Pular para o conteúdo principal

Ceticismo moldou o gênio científico de Albert Einstein

Cientista foi um “ateu funcional”

JAMES A. HAUGHT
Freedom From Religion Foundation

Todos, em todos os lugares, conhecem Albert Einstein como um símbolo mundial do gênio científico. O que é menos conhecido é seu ceticismo.

Einstein às vezes usava a palavra “Deus” para significar as incríveis leis do universo, mas ele era um ateu funcional. Por exemplo, ele escreveu no The New York Times em 1930: “Não consigo imaginar um deus que recompense e puna os objetos de sua criação, cujos propósitos são modelados de acordo com os nossos — um deus, em suma, que é apenas um reflexo do ser humano. Tampouco posso acreditar que o indivíduo sobreviva à morte de seu corpo, embora almas fracas abriguem tais pensamentos por medo e egoísmo ridículo.”

Até mesmo seu trabalho — o alcance e o brilho — é ironicamente pouco compreendido. Claro, muitas pessoas se lembram que sua famosa equação de 1905 E=MC 2 — mostrando que uma pequena quantidade de matéria pode ser transformada em uma quantidade estupenda de energia — abriu o caminho para a energia nuclear e bombas.

Mas, por outro lado, mesmo pessoas bem educadas muitas vezes são vagas sobre tudo o que Einstein fez para se tornar o cientista mais famoso do planeta. Li um livro simplificado, Essential Einstein, e destilei este esboço:

— Entre 1902 e 1909, enquanto morava em Berna, na Suíça, Einstein publicou 32 artigos científicos. Em 1905, seu “ano milagroso”, ele surpreendeu o mundo com quatro revoluções mais outro trabalho:

— Efeito fotoelétrico: ele confirmou a teoria quântica mostrando que a luz é quantizada, viajando em pacotes de energia individuais, fótons, que fazem os elétrons saltarem aleatoriamente de metal. Por isso, ele recebeu o Prêmio Nobel de Física de 1921.

— Relatividade Especial: depois que o experimento de Michelson-Morley de 1887 mostrou que a velocidade da luz é absolutamente constante, Einstein deduziu que tudo mais deve variar à medida que a velocidade aumenta: o tempo diminui, a massa aumenta, as dimensões diminuem na direção do movimento. Isso tem implicações filosóficas profundas porque mostra que a realidade não é tão fixa e tangível quanto pensamos que é. Muitos testes modernos confirmaram as mudanças estranhas.

— Intercambialidade de matéria e energia, como demonstra sua renomada equação E=MC2.

— Movimento browniano: Einstein confirmou a teoria dos átomos mostrando que gases e líquidos consistem em um grande número de partículas invisíveis hiperpequenas que disparam e ricocheteiam.

— Dimensões das moléculas: Sua tese de doutorado mostrou como calcular o tamanho das moléculas e o número de Avogadro, a contagem de moléculas em uma quantidade de gás chamada mol.

Ceticismo explica
o ateísmo funcional
do cientista 

Nos anos seguintes, ele se envolveu em uma cavalgada de pesquisas igualmente inovadoras:

1906 — Um artigo sobre radiação de calor.

1907 — O Princípio da Equivalência, no qual Einstein mostrou que gravidade e aceleração são indistinguíveis nos efeitos que produzem.

1910 — Um artigo sobre opalescência, a dispersão do azul no céu diurno.

1911 — Sua famosa teoria de que a gravidade dobra as ondas de luz, que foi confirmada durante um eclipse de 1919, quando os astrônomos viram que as estrelas atrás da posição do sol mascarado pareciam ligeiramente fora do lugar.

1915 — Relatividade Geral, mostrando que a gravidade da matéria distorce o espaço ao seu redor.

1917 — Einstein começou principalmente no campo da cosmologia aplicando a Relatividade Geral a todo o universo. Esse trabalho continha previsões de buracos negros e do universo em expansão.

1925 — Condensado de Bose-Einstein: juntou-se ao físico indiano Satyendra Bose na hipótese de um quinto estado da matéria (após sólido, líquido, gás e plasma). Se a matéria for resfriada até quase o zero absoluto, eles previram, os efeitos quânticos assumirão o controle, dando-lhe um comportamento estranho, como sair de seu recipiente. Isso foi alcançado em 1995 por três físicos norte-americanos que ganharam o Prêmio Nobel de 2001 por isso.

1936 — Lente gravitacional: Einstein previu que a gravidade de galáxias inteiras ou aglomerados de galáxias curvaria tanto a luz que passava que estrelas distantes poderiam aparecer em vários lugares simultaneamente. Agora, esses “anéis de Einstein” e “cruzes de Einstein” são encontrados no céu.

