Pular para o conteúdo principal

Legionários de Cristo mantém o legado maldito do padre pedófilo Maciel

Estuprador, o mexicano
 padre Marcial Maciel teve
 a proteção de papas

por Jesús Bastante
para Religión Digital

A ordem celebra sua congregação geral entre novas acusações de vítimas dos Legionários de Cristo: a árvore de Maciel segue podre e não rebrota.

A “condenação” de Fernando Martínez, que apesar de deixar de ser padre poderá seguir vivendo como mais um na comunidade, esgota os sobreviventes.

Como sobrevive uma organização que permitiu que seu fundador abusasse de crianças que se tornaram abusadores e cujas vítimas também acabaram sendo vitimadores?

Mais de uma dúzia dos 66 participantes na congregação geral pertencem à velha guarda de Maciel.

Uma “herança maldita”. Assim definem os especialistas o presente e o futuro da Legião de Cristo, que esta semana celebra sua Congregação Geral, a primeira desde sua refundação em 2014, e justo depois de ter feito público o escandaloso relatório oficial, que demonstra como desde 1941, 175 menores de idade foram vítimas de abusos sexuais, cometidos por um total de 33 padres da congregação.


Uma árvore apodrecida desde a raiz do seu fundador, Marcial Maciel Degollado, que violou — que se sabe — mais de 60 menores, meninos e meninas, durante décadas. Destes, 11 tornaram-se abusadores. Abusadores que, também, abusaram de outros menores, em uma espiral de pedofilia e ocultamento que se prolongou durante oito décadas.

Como sobrevive uma organização que permitiu seu fundador abusar de crianças que se tornaram vitimadores de outros menores que também abusaram de outros? Como ressuscitar a uma cadeia de poder escuro, benzido pelas altas esferas eclesiásticas de distintos países e do mesmíssimo Vaticano? Pode superar uma congregação como está o desgarro de ver como seu criador, a ponto de ser canonizado, foi condenado ao inferno pelo mesmíssimo Bento XVI?

Encobrimentos e negligência... no passado?

Os próprios legionários informavam como “alguns dos assuntos principais sobre a mesa são a missão apostólica da Congregação e sua relação com as demais vocações do Regnum Christi, a formação dos seminaristas, o caminho para avançar na atenção às vítimas de abusos sexuais, os possíveis encobrimentos, negligências ou omissões em relação com os mesmos no passado, a vivência da pobreza na Congregação, a vida comunitária, a pastoral vocacional e a disciplina religiosa em geral”.

Pode a Legião avançar “nos possíveis encobrimentos, negligências ou omissões com os mesmos no passado” quando algumas das vítimas seguem denunciando abusos, em alguns casos recentes, resolvidos com a mesma resposta de silêncio ou tratamento "desigual"? O caso de Fernando Martínez, condenado por abusos — primeiro foi uma das vítimas de Maciel — e despojado da ordem sacerdotal, porém que continua vivendo como um membro mais da Legião em suas casas, é paradigmático.

Sobreviventes do depredador

Como também escândalos de abusos em colégios de elite da ordem seu país natal, México. Ex-sacerdotes da Legião dizem que o caso é um golpe devastador do que advertiram durante muito tempo, já que perder credibilidade frente aos mexicanos endinheirados privaria a ordem de sua base chave.

A respeito disso, Aaron Smith, porta-voz da ordem, alegou que a cúpula da Legião sim mudou na última década, apontando que 11 padres participam no Capítulo Geral deste ano pela primeira vez e que a maioria dos 66 participantes entraram na assembleia depois que começou a reforma do Vaticano.

No entanto, restam mais de uma dúzia que pertence à velha guarda de Maciel. É possível construir um futuro assim? As vítimas estão convencidas de que não. A Legião poderá sobreviver a sua própria sombra?

Com tradução de Wagner Fernandes de Azevedo para IHU Online.





Pedófilo, ladrão e drogado. Esse foi o criador da Legionários de Cristo

Gonzalez fala do abuso que sofreu do padre Maciel, seu pai

Karol Wojtyla sempre soube da devassidão do padre Marcial Maciel

Maciel dizia a seminaristas ter permissão papal para sodomizá-los

Padre da Legionários aparece em fotos com mulher e filha

Legionários de Cristo mantêm veneração ao padre devasso

Casa-se a milionária filha do criador da Legionários de Cristo

Padre se protegia de acusações de pedofilia subornando até o papa

'Diabo de batina' tinha plano de ser sepultado em Roma

Pervertido se passou por santo com as bençãos do Vaticano

'Distinção que Vaticano deu ao Legionários é um escândalo'

‘Líder da Legionários de Cristo foi cúmplice da devassidão de Maciel’

Destino do dinheiro da Legionários de Cristo continua um mistério

Padre diz que a Igreja ainda não entendeu a seriedade dos abusos sexuais




Comentários

Post mais lidos nos últimos 7 dias

90 trechos da Bíblia que são exemplos de ódio e atrocidade

Deputado estadual constrói capela em gabinete. Ele pode?

Ateu manda recado a padre preconceituoso de Nova Andradina: ame o próximo

Mescla da política e religião intimida ateus no Brasil. E defendê-los e defender a razão

Veja 14 proibições das Testemunhas de Jeová a seus seguidores

Como as memórias são armazenadas em nosso cérebro?

No noticiário, casos de pastores pedófilos superam os de padres

Fé de pais TJs não supera direito à vida de um bebê, decide juíza

Só metade dos americanos que dizem 'não acredito em Deus' seleciona 'ateu' em pesquisa

Marcha para Jesus no Rio contou com verba de R$ 2,48 milhões

A prefeitura do Rio de Janeiro liberou R$ 2,48 milhões para a realização ontem (sábado, 19) da Marcha para Jesus, que reuniu cerca de 300 mil evangélicos de diferentes denominações. Foi a primeira vez que o evento no Rio contou com verba oficial e apoio institucional da Rede Globo. O dinheiro foi aprovado para a montagem de palco, sistema de som e decoração. O pastor Silas Malafaia, um dos responsáveis pela organização da marcha, disse que vai devolver R$ 410 mil porque o encontro teve também o apoio de sua igreja, a Assembleia de Deus Vitória em Cristo. “O povo de Deus é correto”, disse. “Quero ver a parada gay devolver algum dinheiro de evento.” Pela Constituição, que determina a laicidade do Estado, a prefeitura não pode conceder verba à atividade religiosa. Mas o prefeito Eduardo Paes (PMDB), que compareceu à abertura da marcha, disse que o seu papel é apoiar todos os eventos, como os evangélicos e católicos e a parada gay. A marcha começou às 14h e contou com sete trios