Pular para o conteúdo principal

Pessoas não religiosas dos EUA não se revelam para evitar discriminação, diz estudo

Do total de pessoas não religiosas dos Estados Unidos, mais da metade (57,1%), afirma que a sua identidade “religiosa primária” é “ateu”.

Para não sofrerem discriminação, 44,3% delas escondem no trabalho a sua dissociação de credos. Em relação ao ambiente escolar, a taxa é de 42,8%.

Essas informações foram apuradas pelo estudo "Realidade verificada: como é ser não religioso na América”, feito pela American Aheists, que, para tanto, consultou 34.000 adultos não afiliados a nenhuma religião.

Dos participantes, 75% se identificaram “muitíssimo" com a designação de “não religioso” (79,6%), “ateu” (79,4%) e “secular” (75,1%).  Como fica demonstrado, cada participante assinalou mais de uma opção.


Outros se identificarem “fortemente” com a designação de “livre-pensador” (64,9%), “humanista” (64,5%) e “cético” (61,4%).

Apenas 6,9% se associaram à identidade primária de “agnóstico”.

A maioria foi criada em família cristã: protestantes (54,7%) ou católicas (29,9%).

Um em cada sete pessoas (14,3%) cresceu em ambiente não religioso.

A maioria defende a manutenção das escolas públicas secularizadas, é contra isenção tributária às igrejas e apoia o direito ao uso de contracepção e ao aborto.

O estudo apurou, também, que as pessoas não religiosas reclamam nas redes sociais (58,3%) e dentro de suas famílias (54,5%) das discriminações que sofrem principalmente na escola e no trabalho.

Do total, 21,7% das que trabalham relataram que passaram por constrangimento na empresa.

Os gays, afro-americanos, latinos e ex-muçulmanos informaram que são alvos de camadas adicionais de discriminação.

Do total dos latinos, por exemplo, 61,6% reclamaram de “experiências negativas” dentro de sua família. A taxa média para todas as pessoas não religiosas é 54,2%.


No momento da coleta de dados, 17,2% dos participantes estavam provavelmente deprimidos e 25,6% forneceram um ou mais indicadores de solidão e isolamento social. A pesquisa foi feita antes da pandemia do coronavírus.

A expectativa da American Aheists era obter a adesão de 10.000 pessoas, mas quando o formulário foi colocado disponível na internet houve a inscrição de 5.000 somente nas primeiras horas.

Muitas mandaram respostas com detalhes das discriminações que as atormentam.

Alison Gill, vice-presidente de assuntos jurídicos e políticos da associação, disse que o estudo mostrou que as pessoas não religiosas são invisíveis para a sociedade.

“Elas sentem a necessidade de contar suas histórias." 



Governador de Goiás veta lei que obrigava leitura da Bíblia nas escolas

Religião na escola estimula a intolerância, diz antropóloga

Ensino confessional enfraquece Estado laico, afirma Karnal

Aluna candomblecista será indenizada por ter de rezar, decide TJ-SP




Comentários

  1. E tudo isso porque o Cristianismo é a religião do amor ao próximo ...

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Posts mais acessados na semana

Dona Religião é casada com sr. Atraso e têm vários filhos

Bolsonaro fica irritado com aprovação da CoronaVac que vai salvar vidas

Aprovação da CoronaVac significa duro golpe no bolsonarismo

90 trechos da Bíblia que são exemplos de ódio e atrocidade

Bolsonaro compra a novela 'Os dez mandamentos' da Record para a TV Brasil