Pular para o conteúdo principal

O desafio da terminologia da diversidade: como nomear idosos, negros, gays?

Professor de jornalismo da USP sugere que a definição da terminologia seja feita não pela imprensa, mas pelos próprios grupos sociais

CRISLEY SANTANA | Jornal da USP
jornalista

Desde a Constituinte de 1988, o Brasil passa por mudanças. O respeito às diversidades entre grupos tem se mostrado um dos maiores desafios entre elas. Para o professor Ricardo Alexino Ferreira, do Departamento de Jornalismo da Escola de Comunicações e Artes (ECA) da USP, em São Paulo, as terminologias têm se mostrado um dos grandes desafios dos comunicadores. Alexino produz o podcast Diversidade em Ciência, exibido pela Rádio USP e pelo Jornal da USP.

Permitir que os diferentes segmentos se definam é o que há de mais contemporâneo na mídia, segundo o professor. A mudança apresentada na imprensa nacional, por exemplo, está conectada às pressões dos grupos sociais que se mobilizam desde a redemocratização. Leia na entrevista abaixo.

Tem sido mais frequente vermos produções midiáticas demonstrando a diversidade brasileira. Na sua opinião, há um abraço midiático à diversidade? E se há, qual a complexidade desse abraço?

Está no agendamento a questão das diversidades. Esse fenômeno vem acontecendo com mais força desde 1988. Digo isso porque nós temos nesse ano o Centenário da Abolição da Escravatura no Brasil, então é um momento em que o Brasil está no processo de redemocratização.

Tinha acontecido o movimento Diretas Já e ao fim dele temos o primeiro presidente no processo de abertura democrática, mas eleito indiretamente. Ele morre, assume o José Sarney. Então, ao final de 1987, o movimento negro diz para o Sarney:

— Olha, 1988 é o Centenário da Abolição da Escravatura e não é um ano de comemoração, mas de reflexão.

Isso dá um tom de como seria a cobertura ou agendamento do Centenário da Abolição. Muitos fenômenos começaram a acontecer naquele momento.

Nós temos, então, os trabalhos da Constituinte. Carlos Alberto Caó de Oliveira, deputado federal do PDT (Partido Democrático Trabalhista) do Rio de Janeiro, propõe uma substituição da Lei Afonso Arinos por uma lei mais rígida: racismo como crime inafiançável e imprescritível perante a lei. Então começamos a ter todo um debate em cima disso.

Começa também a questão das terminologias. Como nomear uma pessoa negra? Antes não tinha essa preocupação. Como chamar essa pessoa? A imprensa começa a ter um desafio de como cobrir assuntos sobre pessoas negras. Qual é o termo a ser utilizado? Começa a ter destaque uma classe média negra, que começa a fazer entrar esse debate do racismo como sendo algo que existe no Brasil. Tem também a ONU (Organização das Nações Unidas) convocando os países ligados a ela para o combate do Apartheid na África do Sul, e a libertação de Nelson Mandela.

Começa também todo o movimento voltado, por exemplo, à Campanha da Fraternidade da Igreja Católica, que vai tratar a questão do racismo nas suas campanhas. O Carnaval também vai abordar isso. Então há toda uma sociedade que começa a se voltar para essa temática. 

Debate sobre o
tema na imprensa
começou na
década de 80

É interessante que, já em 1989, um outro grupo que era pouco apresentado dentro da imprensa começou a surgir: o grupo gay. Na época, chamado GLS — Gays, Lésbicas e Simpatizantes. Inclusive, a Folha de S. Paulo, através do jornalista André Fischer, começa a tratar do assunto. Você começa a ter um movimento que vai crescendo e puxando outros grupos também. Entra a questão de gênero, mulher, e vai numa evolução… A questão do idoso; de pessoas com deficiência.

A partir dos anos 1990, começa aquilo que é a base para o que estamos discutindo hoje como agendamento das diversidades, principalmente dentro da imprensa. Mas, pegando toda a mídia, essa questão começa a ser trazida também por telenovelas, para o cinema e na publicidade.

Esse agendamento, e não só no Brasil, porque praticamente muitos países começam a fazer esse debate, a questão das diversidades vai numa evolução do ponto de vista das teorias. Nós temos os estudos culturais de Stuart Hall, que começa também a ser mais bem compreendido. Ele trabalha sobre a questão operária na Inglaterra, e grupos que não eram muito citados, então vai tendo uma evolução que hoje se chama decolonialidade: ouvir as vozes que não eram ouvidas.

