Pular para o conteúdo principal

Pastor, novo ministro da Justiça é forte candidato ao Supremo Tribuna Federal

O novo ministro da Justiça, André Luiz de Almeida Mendonça, 46, é forte candidato a ocupar a cadeira no Supremo de Celso de Mello, que vai se aposentar em setembro. É a vaga que o presidente Bolsonaro tinha prometido a Sergio Moro.

Mendonça é pastor presbiteriano de uma igreja em Brasília.

Como ministro da AGU (Advocacia Geral da União) se mostrou extremamente alinhado a Bolsonaro.


Conservador, ele é contra a legalização do aborto, mas é cauteloso ao falar sobre o movimento gay por igualdade de direitos.

É favorável à manutenção de símbolos católicos em repartições públicas, como no plenário do próprio STF, porque, para ele, se trata de uma herança cultural.

Defende, ainda, a manutenção da imunidade tributária das igrejas e afirma que o Estado laico tem sido respeitado no Brasil.

Também acha que chegou a hora de o Supremo ter um ministro evangélico, em consonância com o aumento da população brasileira dessa vertente do cristianismo. 

Trata-se de um duvidoso critério, porque só deveria ser alçado ao Supremo quem detém notório conhecimento de direito, independente de sua religião e de crer ou não em Deus.

ANDRÉ MENDONÇA É
FIEL DEFENSOR DE
BOLSONARO


Com informação do site Poder360 e de outras fontes e foto de divulgação.




Políticos adotam pregação de pastores, e Estado laico tende a desaparecer

Criacionista afronta o Estado laico ao autorizar grupo de orações na Capes

Governo Bolsonoro usa verba publicitária para pagar ‘dízimo’ às igrejas amigas

Fundamentalismo religioso de Bolsonaro é pior que o da Idade Média, diz Roberto Freire




Comentários

Anônimo disse…
Estado laico ou lacaio de religiosos? pois o Brasil não permite o aborto nem em casos de zika, onde a mulher dá a luz apenas para ver o bebê morrer ou viver por pouco tempo e agonizar até a morte.