Pular para o conteúdo principal

Canibalismo mostrado em filme faz parte da história evolutiva dos humanos

Filme causa impacto ao mostrar a história real de vítimas de acidente de avião que sobreviveram comendo os corpos dos mortos. Hominídeos conheciam muito bem o sabor dessa carne


José Luis Guil Guerrero
professor de Tecnologia Alimentar na Universidade de Almería, Espanha

The Conversation
plataforma de informação e análise produzida por acadêmicos e jornalistas

"A Sociedade da Neve" é um filme de 2023 em que o diretor de cinema Juan Antonio Bayona reconta com maestria um episódio recente de canibalismo.

A verdadeira história de um grupo de uruguaios que, após sofrer um acidente de avião nos Andes, foram obrigados a se alimentar dos cadáveres de seus companheiros. Mas no fundo gelado do filme há uma questão perturbadora que nos confronta: quando, em que momento, comeríamos carne humana.

Nós, hominídeos, fizemos isso ao longo de nossa história evolutiva e, possivelmente, fizemos isso por necessidade.

Canibalismo, uma constante na evolução humana

Há cerca de 1,45 milhão de anos, no Quênia, alguns antigos parentes nossos comeram um dos seus, de acordo com marcas de corte numa tíbia, fornecendo a prova mais antiga e decisiva de que os nossos antepassados ​​massacraram e comiam uns aos outros. Mas a prova sobre o canibalismo pode vir de outro hominídeo mais antigo que viveu na África do Sul, durante o período Plio-Pleistoceno (entre 2,5 e 1,5 milhões de anos atrás), cuja mandíbula direita apresenta marcas de cortes infligidos por uma ferramenta cortante de pedra.

Seguindo esta inércia, parece que todos os hominídeos eram canibais, desde o Homo antecessor de Atapuerca e dos Neandertais até às diferentes sociedades do Homo sapiens. Por exemplo, foram encontradas evidências de que os aborígenes que Colombo contatou na América eram canibais. Em outras áreas geográficas, incluindo certas ilhas do Pacífico, o canibalismo foi praticado até tempos recentes.

Quando éramos principalmente caçadores, precisávamos de muita gordura

A capacidade da nossa espécie — e de outros parentes anteriores — de se adaptar a qualquer tipo de habitat influenciou decisivamente a sua dieta. Nas regiões árticas e circumpolares, especialmente durante os períodos glaciais, a proporção de alimentos de origem animal ingeridos era superior à das regiões mais quentes, e a principal fonte de energia teria sido a gordura animal. Pelo contrário, nas regiões mais a sul, os alimentos vegetais, ricos em hidratos de carbono, seriam mais comuns.

É claro que a dependência da gordura sempre existiu, entre outros motivos pela necessidade de consumir ácidos graxos ômega-3 e ômega-6, essenciais para os hominídeos, essenciais para o bom funcionamento do cérebro. Na verdade, a deficiência de ômega-3 leva ao aparecimento de várias doenças deficientes.

Cavalos e elefantes têm mais ômega-3 do que renas

Mamíferos de estômago simples (hominídeos, cavalos, ursos, elefantes e mamutes) possuem gordura subcutânea rica em ômega-3. Pelo contrário, animais com sistema digestivo complexo ou ruminantes (cabras, renas, veados e bisões) apresentam sempre uma gordura corporal muito mais pobre nestes ácidos gordos.

Daí resulta que o estado nutricional dos nossos antepassados ​​dependia em grande parte da escolha das suas presas. Sabemos que os hominídeos da Idade da Pedra, em períodos mais ou menos frequentes, dependiam estreitamente de algumas espécies de animais para a subsistência e tinham pouco espaço para escolher.



O que aconteceu quando as presas ricas em ômega-3 eram escassas? A resposta é clara: outras fontes vegetais de ômega-3, como sementes de linhaça, nozes e recursos similares, poderiam ter fornecido a gordura animal. Contudo, na Eurásia, durante os longos invernos glaciais, os recursos vegetais também eram escassos. 

Isto teria feito com que as doenças crônicas por deficiência de ômega 3 se manifestassem com mais frequência, pelo que, a longo prazo, o sucesso evolutivo do grupo dos hominídeos teria sido comprometido.

