Religião na escola estimula a intolerância, diz antropóloga


"Não precisamos de religião
para ensinar tolerância"

A decisão do Supremo Tribunal Federal de permitir o ensino religioso confessional nas escolas públicas tende a estimular a intolerância, afirmou a antropóloga Débora Diniz (foto).

Ela disse que a confessionalidade beneficia as religiões hegemônicas, as cristãs, em prejuízo das crenças que não terão representação nas escolas.

Para Diniz, agora, com o aval do Supremo, o espaço laico da escola pública pode ser usado para catequese.

“Não precisamos de religião para ensinar a tolerância”, disse a coautora do livro “Laicidade de ensino religioso no Brasil”.


“O que precisamos é de concepções de cidadania, e eu estou segura de que a escola laica é muito mais capaz de ensinar a tolerância do que uma escola de matriz religiosa.”

Diniz disse que a confessionalidade já existia em muitas escolas, mas agora os defensores do Estado laico terão mais dificuldade de contestá-la.

“Um dos maiores desafios do ensino religioso na escola é a sobreposição de um marco laico e de defesa intransigente da igualdade com o que se considera liberdade religiosa e suas práticas discriminatórias.”

A antropóloga reconhece a religião como uma “força legítima para decisões do bem comum”, mas “é preocupante” que seja “a porta de entrada para discussões sobre o ensino público”.





Ensino religioso no Estado laico é excrescência, diz professor

A responsabilidade dos comentários é de seus autores.


Comentários

Postagens mais visitadas

90 trechos da Bíblia que são exemplos de ódio e atrocidade

Artista gospel se recusa a cantar em casamento de amigo gay

Veja os 10 trechos mais cruéis da Bíblia

Trechos bíblicos cuja existência crente finge não saber

Carl Sagan escreve sobre um 'pálido ponto azul' nos cosmos, a Terra

Historiadora diz que Moisés não existiu. E sofre ameaças de morte