Pular para o conteúdo principal

Vergonhoso: Mourão pressiona governo de Angola em defesa dos interesses da Universal

> PAULO LOPES
jornalista

De passagem por Angola, o vice-presidente da República, Hamilton Mourão (PRTB), se prestou ao papel de lobista da Igreja Universal. O general deveria poupar o seu currículo dessa vergonha.

O Brasil é país laico, pelo menos assim determina a Constituição, e uma autoridade governamental não deve (ou não deveria) se manifestar a favor ou contra uma religião, no país e muito menos no exterior.

Apesar disso, Mourão, entre outras coisas, segundo a agência Lusa, disse que o governo brasileiro está disposto a colaborar para haver consenso entre as "duas partes" da Universal em Angola.

Pastores angolanos dissidentes da Universal assumiram o controle da igreja naquele país, desligando-se do comando brasileiro, ao qual acusam de lavagem de dinheiro e discriminação, entre outras irregularidades. Cerca de 100 pastores brasileiros foram "convidados" a se retirarem do país.

Em missão quase impossível, o bispo Edir Macedo está tentando recuperar o controle da Igreja em Angola por intermédio da Justiça. Ele até conseguiu que o presidente Bolsonaro mandasse uma carta para o presidente angolano João Lourenço. Carta cujo teor foi colocado sob sigilo diplomático.

Mourão defendeu em entrevista naquele país a visita de uma delegação de parlamentares brasileiros à Angola, "para tentar chegar a um acordo e a um ponto em que se arrefeça as diferenças".

Mourão e parlamentares não devem se intrometer em assuntos internos de Angola, e muito menos para defender os interesses de um líder religioso.

A Universal afirma ser vítima de falsas acusações, e os bispos dissidentes garantem que têm provas das irregularidades. Milhões de dólares estão em jogo.

Só é aceitável a intromissão do Brasil nesse imbróglio na parte que lhe diz respeito: o envio ilegal de dinheiro para cá pela Universal, de acordo com as denúncias dos bispos que hoje estão no comando da Universal de Angola.

Mourão deveria se preocupar com essa suposta ilegalidade, em vez de agir por motivos que ofendem o Estado laico do Brasil e o de Angola.

Não se espera, evidentemente, que Mourão mexa um dedinho nesse sentido, tampouco o Congresso Nacional, mas o Ministério Público Federal deveria ao menos fingir preocupação, pedindo, por exemplo, o relato das acusações de entrada ilegal no país de dinheiro em malas de pastores da Universal.

> Com informação da Agência Lusa e de outras fontes.  

Bispo da Universal Honorilton Gonçalves tentou fugir de Angola, diz emissora


Comentários

  1. "Em missão quase impossível, o bispo Edir Macedo está tentando recuperar o controle da Igreja em Angola por intermédio da Justiça. Ele até conseguiu que o presidente Bolsonaro mandasse uma carta para o presidente angolano João Lourenço. Carta cujo teor foi colocado sob sigilo diplomático."
    Tal sigilo nada mais é do que meio de acobertar bandidagens DE Estado. Se o Estado vem com essas de "secreto" (nos variados graus que inventam), É porque algo errado ou ao menos duvidoso há. E havendo religião no meio, mais desconfiança ainda.

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Posts mais acessados na semana

90 trechos da Bíblia que são exemplos de ódio e atrocidade

Nacionalistas cristãos precisam ser combatidos porque confundem pátria com Reino de Deus

Constelação familiar é tóxica e pode causar danos irreparáveis, alerta psicólogo