Poderia haver uma relação entre deficiência de ômega-3 e canibalismo?

Por todas as razões até agora explicadas, na Eurásia, durante a Idade da Pedra, os alimentos de origem animal ocuparam um lugar preferencial, especialmente durante os períodos glaciais. 

Dada a escassez de hidratos de carbono, as necessidades energéticas teriam sido cobertas pelo consumo principalmente de gordura, obtida principalmente de animais caçados. 

Supunha-se que essa gordura fornecia simultaneamente "energia limpa" e ômega 3 e ômega 6. No entanto, em muitos períodos pré-históricos, os hominídeos dependiam de animais ruminantes, como as renas, cuja gordura é pobre em ômega-3.

Em circunstâncias tão extremas, a alimentação entre os hominídeos poderia ter-nos ajudado a suplementar a quantidade de ômega-3 necessária para manter a saúde.

Sem ir mais longe, há cerca de 40 mil anos, os neandertais e os homens modernos poderiam ter caçado e comido uns aos outros. Ou a qualquer momento, hominídeos da mesma espécie poderiam ter se devorado uns aos outros. 

Como os animais já forneciam bastante carne, provavelmente o nutriente preferido na mesa dos canibais teria sido a gordura, rica em energia, além de vísceras. É fácil supor que uma iguaria muito apreciada nestas circunstâncias teria sido o cérebro hominídeo que, dado o seu grande tamanho, teria fornecido elevadas proporções de DHA , um tipo de ácido graxo ômega-3 essencial para a prevenção de uma infinidade de doenças, doenças degenerativas.

O problema é que, se ao comermos uns aos outros tivéssemos utilizado preferencialmente as vísceras e a gordura corporal, as marcas de corte que aparecem nos ossos quando a carne é extraída teriam sido menos frequentes. Portanto, é possível que a real incidência do canibalismo na pré-história estivesse sendo subestimada.

O comportamento canibal teria sido evolutivamente favorável

Poderia a situação descrita acima para a Eurásia na Idade da Pedra ser extrapolada para outros ambientes pré-históricos onde teriam existido fontes mais abundantes de ômega-3? Sim. Embora as zonas do sul ofereçam uma maior diversidade de fontes de ômega-3, os alimentos ricos nesses ácidos, como o peixe ou os frutos secos, nem sempre estariam disponíveis em quantidades adequadas. Além disso, o corpo humano como recurso alimentar nunca teria perdido a sua atratividade, tanto pela qualidade nutricional descrita como pela sua facilidade de obtenção.

Dessa forma, o comportamento canibal sempre teria sido evolutivamente favorável à sobrevivência dos hominídeos. Isso não implica que sejamos uma espécie violenta e agressiva: pelo contrário, seríamos “condicionalmente violentos”. Ou seja, estaríamos adaptados para modificar nosso comportamento dependendo dos recursos disponíveis.

Da próxima vez que for a um supermercado e observar a variedade de alimentos disponíveis, incluindo os ricos em ômega 3, como o peixe, as nozes ou o óleo de linhaça, reflita durante alguns minutos sobre a longa história de privação e escassez de recursos dos nossos antepassados.

• Biólogo americano explica em vídeo por que todos somos peixes

• O que separa os humanos dos animais? Muita coisa, mas muito pouco

Comentários

Post mais lidos nos últimos 7 dias

90 trechos da Bíblia que são exemplos de ódio e atrocidade

Escola Estadual Igreja Evangélica muda de nome e deixa de afrontar o Estado laico

