Pular para o conteúdo principal

Breve história da antropofagia: somos todos canibais, de um jeito ou de outro

Cunhada por Cristóvão Colombo, a palavra 'canibal' hoje em dia tem sentido conotativo, embora ainda haja casos de comer o outro, literalmente 


David Lagunas

professor de antropologia, Universidade de Sevilha, Espanha

The Conversation
plataforma de informação e análise produzida por acadêmicos e jornalistas

Em O Círculo de Neves, lançado recentemente na Netflix, JA Bayona narra a queda do avião da seleção uruguaia de rugby nos Andes, em 1972. Trata-se de canibalismo: para sobreviver, os sobreviventes decidiram comer seus companheiros mortos. Após o resgate, os sobreviventes inicialmente esconderam o fato de terem praticado canibalismo, por medo de reações. Mais tarde, a mídia denunciou, censurou e condenou-os como “canibais”.

O canibalismo é definido como o ato ou prática de comer indivíduos da própria espécie. Geralmente envolve humanos comendo outros humanos. O primeiro caso de canibalismo foi atribuído aos neandertais, e há mais de 100 mil anos, como evidenciado pela caverna francesa de Moula-Guercy.

Esta prática é atestada na África Ocidental e Central, na Melanésia, na Nova Guiné, em certas ilhas da Polinésia e em tribos de Sumatra. Essa prática era bastante comum nas sociedades pré-estatais.

Na história contemporânea, casos individuais foram atribuídos a indivíduos instáveis ​​ou criminosos ou associados a situações difíceis como a crise alimentar na Ucrânia na década de 1930, e durante a Segunda Guerra Mundial, durante o Cerco de Leningrado e em Bergen-Belsen, segundo o Autoridades britânicas que libertaram o campo de concentração.

Mas a relevância destes fatos é controversa. O que é geralmente aceito é que as acusações de canibalismo têm sido historicamente mais frequentes do que a prática em si, como menciona Alberto Cardín em Dialéctica y canibalismo. O canibal quase sempre foi “o outro” no imaginário colonial.

O termo canibal é um legado de Cristóvão Colombo. Essa é a distorção dos "Carib", povo originário das Antilhas que Cristóvão Colombo acreditava ser súdito do Grande Khan da China (canibais)

Colombo, preparado para encontrar o Grande Khan, foi acompanhado por intérpretes árabes e hebraicos, e ao ouvir da boca dos nativos a palavra caniba (ou "canima") pensou que poderiam ser homens com cabeças de cachorro (cane-bal) descritos por explorador John Mandeville.

 Há relatos de
 canibalismo
 pelos tupinambás

Povos canibais

Os judeus têm sido historicamente acusados ​​de comer crianças cristãs, assim como os ciganos. Na Antiguidade, os gregos relataram casos de canibalismo entre povos não helênicos, os bárbaros. Os espanhóis fizeram o mesmo em relação ao canibalismo asteca, embora o canibalismo tenha sido relatado durante as chamadas Guerras das Flores do Império Asteca, sendo considerado uma manifestação em massa do canibalismo.

Neste sentido, William Arens enfatizou que, além dos casos comprovados de canibalismo em situações de angústia, o canibalismo é um mito e que a descrição de um grupo humano como canibais é apenas uma afirmação retórica e ideológica que visa estabelecer superioridade moral sobre este grupo.

Na mesma linha, Michel de Montaigne enfatizou no século XVI que qualquer pessoa ou coisa a que não se está acostumado era chamada de bárbaro (ou canibal) e considerava as guerras religiosas na França e a tortura de corpos vivos ou seu lançamento para cães mais bárbaros que a ingestão pelos Tupinambá do corpo de uma pessoa falecida.

Contudo, a extensão dos casos registados mostra que o canibalismo não é uma invenção. A definição mais recente de canibalismo de FB Nyamnjoh refere-se ao consumo de seres humanos de forma material, metafórica, simbólica ou fantasiosa. 

Na verdade, a comunicação na web tem contribuído para multiplicar as fantasias canibais e sexualizadas de milhares de pessoas que sonham em fóruns de devorar ou serem devoradas por membros do sexo que preferem.

