Pular para o conteúdo principal

Quem crê em Deus vingativo é propenso a sofrer de paranoia, conclui estudo

Pesquisadores dividiram os crentes em três grupos: de um deus violento, de uma divindade benevolente e um criador neutro (a natureza) 


Um para quem acredita em um deus vingativo, outro para um deus benevolente e mais um para aquelas que creem em criador da natureza, mas não estão ligadas a nenhuma crença religiosa — as deístas.

As pessoas que acreditam em Deus raivoso e vingativo são mais propensas a sofrer paranoia, ansiedade social e ter pensamentos obsessivos e compulsões.

Pesquisadores publicaram no Journal of Religion & Health que chegaram a essa conclusão após analisar uma pesquisa de 2010 sobre religião da qual participaram 1.426 norte-americanos.

Nava R. Silton, uma dos pesquisadores, disse que as pessoas entrevistadas que indicaram crer em uma divindade foram classificadas em três grupos. Um para quem acredita em um deus vingativo, outro para um deus benevolente e mais um para aquelas que creem em criador da natureza, mas não estão ligadas a nenhuma crença religiosa — as deístas.


Quem tem devoção
por um deus violento
pode ter abalo emocional

Os pesquisadores constataram que no grupo dos seguidores de um deus raivoso havia mais ocorrência de transtorno mental em relação os fiéis de um deus benevolente e aos deístas.

Na avaliação de Nava, a crença na existência de um deus punitivo pode, de fato, abalar emocionalmente os fiéis porque eles se sentem ameaçados de serem castigados pelos seus pecados.

Em relação a um deus benevolente, a sensação dos devotos é de que estão protegidos. Quando aos deístas, a percepção que têm do seu deus é de indiferença.

Robert Koenig, professor de psiquiatria da Universidade de Duke, questionou a pesquisa. Para ele, existe a possibilidade de os paranoicos tenderem para a crença do deus punitivo, e não este ter causado o transtorno.

“Minha suspeita é de que as pessoas com problemas emocionais vão ver o seu mundo filtrado por uma luz negativa e podem ter necessidade de culpar alguém por isso — e Deus muitas vezes é o alvo."

Comentários

CBTF disse…
Faz sentido essa pesquisa, as igrejas brasileiras por exemplo, possuem muitas pessoas com problemas emocionais (ansiedade, paranoia, fobias, depressão) pedindo cura, milagres e coisas do tipo, por isso possuem também uma crença em um Deus punitivo e fazem um discurso totalmente bolsonarista de condenação a todas as minorias, diferente das igrejas evangélicas da Europa por exemplo, onde as pessoas costumam frequentar pra agradecimentos ou apenas pra confraternização social e consequentemente são mais liberais que as daqui, não só não fazem discursos de ódio contra minorias igual as igrejas daqui, como até fazem casamentos gays e também não ofendem nenhuma das minorias religiosas igual as igrejas daqui fazem sempre.

Post mais lidos nos últimos 7 dias

90 trechos da Bíblia que são exemplos de ódio e atrocidade

Cientistas brasileiros e mexicanos descobrem pequena espécie de morcego

Veja 14 proibições das Testemunhas de Jeová a seus seguidores

Um em cada 4 brasileiros não tem acesso à coleta de esgoto, mostra IBGE

Veja os 10 trechos mais cruéis da Bíblia

Quatro séculos tentando provar a existência de Deus. E fica cada vez mais difícil

Igrejas católicas alemãs estão sendo derrubadas. É a demolição da própria religião

Contar o número de deuses é difícil porque são muitos, dezenas de milhares, milhões

Padre autor do mosaico de Aparecida é acusado de invocar a Trindade para ter sexo a três

Ministro 'terrivelmente' evangélico decide que financiar monumento religioso é constitucional