Pular para o conteúdo principal

Morre o americano Daniel C. Dennett, filósofo e referência contemporânea do ateísmo

O intelectual causou polêmicas ao fazer afirmações como “não existe forma educada de dizer às pessoas crentes que elas dedicaram as suas vidas a uma ilusão”


Aos 82 amos, morreu na sexta (19 de abril de 2024) em decorrência de uma doença pulmonar o filósofo e pensador do ateísmo Daniel C. Dennett. Ele estava internado no Maine Medical Center, em Maine, Estados Unidos.

Ao noticiar a morte de Dennett, o The New York Times afirmou que ele parecia às vezes denegrir a religião. Em uma de suas entrevistas àquele jornal, o filósofo disse: “Simplesmente não existe uma forma educada de dizer às pessoas que elas dedicaram as suas vidas a uma ilusão”.

Dennett se formou na Universidade de Harvard em 1963. Dois anos depois, obteve o doutorado em filosofia pela Universidade de Oxford. Sua dissertação foi sobre a pesquisa empírica como base de uma filosofia da mente, que, de certa forma, é o ponto de partida de todos os seus livros.

Na infância, ele viveu no Líbano, em Beirute, onde seu pai era agente secreto na embaixada dos Estados Unidos. Sua mãe dava aula de inglês na American Community School.

Ele nasceu em 28 de março de 1942, em Boston, filho de Daniel Clement Dennett Jr. e Ruth Marjorie (Leck) Dennett. Sua irmã, Charlotte Dennett, era advogada e jornalista.


Para o filósofo, não existe
o livre arbítrio e o que rege
a vida das pessoas é o acaso
FOTO: REDE SOCIAL

Dennett escreveu mais de 20 livros e dezenas de ensaios sobre variados temas e alguns deles foram bestsellers. Conseguiu atingir o público leigo com uma escrita elegante e objetiva. Ele teve escritos adaptados para o teatro e concerto.

Alguns dos seus livros causavam polêmica, e ele não fugia dela, reagindo, às vezes, com fúria.

Em 2013, por exemplo, ele publicou uma pesquisa que fez com Lind LaScola sobre os sacerdotes que eram ateus não declarados.

No livro “Caught in the Pulpit: Leaving Belief Behind”, Dennett e LaScola defendem a continuidade do trabalho desses sacerdotes porque estavam proporcionando conforto aos fiéis.

O filósofo era ferrenho defensor da teoria da evolução. Em seu livro de memória, I've Been Thinking, escreveu que Darwin teve a melhor ideia de todas porque liga vida, física e cosmologia.

Para Dennett, o livre arbítrio é uma fantasia, mas ainda assim necessária para as pessoas acreditarem que as regras governam a sociedade.

O filósofo escreveu que, na vida das pessoas, o que mais tem importância é o acaso, e não motivos, causas, paixões, raciocínio, caráter ou valores.

Até hoje, o entendimento de Dennett sobre o livre arbítrio causa polêmica. Seus críticos argumentam que, se são as decisões aleatórias que importam, as pessoas não podem ser responsabilizadas por suas ações.

Em seu livro “From Bacteria to Bach and Back: The Evolution of Minds”, de 2017, ele responde: “Se — porque o livre arbítrio é uma ilusão — ninguém é responsável pelo que faz, deveríamos abolir os cartões amarelos e vermelhos no futebol, a grande penalidade no hóquei no gelo e todos os outros sistemas de penalidades no desporto?”

O funcionamento do cérebro humano foi um de seus objetos de estudo. Para ele, conforme entrevista que deu ao NYT, “a mente nada mais é do que um cérebro operando como uma série de funções algorítmicas, semelhantes a um computador. Acreditar no contrário é “profundamente ingênuo e anticientífico”.

Dennett é da turma dos intelectuais do movimento Novo Ateísmo, que surgiu após o 11 de Setembro com a proposta de deter o avanço da religião na sociedade e na máquina administrativa do Estado. O movimento entrou em declínio após a morte de Christopher Hitchens, o autor do livro “Deus Não É Grande”, que era o mais contundente do grupo.

Em uma de suas últimas entrevistas, Dennett afirmou não haver hoje em dia a necessidade de um movimento como o Novo Ateísmo porque os crentes já estão apavorados com as mudanças da sociedade, entre as quais a secularização.

> Com informação do The New York Times e de outras fontes.

Comentários

RADIO DO ATEU disse…
Perde-se uma mente brilhante. Excelente matéria. Agradeço antecipadamente.
Luiz Antonio disse…
Perde -se um ateu a sabedoria fica mais pobre.
Herbert Monteiro disse…
Foi bom conhecer um pouco de sua mente, através de seus livros!

Post mais lidos nos últimos 7 dias

90 trechos da Bíblia que são exemplos de ódio e atrocidade

Deputado estadual constrói capela em gabinete. Ele pode?

Ateu manda recado a padre preconceituoso de Nova Andradina: ame o próximo

Veja 14 proibições das Testemunhas de Jeová a seus seguidores

Mescla da política e religião intimida ateus no Brasil. E defendê-los e defender a razão

Como as memórias são armazenadas em nosso cérebro?

No noticiário, casos de pastores pedófilos superam os de padres

Fé de pais TJs não supera direito à vida de um bebê, decide juíza

Holanda pede a religiosos provas de que animal não sofre no abate

Marianne Thieme: "Liberdade religiosa termina onde começa o sofrimento de humanos ou de animais"  O Parlamento da Holanda concedeu aos líderes do judaísmo e do islamismo um ano para provar cientificamente que o abate religioso não causa sofrimento nos animais.  Em junho de 2011, a Câmara dos Deputados aprovou lei que proíbe esse tipo de abate porque é feito sem o atordoamento dos animais. A lei terá de ser votada pelo Senado, para ser confirmada ou não, o que ocorrerá após o prazo dado para a manifestação dos religiosos. A lei foi proposta pelo Partido pelos Animais, o único do gênero no mundo. Para Marianne Thieme (foto), líder do partido, “a liberdade religiosa termina onde começa o sofrimento humano ou animal”. Ela é seguidora da Igreja Adventista do 7º Dia. A proposta da nova lei uniu judeus e muçulmanos do país. Eles acusam o Parlamento de querer acabar com a liberdade de religião. Pela tradição judaica e islâmica, os animais têm de estarem conscientes no m