Pular para o conteúdo principal

Humanos se acasalaram com neandertais há 100 mil anos

Revelação foi feita em análise do
DNA do osso de uma neandertal
O sequenciamento do DNA do osso de dedo do pé de uma jovem revela que os humanos se acasalaram com neandertais antes do que se imaginava, há cerca de 10 mil anos atrás.

De uma mulher neandertal, o osso de 50 mil anos foi encontrado em 2010 na caverna Denisova, nas montanhas de Altai, Sibéria. Nele havia resquício do DNA do humano do qual somos descendentes.

As duas espécies de hominídeos provavelmente se cruzaram no vale fértil do rio Nilo, ao longo das colinas costeiras do Oriente Médio ou da Península Arábica, que naquele tempo era verdejante, de acordo com estudo de Sergi Castellano, biólogo evolucionista do Instituto Max Planck de Antropologia Evolucionária em Leipzig, na Alemanha.

Estudos anteriores de DNA antigo indicam que os humanos tiveram sexo com neandertais há 65 mil anos, no máximo.

Concepção artística
 de uma neandertal
O primeiro sequenciamento do DNA neandertal foi feito em 2010. Por ele, foi possível estimar que os europeus e asiáticos herdaram de 1% a 3% desse DNA. Os africanos não têm essa herança, o que indica não ter havido acasalamento em seu continente.

O osso da jovem da caverna da Sibéria apresentou mais surpresas. Ele também apresentou resquícios dos ancestrais dos atuais melanésios e da espécie extinta, a denisovan.

Castellano disse haver indícios de que os humanos modernos também se acasalaram na Ásia com a linhagem dos denisovans.

Outra revelação: no DNA da jovem há ainda vestígio de um hominídeo super arcaico, provavelmente do H. erectus, de 400 mil anos.

Com informação da Nature e fotos de divulgação. 





Jovens franceses acham dente humano de 560 mil anos

Comentários

Post mais lidos nos últimos 7 dias

90 trechos da Bíblia que são exemplos de ódio e atrocidade

Mescla da política e religião intimida ateus no Brasil. E defendê-los e defender a razão

Deputado estadual constrói capela em gabinete. Ele pode?

Fé de pais TJs não supera direito à vida de um bebê, decide juíza

Como as memórias são armazenadas em nosso cérebro?

Veja 14 proibições das Testemunhas de Jeová a seus seguidores

Ateu manda recado a padre preconceituoso de Nova Andradina: ame o próximo

No noticiário, casos de pastores pedófilos superam os de padres

Holanda pede a religiosos provas de que animal não sofre no abate

Marianne Thieme: "Liberdade religiosa termina onde começa o sofrimento de humanos ou de animais"  O Parlamento da Holanda concedeu aos líderes do judaísmo e do islamismo um ano para provar cientificamente que o abate religioso não causa sofrimento nos animais.  Em junho de 2011, a Câmara dos Deputados aprovou lei que proíbe esse tipo de abate porque é feito sem o atordoamento dos animais. A lei terá de ser votada pelo Senado, para ser confirmada ou não, o que ocorrerá após o prazo dado para a manifestação dos religiosos. A lei foi proposta pelo Partido pelos Animais, o único do gênero no mundo. Para Marianne Thieme (foto), líder do partido, “a liberdade religiosa termina onde começa o sofrimento humano ou animal”. Ela é seguidora da Igreja Adventista do 7º Dia. A proposta da nova lei uniu judeus e muçulmanos do país. Eles acusam o Parlamento de querer acabar com a liberdade de religião. Pela tradição judaica e islâmica, os animais têm de estarem conscientes no m