Se dependesse só da crença, não haveria civilização, diz Shermer



Se o homem tivesse apego só pela crença religiosa, pelo sobrenatural, e não também pela ciência, pelo raciocínio lógico, ele ainda estaria na floresta e não haveria civilização. A afirmação é do psicólogo americano Michael Shermer (foto), que vem ao Brasil na próxima semana para divulgar o lançamento de seu livro “Cérebro e Crença” (JSN, R$ 58)

Shermer foi um evangélico que por algum tempo pregou para aumentar o rebanho de sua igreja. Ele se tornou cético e hoje, como divulgador da ciência e desmascarador de charlatões, procura afastar as pessoas da igreja, embora acredite que a crença religiosa sempre vai existir porque muitas pessoas precisam dela.

Michael Shermer
Shermer: crença
 religiosa promove
 a intolerância 
“Ficamos felizes em imaginar que seres místicos, sejam eles deuses ou extraterrestres, se preocupam e cuidam de nós”, disse ele em entrevista ao site da revista Veja. “Não nos sentimos sós.”

Para ele, a crença no sobrenatural teve utilidade na sobrevivência do homem primitivo, mas hoje é prejudicial à humanidade, porque “é intolerante, fixa uma verdade e não abre espaço para perguntas”.

Ele afirmou que a neurociência já demonstrou que o cérebro está treinado para encontrar uma explicação para tudo, o que tem possibilitado o desenvolvimento da ciência, mas também tem sido a fonte das crendices e das alucinações, incluindo as de caráter religioso.

“Em situações extremas, como as enfrentadas por quem está no limite da resistência física ou próximo à morte, o cérebro reage com a redução da atividade na área responsável pela consciência e o aumento em regiões ligadas à imaginação”, disse. “E essa reação natural está na origem das alucinações.”

Ele disse que a religião atrai muitas pessoas não por si mesma, mas porque tem um forte apelo social. Ela acaba constituindo uma “comunidade que ajuda a afastar as dúvidas até daqueles que não acreditam plenamente no sobrenatural e nos dogmas religiosos”.

Shermer criou uma organização que discute as superstições e é o responsável pela Skeptic Magazine, uma revista que é referência entre os céticos.

A editora JSN lançou no Brasil o livro de /Shermer “Por que as Pessoas Acreditam em Coisas Estranhas" (384 págs,).



Com informação do site da Veja.

Quem acredita em divindades gosta de ser enganado, diz escritor


Semelhantes

Postagens mais visitadas deste blog