Pular para o conteúdo principal

Muitos adultos sofrem de TDAH sem saber. Como detectá-lo e lidar com ele

Os principais sintomas desse transtorno mental são desatenção e hiperatividade e impulsividade; dá reduzir seus impactos na vida diária


Gonzalo Arrondo
pesquisador do grupo Mente-Cérebro do Instituto Cultura e Sociedade (ICS), Universidade de Navarra, Espanha

The Conversation
plataforma de informação e análise produzida por acadêmicos e jornalistas

Impulsionado por seu comportamento impulsivo e imprudente, David sobe em um guindaste e cai no vazio. Representa uma viragem na vida deste jovem universitário, porque, em consequência do acidente, ele foi diagnosticado pelos médicos como portador de transtorno de déficit de atenção e hiperatividade (TDAH).

Este é o enredo de uma história que escrevi há algum tempo e que mais tarde foi adaptada como curta de animação para conscientizar sobre o fato de que, como David, existem muitas pessoas que sofrem de TDAH sem saber.

O transtorno só é
diagnosticado 
quando ele afeta
a vida diária em
casa e no trabalho

Identificar e tratar o TDAH pode reduzir significativamente o impacto que ele tem na vida de quem o sofre. Por isso é tão relevante revisar suas principais características.

Preste atenção aos seguintes sintomas

O TDAH é caracterizado por três conjuntos principais de sintomas:

Desatenção. Dificuldade em prestar atenção aos detalhes, cometer erros por descuido, esquecer tarefas cotidianas e perder itens importantes.

Hiperatividade. A inquietação, a incapacidade de permanecer sentado nas situações em que é esperado e a dificuldade de participar de atividades de lazer com calma definem esse tipo de comportamento.

Impulsividade. Reflete-se na tomada de decisões sem considerar as consequências, nas interrupções contínuas e na dificuldade de esperar a sua vez nas situações sociais que a exigem.

Outros sintomas comuns são a desregulação emocional, que pode manifestar-se como baixa tolerância à frustração, irritabilidade e labilidade emocional; e dificuldades nas funções executivas, que se traduzem, por exemplo, numa baixa capacidade de planejamento de atividades.

Embora os sintomas de TDAH geralmente apareçam na infância, eles tendem a persistir e se manifestar na idade adulta. Aproximadamente 50% das crianças afetadas continuarão a atender aos critérios que definem esse transtorno na idade adulta.

Com o tempo, os sintomas de impulsividade tendem a diminuir, enquanto os sintomas de desatenção permanecem — e até aumentam. Além disso, como foi o caso de David, o TDAH muitas vezes passa despercebido na infância e é detectado na vida adulta, quando se intensificam os desafios associados ao desempenho profissional, às relações interpessoais e à qualidade de vida em geral.

Os melhores estudos indicam que a frequência de TDAH em adultos ficaria em torno de 3%, embora muitos desses casos permaneçam sem diagnóstico. 

Além disso, acredita-se que a maioria das pessoas diagnosticadas na infância, mas não na idade adulta, apresentam sintomas subclínicos (isto é, insuficientes para um diagnóstico). 

Isto nos convida a compreender o TDAH como um traço estável no modo de ser do indivíduo cujas consequências negativas podem ser minimizadas, à medida que amadurecem, através da criação de hábitos.

Interferência na vida cotidiana

É importante enfatizar que estes sintomas ocorrem continuamente na população em geral. Ou seja, muitos indivíduos podem experimentar certos graus de desatenção, hiperatividade e impulsividade em algum momento de suas vidas. O TDAH é diagnosticado quando os sintomas atingem níveis significativos, afetando a vida diária.


Um transtorno só é considerado existente quando os traços a ele associados interferem substancialmente nas atividades diárias, nas relações interpessoais e no desempenho acadêmico ou profissional. Uma crítica comum é dizer que não existe um ponto exato a partir do qual as pessoas possam ser consideradas dentro ou fora da normalidade, mas o mesmo acontece, por exemplo, com problemas de peso ou pressão arterial.

A realidade é que os sintomas de TDAH em adultos estão associados a pior desempenho no trabalho, conflitos pessoais e familiares, maior frequência de transtornos mentais (ansiedade, depressão), uso de substâncias, alterações físicas (obesidade ou distúrbios do sono) e riscos aumentados de sofrer acidentes de trânsito ou cometer crimes.

Diagnóstico e tratamento

Então, se uma pessoa acredita que está sofrendo com esses sintomas e que eles estão interferindo significativamente no seu dia a dia, o que deve fazer?

Em qualquer caso, deve-se ressaltar que o diagnóstico é clínico e que a ferramenta por excelência deve ser uma consulta ao médico.

Outras medidas como questionários de sintomas ou testes cognitivos (incluindo os informatizados) podem complementar a avaliação de médicos, mas a sua eficácia é moderada. A utilidade de técnicas como a eletroencefalografia não foi comprovada.

Os tratamentos considerados eficazes podem ser classificados em três categorias:

Psicoeducação. Ele se concentra em fornecer informações e recursos educacionais para melhorar a compreensão do transtorno e desenvolver estratégias de manejo.

Terapia cognitiva comportamental. Aborda padrões de pensamento e comportamento, ensinando habilidades para lidar com os desafios associados ao TDAH.

Prescrição de tratamentos farmacológicos para controle dos sintomas. Geralmente são divididos em estimulantes ou não estimulantes.

Embora exista alguma controvérsia social em torno do uso destes medicamentos psicotrópicos para o TDAH, os especialistas concordam serem tratamentos muito seguros e que podem ajudar enormemente no tratamento dos sintomas primários e secundários. 

Em um estudo que realizamos, mostramos que crianças com TDAH apresentavam menor risco de acidentes, lesões e intoxicações quando tomavam medicamentos. Outras pesquisas mostram efeitos semelhantes em adultos e na condução ou risco de uso de drogas.

Na Espanha, por exemplo, o tratamento de primeira linha em adultos são medicamentos não estimulantes como a atomoxetina. Os estimulantes são geralmente reservados para aqueles que continuam a tomá-los desde a infância e com boa resposta.

Tal como no caso da identificação, também existem diferentes terapias que, apesar de populares, não demonstram a sua utilidade, como o neurofeedback ou exercícios de treino de funções executivas semelhantes aos videojogos e cadernos de treino cerebral (treinamento cerebral).

Em resumo, saber como o TDAH se manifesta em adultos é crucial para identificá-lo precocemente, realizar intervenções eficazes, reduzir o estigma e fornecer apoio no trabalho e no ambiente pessoal. No entanto, e como concluímos no vídeo de David, ao identificar e tratar este distúrbio não procuramos mudar a pessoa que o sofre, mas sim garantir que ele permaneça ele mesmo, mas mais feliz.

Comentários

Post mais lidos nos últimos 7 dias

90 trechos da Bíblia que são exemplos de ódio e atrocidade

Cientistas brasileiros e mexicanos descobrem pequena espécie de morcego

Veja 14 proibições das Testemunhas de Jeová a seus seguidores

Um em cada 4 brasileiros não tem acesso à coleta de esgoto, mostra IBGE

Veja os 10 trechos mais cruéis da Bíblia

Quatro séculos tentando provar a existência de Deus. E fica cada vez mais difícil

Contar o número de deuses é difícil porque são muitos, dezenas de milhares, milhões

Igrejas católicas alemãs estão sendo derrubadas. É a demolição da própria religião

Padre autor do mosaico de Aparecida é acusado de invocar a Trindade para ter sexo a três

Ministro 'terrivelmente' evangélico decide que financiar monumento religioso é constitucional