As vozes mais ouvidas eram vozes eurocentradas ou dos Estados Unidos. Países ricos. Mas hoje, por exemplo, dentro desse pensamento da decolonialidade, se eu quero falar sobre indígena, eu vou até lá e vou ouvir o que o indígena tem a dizer. Se eu quero falar sobre quilombolas, eu vou lá e ouço o que os quilombolas têm a dizer. Eu vou pegar a produção desses grupos, daquilo que eles já produziram. Isso é o que tem de mais contemporâneo hoje.

O movimento de 1988 até agora em relação à diversidade tem uma construção teórica muito presente dentro da Universidade. A diversidade está no agendamento político, no agendamento social, no agendamento cultural, no agendamento científico também. Hoje, dentro da Universidade, a decolonialidade é um paradigma muito importante. A diversidade não é só uma ação que fica à margem. Ela está na essência, e ao mesmo tempo em que temos a questão das diversidades, temos as antidiversidades. É uma reação. Vai ter um aumento do racismo, aumento da homofobia, da violência de gênero. Vai tendo um aumento ao contrário também.

Eu nem diria aumento, mas uma publicização da violência contra as diversidades. Talvez isso era legitimado, não se falar hoje é inadmissível. A questão da diversidade na contemporaneidade tem uma repercussão muito grande. Ela trouxe visibilidade para os grupos e também a denúncia dos casos de violência e o entendimento de que as pessoas que pertencem às diversidades não são apenas coisas. São pessoas cidadãs, que detêm direitos.

É um movimento muito interessante porque ele mexe com várias camadas da sociedade, com vários entendimentos. Ele vai mexer com vários setores sociais. É uma pedra jogada no meio do lago que vai tendo várias ondas até chegar às margens. A importância das diversidades é essa. Em 1988, eu dizia: neocidadão. Novos cidadãos, do século 20 e que tomam com muita força o século 21.

E o jornalismo? Será que o jornalismo tem abraçado a diversidade de maneira eficaz?

A formação do jornalista ainda precisaria ter mais ênfase na questão das diversidades. Se você pegar a própria USP, e isso se repete em outras universidades também, são poucas as matérias que trazem as diversidades como tema.

Ainda que seja um tema que está no agendamento e tem sido falado, os cursos de jornalismo não se empenham muito em trazer essas questões de forma transversal, passando por todas as disciplinas, desde as disciplinas de legislação às laboratoriais e teóricas. Por exemplo, tem muitos alunos que passam pelo curso vendo muito mal as teorias da comunicação. E nem veem as teorias que tratam das questões das diversidades, que são a base para abordar isso. Há estudantes que nunca tiveram estudos culturais, alunos que nunca estudaram sobre decolonialidade. Eles estão passando sem saber essa temática.

Está no agendamento, e eu diria que nem tanto pela intenção da imprensa, mas muito mais pelos movimentos sociais que pressionaram essa temática. Agora, a grande imprensa começa a correr atrás, colocando, inclusive, as periferias. Então nas periferias os movimentos sociais começam a falar:

— Olha, queremos falar sobre nossa própria realidade.

Então, o que esses movimentos fazem? Começam a contar a própria história. Eu utilizo o termo favela porque é como as pessoas querem. Antes eram chamadas de comunidades e muitas pessoas falaram:

— Não. Comunidade, não. Comunidade dá uma ideia de que tá tudo bem.

As pessoas moradoras desses espaços querem que esse espaço seja chamado de favela, mas que não se use o termo favelado, pois é lógico que é extremamente pejorativo. Então você começa a ver que dentro desses espaços periféricos, por exemplo, começa-se a desenvolver certos movimentos sociais ligados à comunicação utilizando o rádio, a internet.

'Politicamente correto
é a forma correta
de designar
as pessoas'

Eu diria que a melhor forma de se falar dessas questões seria com os grupos que pertencem às diversidades. Pegando, por exemplo, as questões das periferias: esses grupos estão criando veículos de comunicação que possam falar sobre essa realidade, assim como o segmento LGBTQIA+ e os outros segmentos vão criando informações, ou veículos próprios, utilizando a internet para falar das suas realidades. Isso é um ponto importante.

A grande imprensa foi fazendo isso porque ela percebeu que era uma demanda social, mas mesmo assim os jornalistas levaram muito tempo para entender que a sigla não é simplesmente uma junção de palavras. Ela implica uma percepção de mundo, uma mudança. Ela tem um teor político, social e cultural.

