Pular para o conteúdo principal

Avaliação global revela que 40% dos anfíbios estão ameaçados de extinção

A queda no volume de chuvas na Mata Atlântica está comprometendo a reprodução de rãs, de acordo com União Internacional para a Conservação da Natureza


MARIANA GARCIA
jornalista

Unicamp

O artigo “Ongoing declines for the world’s amphibians in the face of emerging threats” (em tradução livre, “Declínios contínuos dos anfíbios do mundo em face às ameaças emergentes”), publicado pela revista Nature, apresenta dados da segunda avaliação global sobre anfíbios, uma iniciativa coordenada pela União Internacional para a Conservação da Natureza (IUCN, na sigla em inglês) que reúne resultados de trabalhos desenvolvidos por mais de mil cientistas, entre 2004 e 2022. 

O professor do Instituto de Biologia (IB) da Unicamp, Luis Felipe Toledo está entre os autores do novo relatório.

O primeiro levantamento compreendeu o período de 1980 a 2004 (ano em que foi publicado). A avaliação global analisa os riscos de extinção de mais de 8 mil espécies de anfíbios do mundo todo (ou cerca de 94% do total da classe), dentre as quais 2.286 foram avaliadas pela primeira vez, e revela que 40,7% das espécies de anfíbios do mundo, ou duas a cada cinco, estão ameaçadas de extinção – ante 26,5% dos mamíferos, 21,4% dos répteis e 12,9% das aves. 

Um crescimento de 1,7% desde 2004. Quatro anfíbios, dois oriundos da Guatemala, um da Costa Rica e um da Austrália, foram considerados extintos. Outros 27 passaram a ser classificados como potencialmente extintos, elevando para mais de 160 o número de espécies que possivelmente desapareceram.

Extinção de anfíbios dos gêneros
Cophixalus e Brachycephalus vai
se refletir no controle de mosquitos

Jennifer Leudtke, membro do grupo de especialistas em anfíbios da IUCN que liderou o levantamento, ressalta que o relatório também traz boas notícias. 

“Desde 1980, 63 espécies estudadas foram resgatadas da extinção devido aos trabalhos de conservação. Isso prova que esforços nesse sentido funcionam e devem ser intensificados para mitigar e conter a diminuição no tamanho dessas populações.” 

Da primeira avaliação até 2022, houve uma melhora na classificação de 120 anfíbios na Lista Vermelha da IUCN – que relaciona os animais mais ameaçados do planeta.

Dentre as conclusões destacadas, o estudo aponta o crescente impacto das alterações climáticas decorrentes da ação humana, no mundo todo, entre as principais causas do declínio das populações e do desaparecimento de sapos, rãs, pererecas, salamandras, cecílias, cobras-cegas e tritões. 

No Brasil, o artigo alerta para a redução do sucesso reprodutivo de rãs de desenvolvimento direto (é o caso dos gêneros Cophixalus e Brachycephalus), devido à degradação e à diminuição do volume de chuvas na Mata Atlântica.

A maior incidência de eventos extremos, como secas, furacões e enchentes, segundo o artigo originado do estudo, provoca alterações em aspectos como temperatura e umidade dos habitats desses animais e compromete seu ciclo reprodutivo, sua capacidade de respiração (mais sensível a interferências externas por ser realizada também ou exclusivamente pela pele) e sua alimentação. 

Fundamentais para a manutenção do equilíbrio ecológico, os anfíbios atuam para o controle de mosquitos e insetos, compõem a dieta de aves, répteis e mamíferos e contribuem para a fixação de nutrientes.

Com informação da revista Nature. 

• Tubarão sob ameaça de extinção pode estar se recuperando no nordeste brasileiro

• Seca coloca em risco a abundância de peixes na Amazônia

• Aquecimento anormal agrava seca na Amazônia e mata cem botos em três dias

Comentários

Post mais lidos nos últimos 7 dias

90 trechos da Bíblia que são exemplos de ódio e atrocidade

Padre associa a tragédia das enchentes ao ateísmo de gaúchos. Vingança de Deus?

Veja 14 proibições das Testemunhas de Jeová a seus seguidores

Deputado estadual constrói capela em gabinete. Ele pode?

Ateu manda recado a padre preconceituoso de Nova Andradina: ame o próximo

No noticiário, casos de pastores pedófilos superam os de padres

Santuário de Aparecida inaugura mosaicos de padre suspeito de abuso sexual

Marcha para Jesus no Rio contou com verba de R$ 2,48 milhões

A prefeitura do Rio de Janeiro liberou R$ 2,48 milhões para a realização ontem (sábado, 19) da Marcha para Jesus, que reuniu cerca de 300 mil evangélicos de diferentes denominações. Foi a primeira vez que o evento no Rio contou com verba oficial e apoio institucional da Rede Globo. O dinheiro foi aprovado para a montagem de palco, sistema de som e decoração. O pastor Silas Malafaia, um dos responsáveis pela organização da marcha, disse que vai devolver R$ 410 mil porque o encontro teve também o apoio de sua igreja, a Assembleia de Deus Vitória em Cristo. “O povo de Deus é correto”, disse. “Quero ver a parada gay devolver algum dinheiro de evento.” Pela Constituição, que determina a laicidade do Estado, a prefeitura não pode conceder verba à atividade religiosa. Mas o prefeito Eduardo Paes (PMDB), que compareceu à abertura da marcha, disse que o seu papel é apoiar todos os eventos, como os evangélicos e católicos e a parada gay. A marcha começou às 14h e contou com sete trios

Mescla da política e religião intimida ateus no Brasil. E defendê-los e defender a razão