Aluna candomblecista será indenizada por ter de rezar, decide TJ-SP

Em 2016, uma estudante de 3º ano fundamental de uma escola pública estadual de Campinas (SP) teve de participar de oração coletiva e anotar trechos da Bíblia, embora ela não fosse cristã.

A direção da escola e a professora sabiam que a jovem seguia a religião do candomblé.

A mãe da estudante recorreu à Justiça por ter havido intolerância religiosa.

 Deus não deveria
 estar acima de tudo em
 escola de país laico

A jovem ficou psicologicamente abalada porque, quando se recusava a rezar, havia bulling na sala de aula.

Agora, por decisão unânime, o TJ-SP (Tribunal de Justiça de São Paulo) condenou o Governo do Estado a pagar uma indenização de R$ 8 mil por danos morais. Cabe recursos.

Em decisão proferida no dia 12 de fevereiro de 2019, a desembargadora Maria Laura Tavares, da 5ª Câmara de Direito Público, afirmou que a imposição do cristianismo na escola violou o direito de personalidade, principalmente em relação à “liberdade de pensamento, identidade pessoal e familiar”

“Agrava a situação, ainda, que a imposição de determinada vertente religiosa em aulas sem cunho religioso, ocorre em salas do ensino fundamental, com crianças entre 6 e 14 anos”, sentenciou a desembargadora.

“A escola pública não deve obrigar que as crianças permanecessem em ambientes religiosos com os quais não se identificam ou compactuam.”

Com informação do TJ-SP.



Aviso de novo post por e-mail

Religião na escola estimula a intolerância, diz antropóloga

Ensino religioso no Estado laico é excrescência, diz professor

Escola não é lugar de pregação religiosa, afirma professor


‘Carta da Laicidade’ entra em vigor em escolas da França


A responsabilidade dos comentários é de seus autores.

Comentários

EDITOR DESTE SITE



Paulo Lopes é jornalista profissional diplomado.
Trabalhou no jornal centenário abolicionista
Diário Popular, Folha de S.Paulo, revistas da
Editora Abril e em outras publicações.