Pular para o conteúdo principal

Transtorno mental é desencadeador de fundamentalismo, afirma neurocientista

A neurocientista Kathleen Taylor, da Universidade de Oxford, Inglaterra, defende a tese de que o fundamentalismo religioso é um transtorno mental e como tal deve ser tratado.

“Pessoas de certas crenças precisam de tratamento”, disse ela em recente entrevista.

Para a sociedade, afirmou, isso seria muito positivo, “porque não há dúvida de que algumas crenças causam um monte de danos”.

Kathleen afirmou que não estava se referindo apenas aos “candidatos a tratamento mais óbvios, como os islâmicos radicais", mas também a pessoas cujas crenças consideram, por exemplo, aceitável que pais batam nos filhos.

Para a neurocientista, um dos fatores desencadeadores do fundamentalismo religioso como transtorno mental é a lavagem cerebral, sobre a qual ela publicou um livro em 2006.

Ela disse que, como se verifica em religiões e grupos terroristas com al Qaeda, a lavagem celebrar é um instrumento poderoso para causar distúrbio em uma mente sadia.

Disse que o “fenômeno de persuasão é muito amplo, um forte tipo de tortura psicológica coercitiva”, porque leva as pessoas a pensarem coisas que não são boas para elas.

Ela escreveu um artigo no The Huffington Post afirmando que a “supremacia do cérebro oferece chances para melhorar a dignidade humana”, mas a sua manipulação por fanáticos representa um grande risco para o qual a sociedade de estar atenta. 



Bancada evangélica é ovo do nazismo, afirma frei Betto

Posts + acessados hoje

Igreja do 'santo' Maradona tem altar, cultos e mandamentos

Para não pagar imposto, TJs alegam que máquina de passar roupa é essencial à religião

90 trechos da Bíblia que são exemplos de ódio e atrocidade