No entanto, se encontra jornalistas até hoje criticando o politicamente correto, sendo que o politicamente correto é extremamente importante para tentar resgatar a diversidade. Não tem como você falar de diversidade sem trazer o politicamente correto. Por exemplo, chamar uma pessoa com deficiência de “aleijada”. Quer dizer, até dói nos ouvidos, mas se formos lembrar, esse termo era amplamente utilizado há uns 30 anos. Hoje, “pessoa com deficiência” é o melhor termo porque essas pessoas querem ser reconhecidas assim. Politicamente correto é qual é a forma correta de eu designar pessoas, e implica ouvir aquilo que essas pessoas têm a dizer.

Um dos segmentos das diversidades que eu considero, em termos de terminologia, tratamento de compreensão, um dos mais difíceis, mais complexos, é o LGBTQIA+. É o segmento que tem uma variedade de palavrinhas ali que eu não sei como resolver, porque cada palavra daquela é uma identidade. E isso é positivo. Não são todos iguais. São identidades diferentes. Mas a sigla está ficando enorme, justamente por se compor de identidades complexas e totalmente diferentes entre si. Não é somente sobre pessoas que gostam do mesmo sexo. Você tem uma variedade muito grande dentro desse universo, então um dos grandes desafios hoje nas questões das diversidades e que a imprensa, o jornalista, ainda se depara e, muitas vezes, não sabe como trabalhar é o LGBTQIA+. No mais ele vai somando mais siglas. As terminologias são muitas.

Eu, por exemplo, quando vou escrever sobre o segmento LGBTQIA+, dou uma olhada se houve alguma mudança porque é muito líquida a questão das terminologias. É bastante complexa. Em relação ao negro, por exemplo, é outro termo que também vai mudando muito. Então, há uns 40 ou 30 anos, chamar uma pessoa preta de parda não era correto, mas hoje faz parte da terminologia.

Eu, por exemplo, não gosto do termo pardo porque acho ele impreciso. Quem participa de comissão de heteroidentificação, por exemplo… É uma questão bastante complexa porque a pessoa pode se dizer parda, então ela está dentro do universo negro. Existe uma complexidade nisso, pois é tudo muito líquido. Tudo vai mudando com muita rapidez e passa pela questão da terminologia. O jornalista, muitas vezes, está fazendo muito mais por intuição do que por conhecimento, porque justamente no espaço que ele teria para poder conhecer isso, não está sendo colocado.

Eu dei aulas na Unesp (Universidade Estadual Paulista Júlio de Mesquita Filho) durante muito tempo, dava aulas de jornalismo especializado, e fui um dos primeiros professores a inserir no curso, e também dentro do jornalismo científico, a questão da diversidade e das terminologias. Naquela época, estou pegando aí um ano de 1995, tinha muita reação ainda em relação a isso. Não era uma coisa tranquila. É até absurdo isso.

Eu me lembro que teve um congresso em Portugal de jornalistas em que eu levei essa questão do jornalismo na cobertura. Ainda se chamava de grupos minoritários. Eu estava apresentando sobre a questão gay, que ainda não tinha o tema LGBTQIA+ e ainda era muito utilizado GLS. Uma pessoa na plateia se levantou indignada e perguntou o que eu estava achando, em qual lugar eu estava. Isso foi em 1997. Foi como se eu estivesse falando uma imoralidade contra aquela plateia. Então imagina só, essa temática ainda estava longe do jornalismo e eu percebo que hoje ainda poucos professores abordam isso.

Dentro do curso de Jornalismo tem pouquíssimos professores abordando essas questões. São questões complexas. Não é só eu sentar e escrever sobre alguma coisa, por exemplo. Como jornalista, não é possível falar que isso não tem importância.

Um desafio que a gente está tendo hoje, por exemplo: eu chamo “idoso”, “terceira idade”, “melhor idade”? E aí os idosos já estão fazendo um movimento que eles querem ser chamados de “velhos”. É um termo que eu não gostaria de usar, mas se o segmento falar que quer ser chamado de “velho”, não será eu que vou falar “não, esse termo não serve”. Então há essa escuta do outro. É um desafio para o jornalista. 