Apesar de seu intelecto surpreendente, Einstein tinha uma humildade gentil e a capacidade de rir de si mesmo. O gênio desgrenhado — que usava ternos adequados quando jovem, mas progrediu para cabelos rebeldes e moletons — também é conhecido por suas atividades humanitárias, como suas campanhas antiguerra e tentativas de estabelecer um governo mundial.

Ele era talvez o maior exemplo da história de profunda capacidade da mente humana. E ele era um cético em cima disso.

> James A. Haught é jornalista e membro da FFRF (Freedom From Religion Foundation), organização sem fins lucrativos que se dedica à defesa da separação entre o Estado e a Igreja.

Anônimo paga US$ 3 mi pela carta da descrença de Einstein


Pensamento analítico reduz convicção até de crente devoto


Comentários

Marco Antonio F disse…
Albert Einstein: O Farsante
-----------------------------------
Hoje em dia não há quem pense duas vezes quando se pergunta quem foi o maior físico da história, é unânime, Albert Einstein. Mas será que realmente conhecemos este indivíduo que tinha notas abaixo da média na escola, não sabia dirigir e sequer conseguia dar algumas pedaladas de bicicleta? Seria este o responsável por grandes descobertas tal como a teoria da relatividade e um dos maiores vencedores do prêmio Nobel? César Lattes, físico brasileiro que esteve prestes a ganhar, por duas vezes, o Prêmio Nobel de Física, por ter descoberto o méson pi, contesta firmemente este judeu-alemão que se tornou um ícone e até objeto de estudo por parte de cientistas que chegaram a analisar parte de seu cérebro. Em entrevista a um jornal, César Lattes afirma que Einstein plagiou a Teoria da Relatividade do físico e matemático francês Jules Henri Poincaré, em 1905. Alega que a Teoria da Relatividade não é invenção dele, que já existia há séculos, "Vem da Renascença, de Leonardo Da Vinci, Galileu e Giordano Bruno".
Paulo Lopes disse…
Gostaria que ter o link desta entrevista.
Marco Antonio F disse…
Entrevista com César Lattes em 05/08/96 no jornal Diário do Povo, Campinas.
https://inacreditavel.com.br/wp/entrevista-cesar-lattes-fala-sobre-einstein/

Post mais lidos nos últimos 7 dias

90 trechos da Bíblia que são exemplos de ódio e atrocidade

Escola Estadual Igreja Evangélica muda de nome e deixa de afrontar o Estado laico

Marceneiro exigia obediência bíblica de filhas para estuprá-las

Moças afirmam que o pai usava a Bíblia para persuadi-las Duas jovens — uma de 16 anos e outra de 18 — de Cariacica (ES) acusam o seu pai, um marceneiro, de abusar sexualmente delas com o argumento de que a Bíblia exige dos filhos obediência aos pais, que é uma lei de Deus. Vários trechos bíblicos se referem a essa obediência, como em Colossenses 3:20: “Vós, filhos, obedecei em tudo a vossos pais, porque isto é agradável ao Senhor". Cariacica tem mais de 340 mil habitantes e fica a 15 km de Vitória. A mulher do marceneiro o denunciou à polícia, e ele negou a violência. Mas as jovens relataram em detalhes os abusos que vinham ocorrendo havia seis meses. Inicialmente, uma não sabia que a outra era vítima de igual violência. Os relatos das jovens são parecidos entre si. O estupro se dava na casa deles, no segundo andar, geralmente após o marceneiro lembrar que a Bíblia diz que os filhos têm de fazer tudo que os pais mandam. A mãe ficou sabendo da violência no sábado, dia 1

Evangélico, chefão do tráfico no Rio manda fechar igrejas católicas

Ministro do STF critica a frase ‘Deus seja louvado’ do real

Marco Aurélio lembrou  que somente no  império  a religião era obrigatória  O ministro Marco Aurélio (foto), 65, do STF (Supremo Tribunal Federal), disse que não consegue conceber “que nas notas de moedas do real nós tenhamos ‘Deus seja louvado’”, porque isso fere a laicidade do Estado. Em uma entrevista ao UOL, lembrou que na argumentação de seu voto favorável à descriminalização do aborto de fetos anencéfalos, em abril, ressaltou que o Brasil não está mais no império, “quando a religião católica era obrigatória e o imperador era obrigado a observá-la”. “ Como outro exemplo de incompatibilidade com o Estado laico ele citou o crucifixo do plenário do STF. “Devíamos ter só o brasão da República.” Aurélio elogiou a decisão do Tribunal de Justiça gaúcho pela retirada do crucifixo de todas as suas dependências, o que demonstra, segundo ele, que o Rio Grande do Sul é um Estado que “está sempre à frente em questões políticas”. Celso de Mello, outro ministro do Supremo, já

