Pular para o conteúdo principal

A física moderna sugere que o tempo não avança, é apenas uma ilusão

Não dá para provar matematicamente que a realidade em um "determinado momento" seja uma realidade porque não existe um tempo universal


Alberto Casas González 
professor e pesquisador, Instituto de Física Teórica, Universidade Autônoma de Madri, Espanha

The Conversationl
plataforma de informação produzida por acadêmicos e jornalistas

O que é o tempo? Um conceito tão familiar parece não exigir explicação. No entanto, a física moderna desmantelou muitas das nossas intuições e o tempo é em grande parte uma ilusão.

O debate sobre o verdadeiro significado do tempo, mesmo sobre a sua própria existência a um nível fundamental, está hoje mais vivo do que nunca e conecta-se com as questões mais profundas da física teórica.

No início do século XX, Albert Einstein revolucionou a nossa concepção de espaço e tempo com a sua teoria da relatividade especial (1905) e geral (1915). 

Segundo eles, o tempo depende da velocidade do observador e do campo gravitacional ao qual ele está submetido, fenômenos demonstrados experimentalmente.

Desde então concebemos o tempo como uma dimensão do mesmo caráter das três dimensões espaciais: a quarta dimensão.

O tempo passa mais devagar na cabeça do que nos pés

Suponha que o relógio da sua casa marque 10 quando você sai para passear e 11 quando você volta. O bom senso diz que para você já se passou uma hora e que o relógio que está no seu bolso (se funcionar corretamente) também terá passado uma hora. Mas, estritamente falando, isso está incorreto. Como você se mudou, o tempo decorrido para você e seu relógio é um pouco menor do que o tempo que você deixou em casa. 

A diferença é tão pequena que para efeitos práticos é nula. Mas quando esse tipo de experimento é feito com relógios atômicos, verifica-se que o tempo decorrido é diferente (e a discrepância é exatamente o que a teoria de Einstein prevê).

O mesmo acontece com a gravidade: quanto maior o campo gravitacional, mais lento o tempo passa. Quando você está de pé, o tempo passa mais rápido na sua cabeça do que nos seus pés. Isso também foi comprovado experimentalmente.

Não existe um tempo universal. Não é possível dizer que a realidade “num determinado momento” seja uma realidade, composta por acontecimentos que acontecem simultaneamente em diferentes lugares. Para outro observador, os fatos que constituem “a realidade do presente” são diferentes.

O fluxo do tempo para a física

A percepção psicológica mais poderosa sobre o tempo é que, diferentemente do espaço, ele flui. Eventos passados ​​já aconteceram. Eles existiram, mas não existem mais. E o futuro ainda não aconteceu. Somente o presente tem existência real.


Os ponteiros do relógio
não retrocedem, mas
nas equações da física
isso é possível

No entanto, não há nada nas equações da física que nos diga que o tempo flui desta forma. Essas leis relacionam eventos em momentos diferentes (ou seja, caracterizados por diferentes valores da coordenada temporal), mas não nos dizem que o tempo passa do passado para o futuro.

Por incrível que pareça, a passagem do tempo é provavelmente uma ilusão. Claro, uma ilusão muito forte.

Qual é a razão desta alucinação coletiva?

Suponha que o tempo fluísse mais lentamente. Como você notaria isso? Neste jogo você não deve cair na armadilha de imaginar que o tempo flui mais devagar para todos, exceto para nós. Fazemos parte do universo e, portanto, os nossos processos cerebrais (e os pensamentos subsequentes) também ficariam mais lentos, em sincronia com todos os relógios. Portanto, a resposta é que não perceberíamos nada disso. Perceberíamos tudo exatamente igual.

Isto seria verdade mesmo se o “fluxo do tempo” fosse ao contrário. A cada momento os nossos pensamentos seriam idênticos e, consequentemente, as nossas “memórias” e a nossa percepção do tempo também.

A flecha do tempo

Porém, o tempo parece passar, e também em uma determinada direção e não no sentido oposto. Isso é o que se chama de “flecha do tempo”. Quando misturamos o leite em uma xícara de café, os dois se misturam, mas o contrário nunca acontece. Quando deixamos cair um ovo no chão, ele quebra, mas nunca acontece que os pedaços se recomponham espontaneamente e o ovo salte para as nossas mãos. 

A razão para esses processos aparentemente irreversíveis reside no segundo princípio da termodinâmica, segundo o qual “a entropia tende sempre a aumentar”.