Há matérias em que o jornalista está falando de pessoas que têm relação com outras do mesmo sexo e utiliza o termo “homossexualismo”, quando esse termo pertencia à era vitoriana, que designa doença, desvio. Mesmo o termo homossexualidade já está se tornando um termo obsoleto. Hoje já se fala em uma afetividade, mas homossexualidade ainda está dentro de um campo correto de designação, mas a gente está evoluindo para homoafetividade. Então tudo é muito dinâmico.

A questão das diversidades é transversal. Ela passa pela sociedade como um todo. Na minha tese de livre-docência eu até substituí o termo “minoritário”, por exemplo, que é tranquilo para as Ciências Sociais, pois fala de grupos com pouca expressão política e social. Mas quando é trazido para dentro da comunicação, as pessoas pensam: “minoritário porque tem poucos indivíduos”, e não. 

'Negros não
são minoria
no Brasil, mas
minorizados'

O Brasil é um país negro, e o negro seria um grupo minoritário para as ciências sociais, que não tem nada a ver com quantidade, pois é maioria. É considerado minoritário porque tem pouca representação social e política. Como mulheres. Trata-se de um grupo minoritário porque tem pouca representação social e política.

No meu doutorado, utilizei “grupos minorizados”, as pessoas entendiam porque eu expliquei que minoritário traz muita complicação; tinha que ficar colocando no rodapé que eu estava utilizando o princípio das ciências sociais, então falei, “preciso criar um termo que é mais direto”, então “minorizado”. Só que “minorizado” as pessoas entendiam que estavam à margem social e econômica, e nem sempre. 

Às vezes eu estava falando da classe média negra e esses grupos não estavam à margem econômica e social. Na livre-docência eu falei: “Olha, vou criar um termo que pelo menos vai dar conta, não preciso ficar explicando tanto. Então criou-se o termo “sociocêntrico”, que são aqueles grupos que independentemente do poder econômico que têm estão aí, à margem.

Outro termo que eu acabo criando dentro da livre-docência é “étnico-midialogia”, também um termo que eu precisava resolver algumas questões; eu não queria utilizar, por exemplo, etnia e comunicação, etnia e mídia. Não são duas coisas separadas. Já é um conceito. Como é que eu vou trazer os outros segmentos para dentro desse conceito? Então criei o termo “etnomidialogia”, porque ele envolvia trazer todos os outros segmentos da diversidade, mas reconheço que ainda é um termo que precisa se aprofundar.

Eu trago esse termo para disciplinas da pós-graduação, trago para a graduação, utilizo esse termo, por exemplo, em artigos e em tudo que escrevo, mas reconheço que ele precisa ser melhor amadurecido. Talvez ele mude. Então, não é uma coisa tranquila. Os termos são todos imprecisos.

Eu acho que a universidade precisa correr atrás para enfatizar isso dentro da graduação. Inclusive, apresentei para o Departamento de Jornalismo duas optativas nesse tipo de abordagem. Uma seria a divulgação científica com intercessão para a questão das diversidades, com foco em como cobrir esse grupo. A outra seria o livro-reportagem, que acabou saindo da grade de disciplinas, mas seria livro-reportagem com foco na cobertura de diversidades.

É uma forma de trazer isso para a formação do aluno de graduação em Jornalismo, né? Porque eu acho que na pós-graduação já está tendo uma evolução nesse sentido, as pesquisas estão evoluindo. É uma preocupação, por exemplo, da ONU, que criou 17 Objetivos Sustentáveis e um deles é a questão das diversidades. Isso está presente nas agências de fomento de pesquisa. É uma temática que está muito viva.

> Este artigo foi publicado originalmente com o título Todo termo pode ser impreciso quando se fala em diversidade, diz professor da USP.

• Homossexuais não vão para o céu, afirma cardeal mexicano

• Igreja se valeu de 'maldição' dos negros para lucrar com a escravidão

• Ateu sofre preconceito igual ao gay dos anos 50, afirma filósofo


Comentários

Post mais lidos nos últimos 7 dias

90 trechos da Bíblia que são exemplos de ódio e atrocidade

Nova espécie de ave descoberta na Caatinga tem origem em variações do São Francisco

BC muda cédulas do real, mas mantém 'Deus seja Louvado'

