Pular para o conteúdo principal

40% dos muçulmanos na França põem religião acima da liberdade de expressão

Do total dos muçulmanos da França, 40% colocam os dogmas de sua religião acima dos valores da República, como liberdade de expressão.

É o que informa uma pesquisa do instituto Ifop que foi encomendada pelo "Charlie Hebdo", que é o seminário satírico que sofreu em 2015 um atentado islâmico, com 17 mortes.

Entre os muçulmanos com menos de 25 anos, a maioria expressiva de 74% afirma que a religião se situa acima da liberdade de expressão. 

Deles, 69% acham que o seminário não deveria ter reimpresso os cartoons de Maomé que motivaram o ataque. Para 70% foi erro editorial e apenas 19% concordaram que as caricaturas contribuem para a democracia.

A opinião dos muçulmanos se choca com os valores democráticos da sociedade francesa.  Recentemente, o presidente Emmanuel Macron defendeu o "direito à blasfêmia".

Dos entrevistados pelo instituto, 59% aprovaram a decisão do seminário de republicar as charges em nome da liberdade de expressão.

A maioria (92%) dos franceses condenaram o ataques dos fanáticos religiosos. Em relação aos franceses muçulmanos, a reprovação foi de 82%. 

Capa da
primeira edição
após o ataque


Com informação do  Charlie Hebdo e de outras fontes.




Republicação de charges de Maomé marca 5 anos do atentado ao Charlie Hebdo 


Comentários

  1. Onde o islamismo domina, o povo geme.

    ResponderExcluir
  2. Quem não fala, pode correr.

    ResponderExcluir
  3. Não tem jeito ... Se deixar essa gente ter liberdade .. já era ...

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Posts mais acessados na semana

90 trechos da Bíblia que são exemplos de ódio e atrocidade

Governo de Angola suspende as transmissões da TV Record

Vídeo: Rasmussen afirma que o homem mais perigoso é aquele que não crê em Deus