Pular para o conteúdo principal

Vídeo mostra que filho de Testemunhas de Jeová já discrimina colega da escola

Filho de Testemunhas de Jeová relata o que disse a colega de escola: você vai morrer

Vídeo de uma reunião das Testemunhas de Jeová demonstra que um menino já discrimina, na escola, quem é outra religião.

Em uma conversa com um ancião (pastor), o menino contou que falou para ao seu coleguinha Pedro Henrique que ele ia morrer por achar ser mentira que haverá um paraíso na Terra.

As Testemunhas de Jeová acreditam que o mundo vai acabar a qualquer momento e que só vão sobrevir e ter vida eterna os seguidores da verdadeira religião, a deles. A Terra se tornará um Paraíso governado por Jesus.

Os fiéis acharam graça do relato do garoto.

As imagens do vídeo estão desfocadas para não identificar as pessoas que estão no salão.


Com informação da rede social. 



China condena 18 Testemunhas de Jeová até a 6 anos de prisão







Comentários

Anônimo disse…
E eles ainda dão risada da alienação da criança, que raiva desse povo gado, por isso temos que lutar pra pararem com essa ideia absurda de respeitar religiões, quanto mais respeito vão dando pra essas igrejas, mais alienação é dada em troca.
Emerson Santos disse…
Já pensou que bando de malucos ... Rir qdo uma criança diz que o coleguinha vai morrer porque não segue a crença dos malucos... Cadê aquele religioso falador que entra aqui pra encher o saco dar sua opinião sobre isso ?
K disse…
As Testemunhas de Jeová acreditam que os bons vão ter vida eterna, mas os maus vão morrer para sempre.

Os ateus acreditam que todos vão morrer para sempre, independentemente de serem bons ou maus.

Os católicos e protestantes acreditam que os bons vão ter vida eterna, mas os maus vão arder para sempre no inferno.

Qual destes 3 grupos tem a esperança mais assustadora e traumática?
Anônimo disse…
Esse blog pega um caso isolado e aplica ao todo.

Posts + acessados hoje

Pastor de Manaus é acusado de ejacular ‘esperma de Deus’ em obreiras

90 trechos da Bíblia que são exemplos de ódio e atrocidade

Líder religiosa pagava quem trabalhava em sua empresa com promessas de salvação divina