Louvação fere o Estado laico determinado pela Constituição  O Banco Central alterou as cédulas de R$ 10 e R$ 20, “limpou” o visual e acrescentou elementos de segurança, mas manteve a expressão inconstitucional “Deus seja Louvado”.  As novas cédulas, que fazem parte da segunda família do real, começaram a entrar em circulação no dia 23. Desde 2011, o Ministério Público Federal em São Paulo está pedindo ao Banco Central a retirada da frase das cédulas, porque ela é inconstitucional. A laicidade determinada pela Constituição de 1988 impede que o Estado abone qualquer tipo de mensagem religiosa. No governo, quanto à responsabilidade pela manutenção da frase, há um empurra-empurra. O Banco Central afirma que a questão é da alçada do CMN (Conselho Monetário Nacional), e este, composto por um colegiado, não se manifesta. Em junho deste ano, o ministro Marco Aurélio, do STF (Supremo Tribunal Federal), disse que a referência a Deus no dinheiro é inconcebível em um Estado moderno, cuja

AdSense desmonetiza página do texto 'Ateísmo significa libertação do medo do sobrenatural'

Pastores do Malafaia têm salário de até R$ 20 mil, casa e carro

Pastores mais habilidosos  estão sendo disputados  pelas igrejas Silas Malafaia, 53, informou que o salário dos pastores de sua igreja, a Assembleia de Deus Vitória em Cristo, vai de R$ 3.000, para iniciantes, a R$ 20.000, com benefícios que incluem casa mobiliada, escola para filhos e plano de saúde. Pastores com experiência têm direito a carro do ano. É a primeira vez que um líder religioso neopentecostal revelou o salário dos pastores. Na falta de maiores informações, os valores citados por Malafaia podem ser tomados como referência do mercado de salários dos pregadores da Bíblia. As perspectivas desses profissionais são as melhores possíveis, considerando que não precisam ter formação universitária. Um professor de ensino médio não ganha tanto, nem sequer um médico em início de carreira, por exemplo. “Mas é preciso saber ler a Bíblia, pregar, explicar”, disse Malafaia à jornalista Daniela Pinheiro, que escreveu para a revista Piauí de setembro reportagem sobre o pastor.

Em vídeo, Malafaia pede voto para Serra e critica Universal e Lula

Malafaia disse que Lula está fazendo papel de "cabo eleitoral ridículo" A seis dias das eleições, o pastor Silas Malafaia (foto), da Assembleia de Deus Vitória em Cristo, gravou um vídeo de 8 minutos [ver abaixo] pedindo votos para o candidato à prefeitura de São Paulo José Serra (PSDB) e criticou a Igreja Universal e o ex-presidente José Inácio Lula da Silva. Malafaia começou criticando o preconceito que, segundo ele, existe contra pastor que emite opinião sobre política, o mesmo não ocorrendo com outros cidadãos, como operários, sindicalistas, médicos e filósofos. O que não pode, afirmou, é a Igreja, como instituição, se posicionar politicamente. “A Igreja é de Jesus.” Ele falou que tinha de se manifestar agora porque quem for para o segundo turno, se José Serra ou se Fernando Haddad, é quase certeza que será eleito, porque Celso Russomanno está caindo nas pesquisas por causa do apoio que tem recebido da Igreja Universal. Afirmou que apoia Serra na expectativa de

Livro conta em 300 páginas histórias de papas das quais poucos sabem

Padre explica seu vídeo sobre mulher apanha porque quer

O padre cantor Fábio de Melo tem tentado nos últimos dias, nas redes sociais, rebater as acusações de que é machista.

Eleição de Haddad significará vitória contra religião, diz Chaui

Marilena Chaui criticou o apoio de Malafaia a Serra A seis dias das eleições do segundo turno, a filósofa e professora Marilena Chaui (foto), da USP, disse ontem (23) que a eleição em São Paulo do petista Fernando Haddad representará a vitória da “política contra a religião”. Na pesquisa mais recente do Datafolha sobre intenção de votos, divulgada no dia 19, Haddad estava com 49% contra 32% do tucano José Serra. Ao participar de um encontro de professores pró-Haddad, Chaui afirmou que o poder vem da política, e não da “escolha divina” de governantes. Ela criticou o apoio do pastor Silas Malafaia, da Assembleia de Deus do Rio, a Serra. Malafaia tem feito campanha para o tucano pelo fato de o Haddad, quando esteve no Ministério da Educação, foi o mentor do frustrado programa escolar de combate à homofobia, o chamado kit gay. Na campanha do primeiro turno, Haddad criticou a intromissão de pastores na política-partidária, mas agora ele tem procurado obter o apoio dos religi

A física moderna sugere que o tempo não avança, é apenas uma ilusão