Pular para o conteúdo principal

O que separa os humanos dos animais? Muita coisa, mas muito pouco

O homem é apenas um animal como qualquer outro e diferente de todos os outros


Pascal Tassy
professor, paleontólogo e paleomamologia, trabalha no Museu Nacional de História Natural, França

The Conversation
plataforma de informação e análise produzida por acadêmicos e jornalistas

Nestes tempos de crise da biodiversidade e de questões sobre os seres vivos, a velha questão da dualidade homem-animal é, ao que parece, ainda relevante. Mesmo que o “realmente” na pergunta sugira que, em última análise, a separação não é tão profunda.

No nível da biologia, e mesmo da zoologia, deve-se notar, o paradoxo já foi resolvido há muito tempo. O homem é um animal. Ele não pode, portanto, separar-se.

A questão, portanto, não é mais de natureza científica, mas filosófica e sociológica. O fato é que para a maioria de nós a resposta científica não importa, uma vez que os termos podem ter várias conotações. 

Afirmar que o homem é um animal tem pouco peso. É preciso ir além, questionando: o que distingue os humanos dos outros animais?

Pela biologia, chimpanzé e
humano são quase idênticos

Humanos classificados entre primatas por Linnaeus

Durante séculos, as características biológicas da humanidade foram todas integradas no panorama das características dos seres vivos em geral e dos animais em particular. E, no entanto, o homem quase sempre se destacou do resto do mundo vivo. Toda uma tradição de reflexão filosófica e espiritual se opõe à visão unitária da ciência biológica.

Esse é o grande problema que Linnaeus, no século XVIII, acreditava ter resolvido definitivamente. No seu Systema Naturae, cuja décima edição datada de 1758 é considerada o ponto de partida da nomenclatura zoológica moderna, o homem, gênero Homo, é classificado, entre os animais, na ordem dos Primatas — o "primeiro", noblesse oblige —, mas na companhia de três outros gêneros: Simia (macacos), Lemur (lêmures incluindo, para Linnaeus, o galeopithecus, um pequeno mamífero arbóreo planador da Indonésia) e Vespertilio (morcegos).

Esta escolha é significativa e faz de Linnaeus um pioneiro que, de certa forma, ultrapassou os conceitos da maioria dos seus sucessores do século XIX. 

Na verdade, em 1910, uma vez que a biologia se tornou evolutiva, o anatomista William K. Gregory nomeou Archonta um grupo que reúne primatas (macacos, lêmures, homem), morcegos (ordem Chiroptera), Galeopithecus (ordem Dermoptera) aos quais se somam mamíferos insetívoros desconhecidos. a Linnaeus, os toupayes (mamíferos arbóreos da Ásia).

O homem não era apenas membro dos primatas, mas também membro dos Mammalia (todos esses termos são devidos a Carl Von Linnaeus). Podemos subir na hierarquia de classificação e incluir o homem nos amniotas, nos vertebrados, nos animais. Animais, ou seja, nas classificações o reino Animalia, hoje denominado Metazoa (palavra que significa todos os animais) — os dois termos são sinônimos.

O termo de Metazoa, com seu som inegavelmente científico, não ofende nenhum ouvido. Dizer que o homem é um metazoário não choca ninguém. Dizer que se trata de um metazoário porque é multicelular e possui uma proteína que estrutura a ligação entre as células — o colágeno — é assunto de especialistas e invariavelmente impede qualquer avanço filosófico. Nenhuma sensibilidade aí. Um animal é outra coisa, não é?

Os sucessores de Linnaeus queriam colocar os humanos fora do reino animal

Linnaeus, à sua maneira, foi um revolucionário. Seus sucessores trabalharam para desfazer o reagrupamento dos primatas. Em 1861, o naturalista francês Armand de Quatrefages classificou o homem sozinho no "reino humano" , caracterizado pela "alma humana", retomando uma sugestão feita mais de quarenta anos antes pelo agrônomo lamarckiano Charles-Hélion de Barbançois: classifique-o homem num reino separado, o “reino moral”.

Quatrefages concentrou-se tanto na reflexão sobre a unidade da espécie humana como na análise da singularidade dos seus componentes. Para ele, como estudioso positivista, ou seja, fiel aos fatos, a noção de Reino (a mais elevada das categorias da classificação) impõe-se à mente humana: as características que definem o homem são óbvias e não vinculadas a nenhuma hipótese ou teoria.

A alma humana, diferente da alma animal, seria um puro fato de observação. Anteriormente, o anatomista alemão Johann Friedrich Blumenbach e o anatomista francês Georges Cuvier contrastaram o homem sozinho (ordem Bimana) com outros primatas (ordem Quadrumana). 

O naturalista alemão JC Illiger classificou apenas o homem (o único a permanecer de pé) no Erecta, enquanto o anatomista britânico Richard Owen, oponente resoluto do darwinismo, fez dele o único representante do Archencephala, uma notável introdução do cérebro como uma especificidade humana.

