Pular para o conteúdo principal

Sete em cada dez escolas em São Paulo estão em regiões com fácil acesso à comida pouco saudável

Estudo mostra que 74% dos estabelecimentos na cidade paulista estão nos chamados "pântanos" de alimentação. com predominância dos ultraprocessados


AGÊNCIA BORI
serviço de apoio à imprensa
na cobertura da ciência


Cerca de 74% das escolas da cidade de São Paulo estão localizadas em áreas denominadas “pântanos de comida”, um termo usado para descrever regiões com muitos comércios que vendem alimentos prejudiciais à saúde, como produtos ultraprocessados.

A situação fica ainda mais grave no caso das escolas particulares, pois elas não possuem políticas de segurança alimentar e nutricional. 

O diagnóstico inédito do ambiente alimentar destas escolas foi realizado por pesquisadoras da Faculdade de Medicina da Universidade de São Paulo (USP) e está publicado na edição de segunda (9) da revista “Cadernos de Saúde Pública”.

Ao todo, foram analisadas 3.121 escolas da cidade de São Paulo que oferecem ensino fundamental e/ou ensino médio, e 75.832 estabelecimentos de venda de comida.

Os dados das escolas foram coletados do Censo Escolar de 2017. As pesquisadoras também consultaram um banco de dados para verificar a localização e tipo de comércio. 

Um dos principais objetivos traçados foi entender a distribuição de locais vendendo comidas ultraprocessadas ao redor de escolas. 

Para isso, foi feita uma avaliação da densidade média de cada tipo de estabelecimento em um raio de 100 a 500 metros quadrados, seguida pelo cálculo da quantidade média e a prevalência de estabelecimentos dentro de um raio de 250 metros, que equivale a uma caminhada de 5 minutos.

Crianças e adolescentes são
os maiores consumidores de
alimentos ultraprocessados
FOTO: TIM SAMUEL / PEXELS

A pesquisa revelou que os comércios de alimentos não se instalam de forma aleatória ao redor das escolas: é como se as escolas fossem imãs para estabelecimentos como lojas de doces e minimercados. 

A administração das instituições de ensino tem influência na decisão, segundo a pesquisa. Nas proximidades de instituições privadas, há mais quantidade de pontos de venda expondo os alunos a alimentos ultraprocessados — o que é um problema, já que, assim como os lares, as escolas são ambientes que influenciam crianças e adolescentes em suas escolhas alimentares.

Segundo Maria Alvim, uma das autoras do artigo e pesquisadora no Núcleo de Pesquisas Epidemiológicas em Nutrição e Saúde (Nupens/USP), esse estudo tem o potencial de colaborar na promoção de políticas públicas. 

Além das mudanças necessárias dentro das escolas que ainda não possuem nenhum tipo de programa de incentivo a uma alimentação mais saudável, no caso, as particulares, a autora reforça a importância de pensar em alternativas para que os comerciantes da vizinhança não sejam prejudicados. 

“Precisamos de uma política que ofereça ao comerciante a oportunidade de incluir alimentos mais saudáveis no ponto de venda. É preciso controlar o ambiente para que ele seja mais apropriado para os jovens”, afirma.

Alvim ainda comenta que crianças e adolescentes são a população que mais consome ultraprocessados no mundo e, por isso, há um aumento de doenças crônicas e obesidade nessa idade. 

A pesquisa oferece um panorama mais detalhado sobre esse cenário a partir da quantidade de escolas e estabelecimentos analisados.

 “Os alunos da rede pública contam com o Programa Nacional de Alimentação Escolar (PNAE) que fornece alimentos saudáveis e propõe estratégias de educação nutricional, enquanto as instituições privadas não têm qualquer tipo de regulamentação nesse aspecto. Queremos incentivar outros estudos em mais cidades, comparar os dados e apresentar alternativas”, explica a pesquisadora.

Com informação da revista Cadernos de Saúde Pública 

• Ultraprocessados causam a morte prematura de 57 mil pessoas por ano

• Pesquisa identifica resíduos de pesticidas em papinhas infantis

• Alimento não saudável vicia como cocaína, conclui estudo

Comentários

Post mais lidos nos últimos 7 dias

90 trechos da Bíblia que são exemplos de ódio e atrocidade

Padre associa a tragédia das enchentes ao ateísmo de gaúchos. Vingança de Deus?

Deputado estadual constrói capela em gabinete. Ele pode?

Veja 14 proibições das Testemunhas de Jeová a seus seguidores

Ateu manda recado a padre preconceituoso de Nova Andradina: ame o próximo

No noticiário, casos de pastores pedófilos superam os de padres

Santuário de Aparecida inaugura mosaicos de padre suspeito de abuso sexual

Marcha para Jesus no Rio contou com verba de R$ 2,48 milhões

A prefeitura do Rio de Janeiro liberou R$ 2,48 milhões para a realização ontem (sábado, 19) da Marcha para Jesus, que reuniu cerca de 300 mil evangélicos de diferentes denominações. Foi a primeira vez que o evento no Rio contou com verba oficial e apoio institucional da Rede Globo. O dinheiro foi aprovado para a montagem de palco, sistema de som e decoração. O pastor Silas Malafaia, um dos responsáveis pela organização da marcha, disse que vai devolver R$ 410 mil porque o encontro teve também o apoio de sua igreja, a Assembleia de Deus Vitória em Cristo. “O povo de Deus é correto”, disse. “Quero ver a parada gay devolver algum dinheiro de evento.” Pela Constituição, que determina a laicidade do Estado, a prefeitura não pode conceder verba à atividade religiosa. Mas o prefeito Eduardo Paes (PMDB), que compareceu à abertura da marcha, disse que o seu papel é apoiar todos os eventos, como os evangélicos e católicos e a parada gay. A marcha começou às 14h e contou com sete trios

Mescla da política e religião intimida ateus no Brasil. E defendê-los e defender a razão