Pular para o conteúdo principal

Ultraprocessados causam a morte prematura de 57 mil pessoas por ano, aponta pesquisa

A ingestão de formulações industriais com aditivos e pouco valor nutricional está associada a doenças crônicas 

                   
ANA FUKUI
divulgadora científica
Jornal da USP

Dados do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), junto aos dados de mortalidade dos brasileiros, permitiram a pesquisadores da USP calcular o impacto do consumo de ultraprocessados nesta população. 

O cruzamento de informações estimou que 57 mil pessoas morrem prematuramente a cada ano por consumirem alimentos ultraprocessados, o que corresponde a 10,5% de todas as mortes precoces de adultos entre 30 e 69 anos no Brasil.

O conceito de morte prematura por doenças crônicas não transmissíveis (DCNT) é definido pela Organização Mundial da Saúde (OMS) como a probabilidade de morrer entre 30 e 70 anos em decorrência de doenças cardiovasculares, câncer, diabete e doenças respiratórias crônicas. 

Segundo o professor Leandro Rezende, um dos autores da pesquisa, filiado ao Núcleo de Pesquisas Epidemiológicas em Nutrição e Saúde (Nupens) da Faculdade de Saúde Pública (FSP) da USP, já existem evidências suficientes nos estudos epidemiológicos que associam o aumento de consumo de ultraprocessados com o risco de se desenvolver as DCNT. 

Ele também inclui o excesso de peso e a obesidade devido à ingestão de ultraprocessados como fatores que contribuem para uma pessoa desenvolver essas patologias.

Obtidos diretamente de
plantas ou de animais
para o consumo sem
que tenham sofrido
qualquer alteração


Submetidos a algum processo,
mas que não envolvam agregação
de substâncias ao alimento
original, como limpeza, moagem
e pasteurização



Fabricados pela indústria
com a adição de sal,
açúcar ou outro produto
que torne o alimento
mais durável, palatável
e atraente
 
Formulações industriais em
geral, com pouco ou nenhum
alimento inteiro e sempre
contêm aditivos

A metodologia do estudo envolveu o uso de dados abertos coletados por meio de questionários para avaliar o consumo de alimentos a partir de diferentes variáveis.


Este tipo de enquete é realizado pelo IBGE a cada dez anos e está publicado no site da instituição (aqui). Trata-se de uma série de perguntas para investigar o consumo alimentar individual por todo o País, que faz parte de uma pesquisa ampla sobre o perfil dos orçamentos familiares. 

Os dados foram separados por faixas etárias, entre homens e mulheres, a partir dos 30 anos. Os pesquisadores avaliaram a ingestão das calorias diárias de cada grupo e quanto dessas calorias tiveram como fonte os alimentos ultraprocessados (ver tabela). Em seguida, foram considerados os dados sobre mortalidade do mesmo período e, por fim, os dados foram cruzados.

Contribuição de alimentos ultraprocessados para a
ingestão total de energia em adultos de 30 a 69 anos


O professor Eduardo Nilson, também pesquisador do Nupens e autor do artigo, ressalta que as informações recentes, de 2017/2018 mostram que houve um aumento de consumo de 20% de calorias vindas de ultraprocessados em relação ao mesmo tipo de levantamento realizado em 2007/2008, também pelo IBGE.

Ainda segundo Eduardo Nilson, esSe aumento se deve a uma série de fatores, como as campanhas de marketing em torno desses alimentos e à maior subida de preços dos produtos frescos em relação aos ultraprocessados. 

Além disso, ele aponta, “a substituição aconteceu em todos os grupos da sociedade, independente da renda. Mas tem mais impacto na população vulnerável. O macarrão instantâneo e o biscoito recheado são alimentos-símbolo dessa situação.”

O artigo também faz um cálculo de quantas mortes poderiam ser evitadas em diferentes cenários de diminuição do consumo de ultraprocessados. 

Estimativa de mortes evitadas com redução
 de ingestão de alimentos ultraprocessados


Com a redução para 10% das calorias diárias consumidas em ultraprocessados, 3.500 pessoas não morreriam de doenças crônicas ao longo do ano. E esse número aumenta à medida que se diminui a quantidade de ultraprocessados ingeridos.

> O artigo Premature Deaths Attributable to the Consumption of Ultraprocessed Foods in Brazil foi publicado no American Journal of Preventive Medicine. Ana Fukui é bolsista do projeto Mídia Ciência Fapesp/FMUSP. Mais informações: e-mail edunilson@gmail.com, com Eduardo Nilson

• Célula de defesa ajuda na regulação da inflamação causada pela obesidade

• Pesquisa identifica resíduos de pesticidas em papinhas infantis



Comentários

Post mais lidos nos últimos 7 dias

90 trechos da Bíblia que são exemplos de ódio e atrocidade

Veja 14 proibições das Testemunhas de Jeová a seus seguidores

Veja os 10 trechos mais cruéis da Bíblia

Terraplanista vai a Noruega, vê o sol da meia-noite e admite que a Terra é redonda

Bíblia tem mais de 2,5 milhões de mortes em nome de Deus

Contar o número de deuses é difícil porque são muitos, dezenas de milhares, milhões

Ministro 'terrivelmente' evangélico decide que financiar monumento religioso é constitucional

Trechos bíblicos cuja existência crente finge não saber

Igrejas católicas alemãs estão sendo derrubadas. É a demolição da própria religião

Padre autor do mosaico de Aparecida é acusado de invocar a Trindade para ter sexo a três