Malafaia divulga mensagem homofóbica em outdoors do Rio

Juiz que anulou união estável gay é pastor da Assembleia de Deus

Pastor Boas: "Não  nego minha fé" O juiz  Jeronymo Pedro Villas Boas (foto), 45, da 1º Vara da Fazenda Municipal e de Registros de Goiânia (GO), que anulou a união de um casal homossexual, admitiu hoje (22) que é pastor. "Sou pastor da Assembleia de Deus Madureira e não nego minha fé." Ele reafirmou  que a sua decisão está amparada pela Constituição que exige que para uma união o casal receba a autorização de um juiz. Justificou que a decisão do STF (Supremo Tribunal Federal), que garante aos homossexuais os mesmo direito civis dos demais brasileiros, não é vinculante e o acórdão daquela sessão ainda não foi publicado. "As pessoas no Brasil para viverem juntas e se unirem têm que ter os requisitos formais da lei. Quem reconhece isso é um juiz.". O juiz foi convidado a participar hoje (22)  de uma sessão da bancada Evangélica da Câmara, que entregou a ele uma moção de apoio. A corregedora-geral de Justiça de Goiás, Beatriz Figueiredo Franco

Essência do totalitarismo é querer fazer o 'bem para todos'

Título original: Tentação totalitária por Luiz Felipe Pondé para Folha Você se considera uma pessoa totalitária? Claro que não, imagino. Você deve ser uma pessoa legal, somos todos. Às vezes, me emociono e choro diante de minhas boas intenções e me pergunto: como pode existir o mal no mundo? Fossem todos iguais a mim, o mundo seria tão bom... (risadas). Totalitários são aqueles skinheads que batem em negros, nordestinos e gays. Mas a verdade é que ser totalitário é mais complexo do que ser uma caricatura ridícula de nazista na periferia de São Paulo. A essência do totalitarismo não é apenas governos fortes no estilo do fascismo e comunismo clássicos do século 20. Chama minha atenção um dado essencial do totalitarismo, quase sempre esquecido, e que também era presente nos totalitarismos do século 20. Você, amante profundo do bem, sabe qual é? Calma, chegaremos lá. Você se lembra de um filme chamado "Um Homem Bom", com Viggo Mortensen, no qual ele é um cara

As mulheres deveriam ficar longe do cristianismo. Oito razões

Arcebispo afirma que vida dos descrentes não tem sentido

Para Battisti, o sentido da vida está no sobrenatural  O arcebispo Anuar Battisti (foto), 59, de Maringá (PR), escreveu um artigo onde aborda um tema recorrente por parte de religiosos, o de que não há sentido na vida dos descrentes em Deus. “Este ambiente de descrença, misturado com ateísmo, leva a pessoa a viver no deserto da vida sem gosto, sem rumo, vagando em busca de um sentido”, escreveu dom Battisti no artigo publicado no Diário.com. “A ausência de Deus cria na alma humana um vazio de sentidos que leva ao desespero, à negação de tudo o que diz respeito ao sobrenatural”, acrescentou. A americana Paula Kirby, consultora de organizações seculares, escreveu recentemente no Washington Post que quem precisa de Deus para que a sua vida tenha um significado é porque a sua família e amigos, em tese, não têm nenhum valor. O que, obviamente, é um absurdo. Ninguém precisa de Deus, por exemplo, para amar seus filhos. Kirby argumentou que é o cristianismo que tenta tirar todo

Médico acusado de abuso passa seu primeiro aniversário na prisão

Roger Abdelmassih (reprodução acima), médico acusado de violentar pelo menos 56 pacientes, completou hoje (3) 66 anos de idade na cela 101 do pavilhão 2 da Penitenciária de Tremembé (SP). Foi o seu primeiro aniversário no cárcere. Filho de libaneses, ele nasceu em 1943 em São João da Boa Vista, cidade paulista hoje com 84 mil habitantes que fica a 223 km da capital. Até ser preso preventivamente no dia 17 de agosto, o especialista em reprodução humana assistida tinha prestígio entre os ricos e famosos, como Roberto Carlos, Hebe Camargo, Pelé e Gugu, que compareciam a eventos promovidos por ele. Neste sábado, a companhia de Abdelmassih não é tão rica nem famosa e, agora como o próprio médico, não passaria em um teste de popularidade. Ele convive em sua cela com um acusado de tráfico de drogas, um ex-delegado, um ex-agente da Polícia Federal e um ex-investigador da Polícia Civil. Em 15 metros quadrados, os quatros dispõem de três beliches, um vaso sanitário, uma pia, um ch

Música gravada pelo papa Francisco tem acordes de rock progressivo. Ouça