Museu de Zoologia da UEL tem 90 novas espécies de peixes catalogadas

Birindelli afirma que a
 América do Sul tem a maior
diversidade de peixes do mundo

da Agência UEL

O MZUEL (Museu de Zoologia da UEL), ligado ao Departamento de Biologia Animal e Vegetal, do CCB (Centro de Ciências Biológicas), identificou e catalogou nos últimos 18 anos 90 novas espécies de peixes por pesquisadores da UEL (Universidade Estadual de Londrina), em estudos conduzidos pelos professores Oscar Akio Shibatta, José Luís Birindelli (foto) e Fernando Jerep.

Birindelli conta que nos últimos 20 anos o número de pesquisas tem aumentado e, consequentemente, cresceu também a descrição de novas espécies de peixes no mundo, principalmente no Brasil. 

A média é de 100 novas espécies catalogadas por ano nas Américas do Sul e Central. Atualmente, 6.255 espécies são conhecidas para a região como um todo. 

A expectativa é que existam cerca de três mil espécies não identificadas, e o número deve chegar ao total de 9.100 nos próximos anos.

O professor lembra que as primeiras espécies identificadas na região foram descritas por pesquisadores europeus. 

Depois da década de 1970, devido ao incentivo em pesquisas locais, mais pesquisadores nativos se interessaram pelo estudo da diversidade de espécies nos locais. 

"Na América do Sul temos a maior diversidade de peixes do mundo, sendo as espécies principalmente de água doce. É uma diversidade maior do que a encontrada na barreira de corais na Austrália, onde há diversidade de peixes marinhos", diz Birindelli.

O museu da UEL abriga
 a sexta maior coleção
 de peixes do Brasil

Não é preciso ir muito longe para descobrir uma nova espécie. O professor conta que no Rio Tibagi e rios afluentes, e também no Parque Daisaku Ikeda, em Londrina, novas espécies foram descobertas. É o caso de um lambari, que ainda não tem nome científico, e é diferente de todas as outras espécies de lambari do continente. 

"Se aqui perto é assim, imaginem na gigantesca Amazônia! Lá, temos muito mais espécies para descobrir", afirma.

Para Birindelli, descobrir espécies, dar nomes e identificar os locais em que elas estão é de extrema importância para a sociedade porque é assim que se conhece a biodiversidade do planeta. 

"O mundo todo tem interesse na nossa fauna. E a gente trabalha descobrindo essa fauna. Este é o primeiro passo para qualquer outro estudo sobre aquele animal, seja conservação, genética ou bioquímica", afirma o pesquisador. 

O Museu de Zoologia abriga a sexta maior coleção de peixes do Brasil, com cerca de 20.000 lotes catalogados de espécies de várias partes do país, como a região norte e, principalmente, o estado do Paraná. O acervo também tem lotes emprestados de instituições e museus nacionais e internacionais.

Com fotos da Agência UEL.



Biólogo americano explica em vídeo por que todos somos peixes

Nome de novo gênero de peixes homenageia militante ateu

Saiba por que Darwin cita 17 vezes o alemão que se fixou em Santa Catarina

Organização inclui mais 7 mil espécies na lista de extinção




Comentários

EDITOR DESTE SITE

Paulo Lopes é jornalista profissional diplomado. Trabalhou no jornal centenário abolicionista Diário Popular, Folha de S.Paulo, revistas da Editora Abril e em outras publicações. WhatsApp de contato.