Pular para o conteúdo principal

Escola ensina que os reinos dos seres vivos são 5. Pois agora eles são 2 milhões

A diversidade da vida exigiu novas categorias, que elas ainda são provisórias porque há vida em quase tudo na Terra



Marcial Escudero
professor catedrático do departamento de biologia vegetal e ecologia da Universidade de Sevilha, Espanha

Modesto Luceño Garces
professor de Botânica, Universidade Pablo de Olavide

The Conversation
plataforma de informação e análise produzida por acadêmicos e jornalistas

Você provavelmente aprendeu na escola que os seres vivos são classificados em cinco reinos: animal, vegetal, fungo, protista e monera. No entanto, essa divisão, ainda hoje popular, é uma concepção muito simplificada face ao que conhecemos hoje.

A diversidade de espécies no planeta Terra é extremamente rica. Na verdade, nem sabemos quantas espécies existem, pois apenas foram descritas cerca de 2 milhões, o que é provavelmente uma pequena percentagem da diversidade total.

A vida (em extinção?)
povoa cada palmo
do planeta


Para compreender melhor a biodiversidade da Terra, os cientistas agruparam as espécies hierarquicamente em diferentes categorias taxonômicas seguindo critérios evolutivos. Categorias taxonômicas superiores, como domínio ou grupo de reino, e inferiores, como filo, divisão, classe, ordem, família ou gênero.

Animal, vegetal, protista e monera

Ao longo da história as espécies foram agrupadas em um número variável de reinos.

A primeira divisão remonta ao século IV aC. (ou Era Comum), incluindo dois grandes grupos de seres vivos: vegetais e animais. 

Nessa classificação, Aristóteles e Teofrasto dividiram os seres vivos entre aqueles que possuem apenas capacidade de reprodução, crescimento e nutrição (planta) e aqueles que, além dessas características, possuem capacidade de se movimentar e receber estímulos e reagir a eles (animal ). 

Durante o século XIX entendia-se que existiam muitos organismos com características intermediárias entre os reinos animal e vegetal, sendo propostas alternativas que permitiam três ou quatro reinos, destacando-se o sistema de três reinos de Ernst Haeckel. Ele propôs o reino protista para agrupar aqueles organismos unicelulares ou multicelulares com características intermediárias entre animais e plantas.

Já no século XX, vários autores tinham consciência de que entre os organismos unicelulares existiam seres vivos radicalmente diferentes. Especificamente, observou-se que alguns organismos unicelulares possuem núcleo enquanto outros não possuem, fortalecendo assim a ideia de quatro reinos: vegetal, animal, protista e monera. Este último reino incluía bactérias, que são organismos unicelulares sem núcleo.

Os cinco reinos

Durante a segunda metade do século XX, a classificação de cinco reinos surgiu das mãos de Robert Whittaker, que tem sido muito popular praticamente até hoje, sendo adotada por cientistas relevantes como Lynn Margulis .

Critérios muito práticos são seguidos nesta classificação:

— reino planta para los organismos pluricelulares autótrofos (fotossínteses);

— reino animal para os organismos pluricelulares heterótrofos;

— fungos do reino (fungos) para organismos multicelulares saprofíticos (decompositores);

— reino protista para organismos unicelulares nucleados;

— reino monera para os organismos unicelulares anucleados.

Embora quase desde a sua publicação se suspeitasse que esta classificação fosse polifilética ou não natural (reinos com mais de uma origem), ela tem sido utilizada quase até hoje devido ao seu caráter prático.

No final do século XX, graças à revolução nas filogenias moleculares, foram realizadas reorganizações adicionais.

Em primeiro lugar, pôde-se constatar que o reino tradicional monera é constituído por organismos unicelulares anucleados de natureza radicalmente diferente. Isso levou a um sistema de três domínios e seis reinos.

Os procariontes (unicelulares anucleados) foram divididos em dois domínios: bactérias e arqueias, cada um com um único reino. Os eucariotos formaram um domínio com quatro reinos: vegetal, animal, fungo e protista, cujas fronteiras também sofreram alguns ajustes para alcançar a monofilia (origem evolutiva única) dos reinos.

Seis supergrupos de eucariotos

No início do século 21, o avanço das filogenias moleculares levou Thomas Cavalier-Smith a classificar os eucariontes em seis supergrupos comparáveis ​​a reinos:

— Archaeplastida: plantas.

- Opisthokonta: verdadeiros animais e fungos.

— Amebozoários: grupo de organismos amebóides anteriormente incluídos em fungos.

— Excavata: protistas antigos caracterizados por um sulco de alimentação ventral, usado para capturar e ingerir pequenas partículas.

— Chromalveolata: grupo heterogêneo que incluía tudo, desde (às vezes) algas marrons gigantes até antigos protistas fotossintéticos originados por endossimbiose secundária com uma alga vermelha e certos organismos unicelulares heterotróficos.

— Rhizaria: antigos protistas que constituem uma linhagem sem qualquer característica definidora.

Vários tipos de bactérias

Essa classificação em seis supergrupos foi amplamente aceita entre os cientistas nos últimos 20 anos. O supergrupo Opisthokonta inclui linhagens aparentemente tão distintas quanto verdadeiros animais e fungos, embora alguns pesquisadores tenham sugerido agrupá-los em diferentes supergrupos.

Se você está se perguntando se os humanos estão mais intimamente relacionados aos fungos do que às plantas, a proposta de Cavalier-Smith e os resultados de estudos evolutivos recentes baseados na comparação de grandes fragmentos do genoma sugerem responder que sim.

Hoje em dia, após a descoberta de numerosos organismos até recentemente desconhecidos e a utilização de estudos filogenômicos para estabelecer relações de parentesco entre eucariotas, o esquema Cavalier-Smith sofreu uma mudança considerável.

Na figura que segue este parágrafo apresentamos a árvore filogenética dos eucariotos considerando os últimos estudos publicados. Essa árvore divide os seres vivos com células nucleadas em 12 supergrupos (embora outros investigadores tenham sugerido recentemente 14 supergrupos).

Embora tenhamos consciência de que ainda são necessárias novas pesquisas para tirar conclusões mais definitivas, já se pode deduzir que o cenário de classificação dos eucariotos em grandes grupos é muito mais complexo do que se supunha.

Também não podemos esquecer os vírus, cujo estatuto de seres vivos é controverso, mas que poderiam constituir um quarto domínio, juntamente com as bactérias, as arqueas e os eucariotas.

Compreender melhor a biodiversidade que nos rodeia é de capital importância se quisermos proteger todas as linhagens da árvore da vida contra ameaças atuais como as alterações climáticas ou a sexta extinção em massa em que infelizmente estamos imersos.

> Esse artigo foi publicado originalmente em espanhol.

Comentários

Post mais lidos nos últimos 7 dias

90 trechos da Bíblia que são exemplos de ódio e atrocidade

Veja 14 proibições das Testemunhas de Jeová a seus seguidores

Morre o americano Daniel C. Dennett, filósofo e referência contemporânea do ateísmo

Entre os 10 autores mais influentes de posts da extrema-direita, 8 são evangélicos

Ignorância, fé religiosa e "ciência" cristã se voltam contra o conhecimento

Veja os 10 trechos mais cruéis da Bíblia

Oriente Médio não precisa de mais Deus. Precisa de mais ateus

Vídeo mostra adolescente 'endemoninhado' no chão. É um culto em escola pública de Caxias

Ateu, Chico Anysio teve de enfrentar a ira de crentes