Pular para o conteúdo principal

Causa de torturas e mortes, lei da blasfêmia cai em desuso, exceto em países muçulmanos

JAMES A. HAUGHTFFRF  

À medida que as tribos pré-históricas evoluíram para as primeiras civilizações, os xamãs tribais foram sucedidos por elaborados sacerdócios que afirmavam representar centenas de deuses mágicos.

O artesanato sacerdotal se tornou uma profissão complexa e ganhou enorme poder sobre as sociedades. 

Uma forma de garantir o alto status dos sacerdotes era infligir punições severas a qualquer um que questionasse suas conexões sobrenaturais. 

Assim nasceram as leis da blasfêmia.

Na Grécia antiga, alguns dos primeiros pensadores científicos foram acusados ​​de “impiedade” punível com a morte. A lista inclui Sócrates, Anaxágoras, Protágoras, Alcibíades, Andocides, Diagoras, Teofrastos, Pródico e até Aristóteles. 

Stilpo de Megara, acusado de dizer que Atenas “não era um deus”, brincou em seu julgamento que ela era uma deusa. Aspásia, brilhante amante do governante Péricles, foi acusada, mas Péricles venceu em prantos sua absolvição.

Nos tempos medievais, a Santa Inquisição torturou e queimou milhares por heresia e blasfêmia. Ter pensamentos não aprovados pode causar morte violenta.

A chegada do Iluminismo gradualmente apagou o poder da Igreja de matar pessoas. Mas as leis de blasfêmia ainda mandavam os não conformistas para a prisão. 

Por exemplo, uma lei de Massachusetts declarou: “Quem quer que blasfema deliberadamente o santo nome de Deus negando, amaldiçoando ou reprovando a Deus, Sua criação, governo ou julgamento final do mundo, ou por amaldiçoar ou reprovar contumazmente Jesus Cristo ou o Espírito Santo ... será punido com pena de prisão não superior a um ano. ”

A última pessoa presa sob esta lei foi Abner Kneeland, um ministro radical que perdeu sua fé nas escrituras divinamente reveladas e foi preso em 1838. Kneeland defendeu causas polêmicas como controle de natalidade, igualdade racial e direitos das mulheres.

Um impasse histórico — um impasse entre duas visões de mundo irreconciliáveis ​​— foi criado na década de 1790, quando os Estados Unidos adotaram a Declaração de Direitos garantindo as liberdades individuais. 

A Primeira Emenda garante liberdade de expressão, liberdade de imprensa e liberdade de religião. É o coração da democracia, permitindo que todos expressem qualquer opinião, incluindo críticas à religião. Está em conflito direto com as leis de blasfêmia que determinam punição para aqueles que duvidam do sobrenatural.

Mesmo depois que a Declaração de Direitos se tornou lei, alguns estados continuaram a proibir a crítica à religião. Em 1879, uma lei de Maryland afirmou: “Se qualquer pessoa, por escrito ou falando, blasfemar ou amaldiçoar a Deus, ou escrever ou proferir quaisquer palavras profanas de e a respeito de nosso Salvador, Jesus Cristo, ou de e a respeito da Trindade ... será preso não mais de seis meses. ”

Um caso famoso envolveu PT Barnum antes de ele se tornar um magnata do circo. Quando adolescente, ele fundou um jornal semanal em Connecticut, The Herald of Freedom, que denunciava as “leis azuis” calvinistas contra o trabalho do sábado. Seu ataque aos anciãos da igreja causou um processo por difamação que o colocou na prisão por dois meses. Após o lançamento, o showman em ascensão encenou um desfile de boas-vindas para si mesmo.

As leis da Inglaterra historicamente exigiam que todos os detentores de cargos fizessem um juramento religioso "sobre a verdadeira fé de um cristão". 

O livre-pensador Charles Bradlaugh, presidente da Sociedade Secular e editor de um jornal cético, foi eleito para o Parlamento em 1880, mas recusou-se a fazer esse juramento. Ele foi preso brevemente e expulso da Câmara dos Comuns, em seguida, ganhou as reeleições subsequentes e, finalmente, foi eleito em 1886. Anteriormente, ele e seus colegas seculares lutaram contra várias acusações de blasfêmia.

Hoje, muitas democracias ocidentais estão rejeitando as leis contra a blasfêmia — mas as terras muçulmanas ainda as aplicam com brutalidade.

O choque entre a liberdade de expressão e a acusação de blasfêmia não pode ser facilmente resolvido. Isso só vai acabar quando a religião enfraquecer tanto que poucos crentes permanecerão indignados com o questionamento. 

O espirituoso escritor britânico e apologista católico GK Chesterton escreveu em 1905: “A blasfêmia depende da fé e está desaparecendo com ela. Se alguém duvida disso, deixe-o sentar-se seriamente e tente ter pensamentos blasfemos sobre Thor. ”

Assim como Thor, a blasfêmia em breve ficará confinada aos quadrinhos.

Para evangélicos brasileiros,
a obra 'Jesus Cristo Deusa Shiva',
de Fernando Baril, é blasfêmia

> James A. Haught é jornalista e membro da FFRF (Freedom From Religion Foundation), organização sem fins lucrativos que se dedica à defesa da separação entre o Estado e a Igreja, em cujo site foi publicado originalmente esse texto.