Nota-se, porém, que com exceção de Quatrefages, todos os demais autores citados subordinam a espécie humana ao reino animal e à classe dos mamíferos. Compreendemos claramente a dificuldade desses ilustres anatomistas que — bem conscientes das características morfológicas e fisiológicas que, embora integrando perfeitamente o homem nos mamíferos — foram irreprimivelmente tentados, também como crentes, a opô-lo ao resto da criação.

"O homem sábio"

O anatomista, quem decide, é na verdade o homem, o Homo sapiens (“o sábio” que Linnaeus não nomeou como tal por acaso). Teremos, portanto, compreendido que essas afirmações taxonómicas visam separar o Homo sapiens, de acordo com traços que lhe são específicos, do psiquismo ao bipedalismo, e não identificar uma sequência de caracteres partilhados pelo homem e pelos diferentes animais.

Se o homem se opõe ao resto do reino animal ou ao seu parente animal mais próximo, equivale à mesma coisa. Em 1957, um evolucionista como Julian Huxley tomou o exemplo da classificação do homem para ilustrar o seu conceito de "grau evolutivo". A atividade intelectual do homem é tal que lhe basta conceber um nicho ecológico sem precedentes. O cérebro humano colocaria o homem, sozinho, no nível da categoria mais elevada, o reino: o reino dos Psicozoários.

Sabemos que o parente vivo mais próximo do homem (Homo) é o chimpanzé (Pan). Na década de 1960, as primeiras classificações incluindo os dois gêneros da família Hominidae causaram escândalo. A imagem da família foi degradada, estragada, destruída.

7 milhões de anos de evolução

A biologia molecular nos diz que humanos e chimpanzés são quase geneticamente idênticos. Mas é um desperdício total: reconhecemos facilmente um homem de um chimpanzé. Diríamos: reconhecemos facilmente os dois animais. 

A baleia-azul e o musaranho também são animais, e até mamíferos, certamente muito distintos. Suas diferenças são infinitamente maiores do que aquelas entre o homem e o chimpanzé, mas não são importantes para nós, como homens sábios.

Filosoficamente falando, não são eles que nos preocupam. O antropocentrismo é óbvio. Na verdade, após centenas de milhões de anos de evolução animal, a linhagem humana e a dos chimpanzés se separaram há cerca de 7 milhões de anos.

Sete milhões de anos de evolução são responsáveis ​​pela existência de humanos e chimpanzés na superfície do planeta. E nada mais.

O homem está impregnado de características animais desde o líquido amniótico em que se banha o embrião, lembrando as origens aquáticas dos animais, até à eminência mental que se projeta na frente da mandíbula inferior (a grande invenção osteológica do ser humano!) passando por todos os traços de vertebrados, tetrápodes, mamíferos e primatas. 

O homem é apenas um animal como qualquer outro e diferente de todos os outros, assim como todas as espécies animais são umas das outras.

Podemos ficar satisfeitos com tal afirmação? As palavras estão cheias de significado e contradições. O verbo persiste, tenaz. Apesar da ideologia e da perda de referenciais científicos, não teremos o azar de reclamar disso, pois a palavra, afinal, é uma das características do Homo sapiens, pelo menos na natureza atual.

> Esse artigo foi publicado originalmente em francês.

• Cientistas identificam os mais antigos fósseis de Homo sapiens

• Homo sapiens se espalhou pelo planeta a partir do Norte de Boswana, diz estudo

• Somos as últimas gerações de Homo Sapiens; vem aí o cyborg, afirma Harari

Comentários

K disse…
Excelente artigo! Realmente, quando reconhecemos a nossa essência animal, cultivamos um respeito mais profundo pela vida não humana. Essa compreensão desperta empatia e incentiva a proteção do reino animal. O reconhecimento da nossa conexão com outras espécies é fundamental para construir um mundo onde todas as formas de vida são valorizadas e preservadas.

Post mais lidos nos últimos 7 dias

90 trechos da Bíblia que são exemplos de ódio e atrocidade

Cientistas brasileiros e mexicanos descobrem pequena espécie de morcego

Veja 14 proibições das Testemunhas de Jeová a seus seguidores

Um em cada 4 brasileiros não tem acesso à coleta de esgoto, mostra IBGE

Veja os 10 trechos mais cruéis da Bíblia

Quatro séculos tentando provar a existência de Deus. E fica cada vez mais difícil

Contar o número de deuses é difícil porque são muitos, dezenas de milhares, milhões

Igrejas católicas alemãs estão sendo derrubadas. É a demolição da própria religião

Padre autor do mosaico de Aparecida é acusado de invocar a Trindade para ter sexo a três

Ministro 'terrivelmente' evangélico decide que financiar monumento religioso é constitucional