Pular para o conteúdo principal

Hipocondríaco morre mais cedo em relação a quem se preocupa menos com saúde

Um estudo sueco observou ao longo de 20 anos que as pessoas com esse transtorno mental apresentaram maior risco de morte


Stephen Hughes
professor sênior de Medicina, atua na Universidade Anglia Ruskin, Reino Unido

The Conversation
plataforma de informação e análise produzida por acadêmicos e jornalistas

As pessoas que se preocupam excessivamente com a sua saúde tendem a morrer mais cedo do que aquelas que não o fazem, de acordo com um estudo recente realizado na Suécia.

Parece estranho que os hipocondríacos que, por definição, se preocupam sem estarem realmente doentes, tenham uma esperança de vida mais curta do que o resto de nós, certo?

Vale a pena examinar a terminologia. Como o termo “hipocondríaco” está se tornando pejorativo, os médicos preferem falar sobre transtorno de ansiedade e doença.

Podemos defini-lo como um transtorno de saúde mental caracterizado pela preocupação excessiva com a saúde, muitas vezes com a crença infundada de que existe uma doença grave. Às vezes está associado a visitas frequentes ao médico, outras envolve evitá-las completamente por medo de ser diagnosticado com uma doença fatal.

Hipocondria é
 definida como 
transtorno de
 ansiedade

O transtorno de ansiedade de doença faz com que a pessoa afetada passe muito tempo se preocupando e visitando clínicas e hospitais. Além de estigmatizar quem a sofre, é bastante oneroso para os sistemas de saúde, pelo tempo e recursos de diagnóstico que consome inutilmente.

Já os profissionais de saúde, geralmente sobrecarregados, prefeririam dedicar seu tempo ao tratamento de pessoas com “doenças reais”. É por isso que geralmente não sejam tão atenciosos com esses pacientes.

Aumentam de suicídios

Uma equipe de investigadores suecos acompanhou cerca de 42.000 pessoas — das quais 1.000 sofriam de ansiedade devido à doença — ao longo de duas décadas. Durante esse período, eles descobriram que as pessoas com o transtorno apresentavam maior risco de morte. Além disso, o risco de morte aumentou tanto por causas naturais como não naturais.

Como esses resultados curiosos são explicados? Significará isso que, talvez, algo ruim aconteça às pessoas com hipocondria?

Analisando os resultados com profundidade, os pesquisadores detectaram que pessoas que morreram de causas naturais tiveram maior mortalidade por causas cardiovasculares, respiratórias e causas desconhecidas. 

Curiosamente, não mostraram um aumento na mortalidade por câncer, apesar de a ansiedade em relação a essa doença ser generalizada nesta população.

Por outro lado, a principal causa de morte não natural na coorte de transtorno de ansiedade e doença foi o suicídio, com um aumento de pelo menos quatro vezes em comparação com o restante dos sujeitos.

Mais transtornos psiquiátricos, depressão, vícios e suicídio

Sabe-se que esse distúrbio está intimamente relacionado aos transtornos psiquiátricos. Dado que o risco de suicídio aumenta com as doenças psiquiátricas , esta conclusão parece bastante razoável. Acrescente a isso o fato de que as pessoas com hipocondria podem se sentir estigmatizadas e desconsideradas, e isso pode contribuir para a ansiedade e a depressão, que em alguns casos acaba levando ao suicídio.

O aumento do risco de morte por causas naturais parece menos fácil de explicar. Pode haver fatores de estilo de vida. Sem ir mais longe, o consumo de álcool, tabaco e drogas é mais comum em pessoas ansiosas e que sofrem de algum transtorno psiquiátrico. 

Dado que esses vícios podem limitar a longevidade, talvez a sua presença explique, em parte, o aumento da mortalidade por transtorno de ansiedade e doença.

Sabemos também que esse problema é mais comum em quem teve algum familiar com doença grave. Considerando que muitas doenças graves têm uma componente genética, pode acontecer que a esperança de vida seja encurtada por genes “defeituosos”.

O que podemos aprender?

Os profissionais de saúde devem estar atentos aos possíveis problemas de saúde subjacentes aos pacientes aparentemente hipocondríacos e ouvi-los com mais atenção. Quando desprezamos nossos pacientes, muitas vezes podemos nos sair mal.

Neste ponto, o caso do romancista francês Marcel Proust pode servir de exemplo. Proust é frequentemente descrito pelos seus biógrafos como um hipocondríaco, embora tenha morrido em 1922, aos 51 anos, quando a esperança de vida de um francês naquela época era de 63 anos.

Ao longo de sua vida, ele relatou ter sofrido inúmeros sintomas gastrointestinais, como sensação de saciedade, distensão abdominal e vômitos. Mas os médicos que o trataram não encontraram nada de errado.

No entanto, o que ele descreveu é consistente com gastroparesia. É um distúrbio em que a motilidade do estômago é reduzida, que esvazia mais lentamente do que deveria e fica cheio demais. Isso pode causar vômito e com ele o risco de inalação do vômito, causando pneumonia por aspiração. Pois bem, sabe-se precisamente que Proust morreu de complicações de pneumonia.

Comentários

Post mais lidos nos últimos 7 dias

90 trechos da Bíblia que são exemplos de ódio e atrocidade

Cientistas brasileiros e mexicanos descobrem pequena espécie de morcego

Veja 14 proibições das Testemunhas de Jeová a seus seguidores

Um em cada 4 brasileiros não tem acesso à coleta de esgoto, mostra IBGE

Veja os 10 trechos mais cruéis da Bíblia

Quatro séculos tentando provar a existência de Deus. E fica cada vez mais difícil

Contar o número de deuses é difícil porque são muitos, dezenas de milhares, milhões

Igrejas católicas alemãs estão sendo derrubadas. É a demolição da própria religião

Padre autor do mosaico de Aparecida é acusado de invocar a Trindade para ter sexo a três

Ministro 'terrivelmente' evangélico decide que financiar monumento religioso é constitucional