Intel deixa de ajudar escoteiros que discriminam gays e ateus

Arcebispo afirma que vida dos descrentes não tem sentido

Para Battisti, o sentido da vida está no sobrenatural  O arcebispo Anuar Battisti (foto), 59, de Maringá (PR), escreveu um artigo onde aborda um tema recorrente por parte de religiosos, o de que não há sentido na vida dos descrentes em Deus. “Este ambiente de descrença, misturado com ateísmo, leva a pessoa a viver no deserto da vida sem gosto, sem rumo, vagando em busca de um sentido”, escreveu dom Battisti no artigo publicado no Diário.com. “A ausência de Deus cria na alma humana um vazio de sentidos que leva ao desespero, à negação de tudo o que diz respeito ao sobrenatural”, acrescentou. A americana Paula Kirby, consultora de organizações seculares, escreveu recentemente no Washington Post que quem precisa de Deus para que a sua vida tenha um significado é porque a sua família e amigos, em tese, não têm nenhum valor. O que, obviamente, é um absurdo. Ninguém precisa de Deus, por exemplo, para amar seus filhos. Kirby argumentou que é o cristianismo que tenta tirar todo

Médico acusado de abuso passa seu primeiro aniversário na prisão

Roger Abdelmassih (reprodução acima), médico acusado de violentar pelo menos 56 pacientes, completou hoje (3) 66 anos de idade na cela 101 do pavilhão 2 da Penitenciária de Tremembé (SP). Foi o seu primeiro aniversário no cárcere. Filho de libaneses, ele nasceu em 1943 em São João da Boa Vista, cidade paulista hoje com 84 mil habitantes que fica a 223 km da capital. Até ser preso preventivamente no dia 17 de agosto, o especialista em reprodução humana assistida tinha prestígio entre os ricos e famosos, como Roberto Carlos, Hebe Camargo, Pelé e Gugu, que compareciam a eventos promovidos por ele. Neste sábado, a companhia de Abdelmassih não é tão rica nem famosa e, agora como o próprio médico, não passaria em um teste de popularidade. Ele convive em sua cela com um acusado de tráfico de drogas, um ex-delegado, um ex-agente da Polícia Federal e um ex-investigador da Polícia Civil. Em 15 metros quadrados, os quatros dispõem de três beliches, um vaso sanitário, uma pia, um ch

PSC radicaliza ao dar apoio a Feliciano, afirma Wyllys

por Ivan Richard da Agência Brasil Deputado disse que resposta também será a radicalização O deputado Jean Wyllys (PSOL-RJ), na foto, criticou a decisão do PSC de manter o pastor Marco Feliciano na presidência da Comissão de Direitos Humanos e Minorais da Câmara. Para Wyllys, o acirramento dos ânimos por parte do PSC pode provocar ainda mais confusão nas sessões da comissão. Feliciano é acusado por de ter feito afirmações homofóbicas, como a de que a "Aids é câncer gay", e racistas. “Não falo em nome do movimento [LGBT], mas, se um lado radicaliza, o outro tende a radicalizar. Se o PSC radicaliza e não ouve a voz dos movimentos socais, das redes sociais, o pedido para que esse homem saia da presidência, se a tendência é radicalizar e não dar ouvidos, é lógico que o movimento radicalize do outro. Isso não é bom para a Câmara, para o Legislativo, para o PSC, nem para o país”, disse Wyllys. Wyllys afirmou que as lideranças do PSC estão “confundindo” as criticas ao

Nobel da Academia Pontifícia diz a bispos que a evolução é fato

por Telmo Pievani , do Corriere della Sera Arber acredita que fé e ciência são compatíveis O presidente da Academia Pontifícia das Ciências, Werner Arber  (foto), biólogo prêmio Nobel de Medicina em 1978, proferiu, no dia 12 de outubro passado, uma conferência sobre as relações entre ciência e fé, apresentada ao pontífice e aos membros do Sínodo dos Bispos, na qual ilustrou com clareza as bases da explicação evolucionista contemporânea. O texto na íntegra está disponível no site da Academia . No contexto de uma reflexão "sobre as mútuas relações e compatibilidades entre o conhecimento científico e os conteúdos fundamentais da fé", Arber escolheu como exemplo de aquisições científicas essenciais a evolução do universo e a evolução da vida sobre a Terra, como "fatos científicos estavelmente verificados". O microbiologista da Universidade de Basel, que sucedeu a Nicola Cabibbo no fim de 2010, explicou ainda que as variações genéticas espontâneas e a seleção