadas em nosso cérebro?

No noticiário, casos de pastores pedófilos superam os de padres

Fé de pais TJs não supera direito à vida de um bebê, decide juíza

Marcha para Jesus no Rio contou com verba de R$ 2,48 milhões

A prefeitura do Rio de Janeiro liberou R$ 2,48 milhões para a realização ontem (sábado, 19) da Marcha para Jesus, que reuniu cerca de 300 mil evangélicos de diferentes denominações. Foi a primeira vez que o evento no Rio contou com verba oficial e apoio institucional da Rede Globo. O dinheiro foi aprovado para a montagem de palco, sistema de som e decoração. O pastor Silas Malafaia, um dos responsáveis pela organização da marcha, disse que vai devolver R$ 410 mil porque o encontro teve também o apoio de sua igreja, a Assembleia de Deus Vitória em Cristo. “O povo de Deus é correto”, disse. “Quero ver a parada gay devolver algum dinheiro de evento.” Pela Constituição, que determina a laicidade do Estado, a prefeitura não pode conceder verba à atividade religiosa. Mas o prefeito Eduardo Paes (PMDB), que compareceu à abertura da marcha, disse que o seu papel é apoiar todos os eventos, como os evangélicos e católicos e a parada gay. A marcha começou às 14h e contou com sete trios

Só metade dos americanos que dizem 'não acredito em Deus' seleciona 'ateu' em pesquisa