Um certo fascínio

Há casos extremos como o do serial killer Fritz Haarmann ("O Açougueiro de Hanôver") ou Armin Meiwes, um técnico de informática de Rotenburg (Alemanha) que, em 2001, solicitou na Internet "um jovem de 18 a 25 anos" para ele comê-lo (o pedido foi aceito, pois Jürgen B. atendeu e foi morto e comido por Meiwes).

Um dos casos mais chocantes é o do estudante japonês de literatura inglesa Issei Sagawa, que comeu uma estudante alemã da Sorbonne em Paris em 1981, descrevendo o ato detalhadamente. A forma como revelou esse fato fez dele um herói nacional no Japão e escreveu vários best-sellers. Até os Rolling Stones dedicaram uma música a ele em 1986: Too much blood. 


O canibalismo não é estranho para nós. O ato católico da Eucaristia e a comemoração da Última Ceia referem-se à ideia de ingerir um totem, símbolo sagrado de um grupo, clã ou linhagem, a fim de absorver o seu poder distintivo.

Por trás do dogma da transubstanciação católica está expressa a ideia de adquirir a divindade (imortalidade, perdão dos pecados, etc.) pela absorção pela ingestão do corpo de Cristo. Esse “canibalismo ritual” partilha muitas características do conceito.

Em outras culturas da Ásia e da Austrália, por exemplo, acredita-se que comer o pênis de um tigre proporciona maior virilidade, e que comer o inimigo (exocanibalismo) entre os baruya ou ingerir parte de uma pessoa falecida (endocanibalismo) entre os primeiros perpetuará sua alma. O corpo do outro é alimento para o corpo, mente e alma.

A questão que se coloca é, por um lado, quem tem o direito de julgar e avaliar os aspectos contraditórios dos povos do passado e, por outro lado, porque é que se tornou habitual pensar que o que não o faz é tão extraordinário (canibalismo) é um costume.

Pierre Clastres, por exemplo, fala da normalidade de fenômenos como a guerra e o canibalismo entre os índios Guayaki como se fossem típicos de povos “exóticos”, quando em muitos casos esses povos eram as vítimas.

Os Andamaneses da Baía de Bengala tinham uma reputação no Ocidente como canibais guerreiros, conforme descrito por Radcliffe-Brown em The Andaman Islanders (1922), porque despedaçavam suas vítimas de guerra e tinham o hábito de pendurar os ossos de seus ancestrais. Esta ideia surgiu a partir de vários romances cujo enredo envolvia invariavelmente um naufrágio causado pelos recifes de coral da costa de Andamão, seguido de episódios de canibalismo e da história do único sobrevivente.

O canibalismo seria um fenômeno mais típico, não de povos “exóticos”, mas consequência de perversões individuais, de situações catastróficas e particulares. Na década de 1990, jornalistas ocidentais escreveram sobre o canibalismo no contexto da guerra civil da Libéria (1989–1997). O historiador Stephen Ellis sugeriu que as causas não eram apenas políticas, mas poderiam ser explicadas por termos religiosos ou espirituais característicos dos rituais da sociedade secreta.

Em suma, as descrições contemporâneas do canibalismo, que parecem ecoar estudos arqueológicos, mostram que, de uma forma ou de outra, como apontou Claude Lévi-Strauss, “somos todos canibais”.

> Este artigo foi escrito originalmente em espanhol.

Comentários

Post mais lidos nos últimos 7 dias

90 trechos da Bíblia que são exemplos de ódio e atrocidade

Cientistas brasileiros e mexicanos descobrem pequena espécie de morcego

Veja 14 proibições das Testemunhas de Jeová a seus seguidores

Um em cada 4 brasileiros não tem acesso à coleta de esgoto, mostra IBGE

Veja os 10 trechos mais cruéis da Bíblia

Contar o número de deuses é difícil porque são muitos, dezenas de milhares, milhões

Quatro séculos tentando provar a existência de Deus. E fica cada vez mais difícil

Igrejas católicas alemãs estão sendo derrubadas. É a demolição da própria religião

Padre autor do mosaico de Aparecida é acusado de invocar a Trindade para ter sexo a três

Ministro 'terrivelmente' evangélico decide que financiar monumento religioso é constitucional