Pular para o conteúdo principal

Análise de ambientes retrata a mega diversidade de insetos do Brasil

Existem 90 mil espécies catalogadas, mas estima-se que haja muito mais nas terras brasileiras, é o maior grupo do reino animal


CAMILLA ALMEIDA
jornalista

Jornal USP

O Brasil é um dos 17 países considerados megadiversos pelo Programa das Nações Unidas para o Meio Ambiente (Pnuma). Dentre toda a abundância da biodiversidade brasileira, é possível destacar milhares espécies de insetos – o grupo mais rico em diversidade biológica do reino animal. 

Estima-se que 90 mil espécies já foram catalogadas em solo brasileiro, o que representa quase 9% do total já registrado no mundo. 

Embora esse número seja expressivo, ainda existem muitas descobertas a serem feitas, tanto no campo taxonômico (que identifica, nomeia e classifica os seres vivos) quanto sobre sua distribuição e interações ecológicas. 

Em vista disso, um estudo feito por cientistas do Serviço de Entomologia do Museu de Zoologia (MZ) da USP explorou a diversidade de insetos que vivem em montanhas, como o Pico da Neblina, mais especificamente em ambientes madícolos (superfícies rochosas cobertas por películas de água).

Os pesquisadores buscavam testar a hipótese da variabilidade climática, já verificada em ecossistemas localizados no Hemisfério Norte, mas nunca aplicada no Brasil. 

Inseto em superfície
rochosa húmida:
Corydalus sp., Megaloptera


De acordo com a teoria, insetos que vivem em montanhas em regiões temperadas, ou seja, distantes da linha do Equador, apresentam uma ampla faixa de distribuição altitudinal, devido a sua considerável tolerância termal. Tolerância esta resultante da elevada variação climática à qual estão submetidas as espécies nessas regiões.

Em contraponto, acredita-se que em regiões tropicais, a distribuição está limitada a curtas faixas de altitudes, uma vez que as alterações de temperatura e outros fatores climáticos ao longo do gradiente de altitude representam efetivas barreiras para o seu estabelecimento – isto é, as espécies teriam uma amplitude de distribuição mais curta por conta de sua baixa tolerância às variações climáticas.

Durante o processo de pesquisa, uma expedição ao Pico da Neblina, o ponto mais alto do Brasil, localizado no Estado do Amazonas, foi orquestrada pelos cientistas para coleta de dados ecológicos.

Para realizar uma comparação e testar a hipótese de fato, áreas montanhosas de Mata Atlântica também foram analisadas. As expedições foram realizadas entre os anos de 2018 e 2022.

“Nós esperávamos encontrar, seguindo a hipótese, que as espécies da Mata Atlântica teriam uma faixa de distribuição maior ao longo dos gradientes altitudinais e, portanto, que elas ocupariam áreas mais extensas do que aquelas encontradas na região da Amazônia, situada em latitude zero”, explica Erika Shimabukuro, pós-doutora pelo MZ-USP. 

Entretanto, a pesquisa revelou uma curta faixa de distribuição das espécies em ambas as localidades, com uma diferença grande entre as comunidades de insetos observadas nas montanhas.

“Contudo, mesmo com a notável diversidade biológica verificada entre as comunidades na Mata Atlântica, nós observamos que ela estava menos correlacionada com os fatores ambientais, diferente do que ocorria na Amazônia”, afirma Shimabukuro. 

Dessa forma, foi possível confirmar a hipótese da variabilidade climática, constatando que toda essa mudança de espécies que ocorre ao longo do gradiente altitudinal é muito mais intensa na região dos trópicos, pelo fato de as alterações nos fatores ambientais ao longo das altitudes serem mais “sentidas” por essas espécies.

De acordo com a pesquisadora, a elevada disparidade vista na Mata Atlântica possivelmente está relacionada aos vários eventos históricos – geológicos e climáticos – que ocorreram na região e que contribuíram para moldar a biodiversidade nessas montanhas.