Em termos coloquiais, a entropia é algo semelhante à desordem de um sistema físico. Na verdade, o segundo princípio não é uma lei física, mas pura estatística. Existem muito mais estados desordenados do que ordenados e, portanto, a evolução sempre tende a desordenar os sistemas.

Pegue um baralho de 20 cartas vermelhas sobre 20 cartas pretas e embaralhe-o. Em breve você perderá essa configuração especial. Mas não importa o quanto você embaralhe, na prática você nunca retornará à configuração inicial, embora em princípio isso fosse possível. 

São esses processos irreversíveis que criam uma flecha do tempo, que distingue o passado (menor entropia) do futuro (maior entropia).

Ordem no Big Bang

O universo na época do Big Bang tinha entropia muito baixa, ou seja, muito pouca desordem. Ninguém sabe a razão deste fato crucial (embora existam modelos interessantes para o explicar), mas graças a ele a entropia conseguiu aumentar e foi criada a flecha do tempo que nos é familiar.

Desde aquele momento remoto, a entropia só cresceu mediante processos irreversíveis, como os mencionados (quebra de ovos, mistura de líquidos) e outros de maior magnitude (estrelas queimando hidrogênio).

Processos irreversíveis produzem uma poderosa sensação de causa e efeito, nessa ordem temporal. Porém, nas equações da física não encontramos essa distinção, uma vez que todos os processos são na verdade reversíveis.

A pedra na lagoa

Imagine que você deixa cair uma pedra em um lago, causando as típicas ondas concêntricas na superfície. Em princípio, o processo poderia ocorrer ao contrário: por uma flutuação aleatória da superfície da água, formar-se-iam ondas perfeitamente concêntricas que avançariam para o centro onde seria produzido um redemoinho que levantaria a pedra do fundo da lagoa e jogue-o em direção à sua mão. A superfície permanece perfeitamente calma. Como um filme indo para trás.

Isto não é proibido pelas leis da física, mas é extraordinariamente improvável. A razão está no segundo princípio da termodinâmica: os processos sempre vão da entropia mais baixa para a mais alta. E o estado da pedra em nossas mãos e o lago calmo tem muito menos entropia do que a pedra no fundo do lago e a água levemente aquecida pelo impacto da pedra.

Se nos for mostrado um instantâneo de ondas circulares na superfície de um lago, iremos relacioná-las (diremos que “foram causadas”) com algum estado de menor entropia (por exemplo, a queda de um objeto). O oposto (uma flutuação aleatória da água) é altamente improvável.

Portanto, colocaremos a causa no passado, no domínio da baixa entropia. É por isso que falamos de causas e efeitos, sendo que as primeiras precedem as últimas.

E é também a razão pela qual se formam registros e memórias do passado. Se a pedra cair na lama em vez de na água, as ondas geradas permanecem “congeladas”, oferecendo um registo da “causa” que as produziu, que, como dissemos, é sempre um acontecimento do passado.

O mundo está repleto de vestígios do passado deste tipo: as crateras da Lua, os fósseis, as construções humanas, etc. Pela mesma razão, relacionamos os registros do nosso cérebro (nossas memórias) com eventos do passado que os “causaram”. E é isso que produz a sensação psicológica de que viajamos do passado para o futuro: do passado (baixa entropia) temos registros e memórias abundantes, enquanto o futuro (alta entropia) é incerto.

A percepção é que o passado “já aconteceu”, mas o futuro “ainda não”, embora as leis da física não proporcionem exatamente esta interpretação.

A natureza do tempo

Embora a maioria dos físicos concorde com o que foi dito acima, a verdade é que ainda não conhecemos a natureza do tempo em toda a sua profundidade. E não o faremos até que a teoria da relatividade geral seja reconciliada com a mecânica quântica, os dois pilares da física moderna.

Por enquanto, podemos aproveitar a ideia de que a passagem do tempo (desejada ou não) é apenas uma ilusão.

