Pular para o conteúdo principal

Tubarão sob ameaça de extinção pode estar se recuperando no nordeste brasileiro

Pesquisadores contaram mais de 2.300 de tubarões-limão no Atol das Rocas, o dobro em relação aos indivíduos identificados em 2003


AGÊNCIA BORI

O número de indivíduos do tubarão-limão tem voltado a crescer no Atol das Rocas, Rio Grande do Norte, após declínio populacional reportado no início dos anos 2000. 

Uma equipe de pesquisadores realizou 462 contagens visuais ao longo de 45 dias e observou a abundância da espécie, o seu comportamento em diferentes estações e as condições de maré na região.

Os dados são do Instituto Oceanográfico (IO) e do Centro de Biologia Marinha (CEBIMar) da Universidade de São Paulo (USP) e da Universidade Federal Rural de Pernambuco (UFRPE) e estão publicados na edição de sexta (13) da revista Ocean and Coastal Research.

A observação da prevalência dos tubarões-limão na Baía Lama, uma Reserva Biológica localizada no Atol das Rocas, no Rio Grande do Norte, ocorreu durante duas expedições no inverno e no verão de 2015, em diferentes pontos das ilhas, horários e tipos de correntes marítimas. 

Mais de 2300 indivíduos da espécie foram avistados, o dobro do relatado em 2003, sugerindo que houve um crescimento significativo na presença dos tubarões-limão no local.

Segundo Ana Laura Tribst Corrêa, autora do estudo e atualmente pesquisadora de projeto vinculado ao CEBIMar-USP, esse aumento pode ter uma origem multifatorial. 

“Um dos motivos pode ter sido a proibição de um tipo específico de pesca, que consiste na remoção das nadadeiras do tubarão-limão e posterior devolução da carcaça do animal para o mar”, explica. 

O aumento também pode ter acontecido devido a uma flutuação natural no número de fêmeas em idade de reprodução ou como decorrência da diminuição de trabalhos de pesquisa com métodos invasivos, que assustavam os animais, comuns na região no começo dos anos 2000.

Tubarão-limão avistado
por pesquisadores durante
expedições no Atol das Rocas
FOTO: ANA LAURA CORRÊA

O estudo mostra a importância da adoção de métodos não-invasivos de pesquisa, aqueles que não causam incômodos ou perturbações aos animais e ao ambiente. 

Corrêa destaca que, além de serem mais baratas e simples, essas estratégias ajudam a proteger as espécies marinhas durante estudos sobre ecologia, comportamento e uso de habitat. 

“Pensando nas ameaças que os tubarões vêm sofrendo devido à sobrepesca, poluição e perda de habitat, é conveniente que escolhamos métodos não-invasivos e, principalmente, não letais, em especial para estudar esses grandes predadores”, conta a pesquisadora.

Junto às análises de prevalência da espécie, a investigação mostrou que, embora a quantidade total de indivíduos não tenha se mostrado muito diferente entre as estações do ano, o número de recém-nascidos observados foi maior no verão, período que coincide com a época de nascimento desses animais. 

Além disso, os tubarões-limão juvenis e recém-nascidos costumam seguir o fluxo da maré para fora da baía, mas podem permanecer por um tempo maior no local quando a maré está baixa, reafirmando o papel de berçário já atribuído por pesquisas anteriores ao Atol das Rocas.

Os dados coletados vão servir para que o status de conservação do tubarão-limão seja atualizado e para que novos planos de proteção sejam efetivos. 

Hoje, devido ao seu declínio nas últimas décadas, a espécie consta como vulnerável na Lista Vermelha de Espécies Ameaçadas da União Internacional Para Conservação da Natureza e dos Recursos Naturais (IUCN), que informa sobre a conservação de seres vivos no planeta. 

“Esses resultados nos dão a esperança de que a população desses animais esteja, possivelmente, aumentando, mas só poderemos afirmar, com certeza, com a continuidade da coleta de dados”, conclui Corrêa.

Com informação da revista Ocean and Coastal Research.

• Das 600 espécies de tubarão, só 10 registram incidentes fatais com humanos, diz pesquisadora

• Cientistas encontram resquícios do mar do Caribe no solo do interior da Amazônia

• Pesquisadores constatam que plástico em estuários ameaça peixes-bois-marinhos

Comentários

Post mais lidos nos últimos 7 dias

90 trechos da Bíblia que são exemplos de ódio e atrocidade

Padre associa a tragédia das enchentes ao ateísmo de gaúchos. Vingança de Deus?

Deputado estadual constrói capela em gabinete. Ele pode?

Veja 14 proibições das Testemunhas de Jeová a seus seguidores

Ateu manda recado a padre preconceituoso de Nova Andradina: ame o próximo

No noticiário, casos de pastores pedófilos superam os de padres

Santuário de Aparecida inaugura mosaicos de padre suspeito de abuso sexual

Marcha para Jesus no Rio contou com verba de R$ 2,48 milhões

A prefeitura do Rio de Janeiro liberou R$ 2,48 milhões para a realização ontem (sábado, 19) da Marcha para Jesus, que reuniu cerca de 300 mil evangélicos de diferentes denominações. Foi a primeira vez que o evento no Rio contou com verba oficial e apoio institucional da Rede Globo. O dinheiro foi aprovado para a montagem de palco, sistema de som e decoração. O pastor Silas Malafaia, um dos responsáveis pela organização da marcha, disse que vai devolver R$ 410 mil porque o encontro teve também o apoio de sua igreja, a Assembleia de Deus Vitória em Cristo. “O povo de Deus é correto”, disse. “Quero ver a parada gay devolver algum dinheiro de evento.” Pela Constituição, que determina a laicidade do Estado, a prefeitura não pode conceder verba à atividade religiosa. Mas o prefeito Eduardo Paes (PMDB), que compareceu à abertura da marcha, disse que o seu papel é apoiar todos os eventos, como os evangélicos e católicos e a parada gay. A marcha começou às 14h e contou com sete trios

Mescla da política e religião intimida ateus no Brasil. E defendê-los e defender a razão