Eventos climáticos extremos

Os resultados obtidos apontam que as comunidades de insetos estudadas na floresta amazônica possuem maior sensibilidade a alterações ambientais, como a temperatura – o que desperta preocupação em relação à biodiversidade em meio ao processo de aquecimento global. 

O Brasil vem cada vez mais sendo impactado por eventos climáticos extremos. Exemplo disso é a onda de calor acentuado que assolou o país em setembro de 2023, e deixou nove estados em alerta vermelho, “de intensidade excepcional”, de acordo com a classificação do Instituto Nacional de Meteorologia (Inmet). Entre eles, Pará e Tocantins, Estados que são ocupados pelo bioma amazônico.

O desmatamento e a degradação da Amazônia e da Mata Atlântica também despertam a apreensão dos especialistas, com a destruição do habitat natural dos insetos. 

De acordo com a Fundação SOS Mata Atlântica, foi registrado um desflorestamento de 20.075 hectares (ha) no bioma entre outubro de 2021 e outubro de 2022 – o equivalente a mais de 20 mil campos de futebol. Na Amazônia, 1.057.300 ha foram destruídos em 2022, o equivalente a 3 mil campos, segundo levantamentos do Instituto do Homem e Meio Ambiente da Amazônia (Imazon).

Em meio a essas preocupações, Carlos Lamas, professor e curador da coleção de insetos de ordem Diptera do MZ-USP, reitera a fundamentalidade da realização de pesquisas e expedições que possibilitem a ampliação de conhecimentos sobre a biodiversidade brasileira. 

“O monitoramento dessas informações é uma atividade importante não apenas para conhecermos a diversidade de espécies, mas também para sabermos, por exemplo, o quanto o aquecimento global e as alterações ambientais estão interferindo na fauna no decorrer do tempo", afirma o pesquisador

"Ter esse material como testemunho depositado nas coleções científicas do museu possibilita a realização de estudos comparativos com outros períodos da história.”

O Museu de Zoologia da USP abriga uma coleção de 12 milhões de exemplares preservados, além de informações relacionadas à biologia evolutiva, paleontologia, ecologia e biologia molecular de milhares de espécies. Esses recursos desempenham um papel fundamental no processo de monitoramento ambiental.

Desafios

Shimabukuro aponta que as formações montanhosas detêm uma grande diversidade de insetos inexplorada pelos desafios de acessar e planejar expedições a tais localidades – principalmente aquelas com maior altitude e mais isoladas geograficamente. 

“O Pico da Neblina foi, com certeza, o lugar mais desafiador em que já fui, tanto em termos burocráticos, já que levamos quase um ano para conseguir todas as autorizações, quanto físicos”, conta a pesquisadora. 

A expedição ao pico também possibilitou a descrição de novas espécies e até o registro um novo gênero de inseto para o Brasil – que acreditava-se ser encontrado apenas na região Andina e na Patagônia.

“Foram descritas nesse meio tempo mais de 20 espécies novas encontradas neste tipo de ambiente. Esse número ainda é uma quantidade ínfima comparado ao que ainda pode ser documentado.”

Os resultados do estudo foram publicados no artigo Mountain passes are higher at low latitudes for madicolous insect communities of the Neotropical region, disponível na revista Diversity and Distributions.

> Mais informações: e-mail erika.msh@gmail.com, com Erika Shimabukuro; e-mail einicker@usp.br, com Carlos Lamas

Comentários

Post mais lidos nos últimos 7 dias

90 trechos da Bíblia que são exemplos de ódio e atrocidade

Escola Estadual Igreja Evangélica muda de nome e deixa de afrontar o Estado laico

Evangélico, chefão do tráfico no Rio manda fechar igrejas católicas

Malafaia divulga mensagem homofóbica em outdoors do Rio

Essência do totalitarismo é querer fazer o 'bem para todos'