Comentários

Post mais lidos nos últimos 7 dias

90 trechos da Bíblia que são exemplos de ódio e atrocidade

BC muda cédulas do real, mas mantém 'Deus seja Louvado'

Louvação fere o Estado laico determinado pela Constituição  O Banco Central alterou as cédulas de R$ 10 e R$ 20, “limpou” o visual e acrescentou elementos de segurança, mas manteve a expressão inconstitucional “Deus seja Louvado”.  As novas cédulas, que fazem parte da segunda família do real, começaram a entrar em circulação no dia 23. Desde 2011, o Ministério Público Federal em São Paulo está pedindo ao Banco Central a retirada da frase das cédulas, porque ela é inconstitucional. A laicidade determinada pela Constituição de 1988 impede que o Estado abone qualquer tipo de mensagem religiosa. No governo, quanto à responsabilidade pela manutenção da frase, há um empurra-empurra. O Banco Central afirma que a questão é da alçada do CMN (Conselho Monetário Nacional), e este, composto por um colegiado, não se manifesta. Em junho deste ano, o ministro Marco Aurélio, do STF (Supremo Tribunal Federal), disse que a referência a Deus no dinheiro é inconcebível em um Estado moderno, cuja

Nova espécie de ave descoberta na Caatinga tem origem em variações do São Francisco

Responda cristão: Deus criou as estrelas antes ou depois da Terra?

Livro conta em 300 páginas histórias de papas das quais poucos sabem

Bento 16 associa união homossexual ao ateísmo

Papa passou a falar em "antropologia de fundo ateu" O papa Bento 16 (na caricatura) voltou, neste sábado (19), a criticar a união entre pessoas do mesmo sexo, e, desta vez, associou-a ao ateísmo. Ele disse que a teoria do gênero é “uma antropologia de fundo ateu”. Por essa teoria, a identidade sexual é uma construção da educação e meio ambiente, não sendo, portanto, determinada por diferenças genéticas. A referência do papa ao ateísmo soa forçada, porque muitos descrentes costumam afirmar que eles apenas não acreditam em divindades, não se podendo a priori se inferir nada mais deles além disso. Durante um encontro com católicos de diversos países, Bento 16 disse que os “cristãos devem dizer ‘não’ à teoria do gênero, e ‘sim’ à aliança entre homens e mulheres no casamento”. Afirmou que a Igreja defende a “dignidade e beleza do casamento” e não aceita “certas filosofias, como a do gênero, uma vez que a reciprocidade entre homens e mulheres é uma expressão da bel

Ateus americanos recorrem à Justiça na 'guerra ao Natal'

Xuxa pede mobilização contra o 'monstro' Marco Feliciano

Pela primeira vez a apresentadora se envolve em uma polêmica A apresentadora da Rede Globo Xuxa (foto) afirmou em sua página no Facebook que o pastor e deputado Marco Feliciano (PSC-SP), o novo presidente da Comissão de Direitos Humanos e Minorias da Câmara, não é “um religioso, é um monstro”. Sem citar o nome de Feliciano, ela ficou indignada ao ler que “esse deputado disse que negros, aidéticos e homossexuais não têm alma”. “Vamos fazer alguma coisa! Em nome de Deus, ele não pode ter poder.” É a primeira vez que Xuxa pede mobilização de seus fãs em uma questão polêmica. Amiga do padre Marcelo Rossi, ela é católica praticante. No Facebook, em seu desabafo, escreveu sete vezes a palavra "Deus" e argumentou que todos sabem que ela respeita todas as religiões. A apresentadora também se mostrou abalada ao saber que Feliciano, durante uma pregação, pediu a senha do cartão bancário de um fiel. “O que é isso, meu povo?” “Essa pessoa não pode ser presidente da C

Em vídeo, Malafaia pede voto para Serra e critica Universal e Lula

Malafaia disse que Lula está fazendo papel de "cabo eleitoral ridículo" A seis dias das eleições, o pastor Silas Malafaia (foto), da Assembleia de Deus Vitória em Cristo, gravou um vídeo de 8 minutos [ver abaixo] pedindo votos para o candidato à prefeitura de São Paulo José Serra (PSDB) e criticou a Igreja Universal e o ex-presidente José Inácio Lula da Silva. Malafaia começou criticando o preconceito que, segundo ele, existe contra pastor que emite opinião sobre política, o mesmo não ocorrendo com outros cidadãos, como operários, sindicalistas, médicos e filósofos. O que não pode, afirmou, é a Igreja, como instituição, se posicionar politicamente. “A Igreja é de Jesus.” Ele falou que tinha de se manifestar agora porque quem for para o segundo turno, se José Serra ou se Fernando Haddad, é quase certeza que será eleito, porque Celso Russomanno está caindo nas pesquisas por causa do apoio que tem recebido da Igreja Universal. Afirmou que apoia Serra na expectativa de