Limitar casamento com crianças é 'blasfêmia', diz órgão islâmico

Comentários

Está caindo em desuso, mas aqui no Brasil está em tramitação na Câmara dos Deputados, o projeto de lei nº 1.276, de 2019 de autoria do deputado fernando rodolfo do pr-PE que tipifica a conduta de blasfemar contra divindades e afrontar a fé alheia e aumenta as penas e multas previstas no código penal. Como sempre, desde 2016, o Brasil indo na contramão do mundo civilizado e aliando-se ao que de pior a humanidade tem e teve.

Post mais lidos nos últimos 7 dias

90 trechos da Bíblia que são exemplos de ódio e atrocidade

Nova espécie de ave descoberta na Caatinga tem origem em variações do São Francisco

BC muda cédulas do real, mas mantém 'Deus seja Louvado'

Louvação fere o Estado laico determinado pela Constituição  O Banco Central alterou as cédulas de R$ 10 e R$ 20, “limpou” o visual e acrescentou elementos de segurança, mas manteve a expressão inconstitucional “Deus seja Louvado”.  As novas cédulas, que fazem parte da segunda família do real, começaram a entrar em circulação no dia 23. Desde 2011, o Ministério Público Federal em São Paulo está pedindo ao Banco Central a retirada da frase das cédulas, porque ela é inconstitucional. A laicidade determinada pela Constituição de 1988 impede que o Estado abone qualquer tipo de mensagem religiosa. No governo, quanto à responsabilidade pela manutenção da frase, há um empurra-empurra. O Banco Central afirma que a questão é da alçada do CMN (Conselho Monetário Nacional), e este, composto por um colegiado, não se manifesta. Em junho deste ano, o ministro Marco Aurélio, do STF (Supremo Tribunal Federal), disse que a referência a Deus no dinheiro é inconcebível em um Estado moderno, cuja

Responda cristão: Deus criou as estrelas antes ou depois da Terra?

Livro conta em 300 páginas histórias de papas das quais poucos sabem

A física moderna sugere que o tempo não avança, é apenas uma ilusão

Evangélicos quebram imagens de umbanda no Rio

por Denise Menchen , da Folha Quatro integrantes da igreja evangélica Nova Geração de Jesus Cristo foram presos, acusados de invadir ontem à noite um centro de umbanda no Catete, zona sul do Rio de Janeiro, e quebrar cerca de 30 imagens religiosas, prateleiras e um ventilador (foto). O caso foi registrado na 9ª DP (Catete). Segundo uma das dirigentes do Centro Espírita Cruz de Oxalá, a advogada Cristina Maria Costa Moreira, 45, cerca de 50 pessoas aguardavam em fila a abertura do atendimento ao público, às 19h, quando Alessandro Brás Cabral dos Santos, Afonso Henrique Alves Lobato, Raimundo Nonato e uma jovem identificada apenas como Dominique chegaram ao local. De acordo com Moreira, eles ofenderam os presentes e forçaram a entrada na casa. "Eles chegaram dizendo que queriam ver onde estava o demônio e foram direto para o terreiro", conta Celso Quadros, 52, outro dirigente do centro espírita. "Quebraram tudo, inclusive imagens que temos há 40 anos". A a

Ateus americanos recorrem à Justiça na 'guerra ao Natal'

Bento 16 associa união homossexual ao ateísmo

Papa passou a falar em "antropologia de fundo ateu" O papa Bento 16 (na caricatura) voltou, neste sábado (19), a criticar a união entre pessoas do mesmo sexo, e, desta vez, associou-a ao ateísmo. Ele disse que a teoria do gênero é “uma antropologia de fundo ateu”. Por essa teoria, a identidade sexual é uma construção da educação e meio ambiente, não sendo, portanto, determinada por diferenças genéticas. A referência do papa ao ateísmo soa forçada, porque muitos descrentes costumam afirmar que eles apenas não acreditam em divindades, não se podendo a priori se inferir nada mais deles além disso. Durante um encontro com católicos de diversos países, Bento 16 disse que os “cristãos devem dizer ‘não’ à teoria do gênero, e ‘sim’ à aliança entre homens e mulheres no casamento”. Afirmou que a Igreja defende a “dignidade e beleza do casamento” e não aceita “certas filosofias, como a do gênero, uma vez que a reciprocidade entre homens e mulheres é uma expressão da bel

Xuxa pede mobilização contra o 'monstro' Marco Feliciano

Pela primeira vez a apresentadora se envolve em uma polêmica A apresentadora da Rede Globo Xuxa (foto) afirmou em sua página no Facebook que o pastor e deputado Marco Feliciano (PSC-SP), o novo presidente da Comissão de Direitos Humanos e Minorias da Câmara, não é “um religioso, é um monstro”. Sem citar o nome de Feliciano, ela ficou indignada ao ler que “esse deputado disse que negros, aidéticos e homossexuais não têm alma”. “Vamos fazer alguma coisa! Em nome de Deus, ele não pode ter poder.” É a primeira vez que Xuxa pede mobilização de seus fãs em uma questão polêmica. Amiga do padre Marcelo Rossi, ela é católica praticante. No Facebook, em seu desabafo, escreveu sete vezes a palavra "Deus" e argumentou que todos sabem que ela respeita todas as religiões. A apresentadora também se mostrou abalada ao saber que Feliciano, durante uma pregação, pediu a senha do cartão bancário de um fiel. “O que é isso, meu povo?” “Essa pessoa não pode ser presidente da C