Título original: Tentação totalitária por Luiz Felipe Pondé para Folha Você se considera uma pessoa totalitária? Claro que não, imagino. Você deve ser uma pessoa legal, somos todos. Às vezes, me emociono e choro diante de minhas boas intenções e me pergunto: como pode existir o mal no mundo? Fossem todos iguais a mim, o mundo seria tão bom... (risadas). Totalitários são aqueles skinheads que batem em negros, nordestinos e gays. Mas a verdade é que ser totalitário é mais complexo do que ser uma caricatura ridícula de nazista na periferia de São Paulo. A essência do totalitarismo não é apenas governos fortes no estilo do fascismo e comunismo clássicos do século 20. Chama minha atenção um dado essencial do totalitarismo, quase sempre esquecido, e que também era presente nos totalitarismos do século 20. Você, amante profundo do bem, sabe qual é? Calma, chegaremos lá. Você se lembra de um filme chamado "Um Homem Bom", com Viggo Mortensen, no qual ele é um cara

Ministro do STF critica a frase ‘Deus seja louvado’ do real

Marco Aurélio lembrou  que somente no  império  a religião era obrigatória  O ministro Marco Aurélio (foto), 65, do STF (Supremo Tribunal Federal), disse que não consegue conceber “que nas notas de moedas do real nós tenhamos ‘Deus seja louvado’”, porque isso fere a laicidade do Estado. Em uma entrevista ao UOL, lembrou que na argumentação de seu voto favorável à descriminalização do aborto de fetos anencéfalos, em abril, ressaltou que o Brasil não está mais no império, “quando a religião católica era obrigatória e o imperador era obrigado a observá-la”. “ Como outro exemplo de incompatibilidade com o Estado laico ele citou o crucifixo do plenário do STF. “Devíamos ter só o brasão da República.” Aurélio elogiou a decisão do Tribunal de Justiça gaúcho pela retirada do crucifixo de todas as suas dependências, o que demonstra, segundo ele, que o Rio Grande do Sul é um Estado que “está sempre à frente em questões políticas”. Celso de Mello, outro ministro do Supremo, já

Intel deixa de ajudar escoteiros que discriminam gays e ateus

Arcebispo afirma que vida dos descrentes não tem sentido

Para Battisti, o sentido da vida está no sobrenatural  O arcebispo Anuar Battisti (foto), 59, de Maringá (PR), escreveu um artigo onde aborda um tema recorrente por parte de religiosos, o de que não há sentido na vida dos descrentes em Deus. “Este ambiente de descrença, misturado com ateísmo, leva a pessoa a viver no deserto da vida sem gosto, sem rumo, vagando em busca de um sentido”, escreveu dom Battisti no artigo publicado no Diário.com. “A ausência de Deus cria na alma humana um vazio de sentidos que leva ao desespero, à negação de tudo o que diz respeito ao sobrenatural”, acrescentou. A americana Paula Kirby, consultora de organizações seculares, escreveu recentemente no Washington Post que quem precisa de Deus para que a sua vida tenha um significado é porque a sua família e amigos, em tese, não têm nenhum valor. O que, obviamente, é um absurdo. Ninguém precisa de Deus, por exemplo, para amar seus filhos. Kirby argumentou que é o cristianismo que tenta tirar todo

Médico acusado de abuso passa seu primeiro aniversário na prisão

Roger Abdelmassih (reprodução acima), médico acusado de violentar pelo menos 56 pacientes, completou hoje (3) 66 anos de idade na cela 101 do pavilhão 2 da Penitenciária de Tremembé (SP). Foi o seu primeiro aniversário no cárcere. Filho de libaneses, ele nasceu em 1943 em São João da Boa Vista, cidade paulista hoje com 84 mil habitantes que fica a 223 km da capital. Até ser preso preventivamente no dia 17 de agosto, o especialista em reprodução humana assistida tinha prestígio entre os ricos e famosos, como Roberto Carlos, Hebe Camargo, Pelé e Gugu, que compareciam a eventos promovidos por ele. Neste sábado, a companhia de Abdelmassih não é tão rica nem famosa e, agora como o próprio médico, não passaria em um teste de popularidade. Ele convive em sua cela com um acusado de tráfico de drogas, um ex-delegado, um ex-agente da Polícia Federal e um ex-investigador da Polícia Civil. Em 15 metros quadrados, os quatros dispõem de três beliches, um vaso sanitário, uma pia, um ch