Políticos adotam pregação de pastores, e Estado laico tende a desaparecer

[opinião]

Nos últimos anos, pela porta aberta por Lula, pastores se introduziram na política, acrescentando promessas de benefícios públicos na pregação ao seu rebanho.

Mais recentemente, os candidatos a cargos eletivos passaram buscar o apoio dessas lideranças evangélicas e agora os próprios políticos se comportam como pastores.

Houve uma confessionalização da política e o já frágil Estado laico brasileiro tende a desaparecer, embora inscrito na Constituição, se a sociedade e o Supremo Tribunal Federal não fizerem nada para impedir.

O mais expressivo exemplo de político que aderiu à pregação religiosa é o presidente Bolsonaro, que até agora, em seus pronunciamentos, faz mais referências a Deus do que às medidas governamentais.

Bolsonaro é um católico que teve a maioria dos votos dos evangélicos, que representam 30% da população brasileira e continuam em ascensão.

Politicamente, Bolsonaro é muito mais esperto do que dá a entender o seu discurso tosco, tanto que chegou ao Palácio do Planalto.

Ele se aproximou dos evangélicos quando decidiu candidatar-se, quatro antes de oficializar sua pretensão à presidência. O seu conservadorismo ajudou essa junção.

Batismo de
 Bolsonaro,
 que tem "Messias"
no nome

Em 2016, ele recebeu a bênção do Pastor Everaldo no rio Jordão, na Palestina, o que se revelou, como se sabe agora, uma jogada que se converteu em muitos votos.

A pesquisadora Christina Vital, docente na Universidade Federal Fluminense, alerta que a confessionalização da política vai setorizar cadar vez mais o atendimento das demandas sociais, privilegiando os religiosos mais conservadores, e já contamina as pautas públicas mais amplas que envolvem costumes.

Programa de combate à homofobia nas escolas passa a ser visto como incentivo à homossexualidade, por exemplo.

Vital avalia que a desfiguração da laicidade do Estado brasileiro afasta o Brasil até mesmo do modelo dos Estados Unidos, onde é permitida a representação da religião na esfera pública, mas a divisão entre Estado e Igreja é bem demarcada.

No Brasil, a linha dessa divisão está cada vez mais tênue, dando a impressão de que pode desaparecer com um sopro.



Aviso de novo post por e-mail

Bolsonaro logo vai descobrir que orações não resolverão os problemas do Brasil

O que pode ocorrer com ateus em um país em que 'Deus está acima de tudo'?

Bancada evangélica sobe de 71 congressistas para 91




Bolsonaro e assessores agem como fundamentalistas religiosos, diz Hatoum


A responsabilidade dos comentários é de seus autores.

Comentários

Postar um comentário

-------- Busca neste site