Presidente do STF elogia igrejas evangélicas por compensarem ausência do Estado

da Agência Brasil

Em encontro com pastores, no Rio, o presidente do Supremo Tribunal Federal (STF), Dias Toffoli, disse hoje (11 de abril de 2019) que o trabalho que os evangélicos têm feito no país merece ser reconhecido. Segundo ele, os líderes religiosos chegam onde o Estado não está.

"Após momentos tão difíceis nos últimos quatro, cinco anos, com crise econômica agudíssima, com decréscimo do PIB, afetando principalmente as periferias, lá onde até o Estado não está muitas vezes, está uma igreja evangélica", disse.

Durante almoço, Toffoli
 também foi elogiado
 por líderes evangélicos

Toffoli acrescentou que diante de "uma usina de solução de conflitos na base" surge a atuação da Igreja. "As senhoras e senhores atuam naqueles lugares que seguram muitas vezes a possibilidade do desespero humano chegar a sua última consequência."
Solidariedade

Toffoli fez discurso durante almoço com líderes evangélicos, no qual estavam o presidente Jair Bolsonaro, o presidente do Senado, Davi Alcolumbre (DEM-AP), e do governador do Rio de Janeiro, Wilson Witzel. O evento foi organizado em hotel da zona oeste do Rio pelo Conselho Interdenominacional de Ministros Evangélicos do Brasil (Cimeb).
Apoio

O pastor Silas Malafaia, ligado à Assembleia de Deus, justificou o voto dos evangélicos em Bolsonaro. Segundo ele, o voto não foi "exclusivamente por causa da agenda moral".

"Votamos em Bolsonaro porque ele tem vida limpa, pela questão da segurança, da corrupção, pela questão de um novo país, pela questão do desemprego", enumerou o pastor, que afirmou que há uma visão de que os evangélicos são alienados. "Estamos inseridos no contexto das necessidades e desejos desse país grande."

Malafaia elogiou o presidente do STF e também o presidente do Senado e analisou os primeiros cem dias do presidente Jair Bolsonaro: "Um pepino de 14 anos é em 100 dias que vai resolver? Vamos ter paciência".




Prefeito de cidade de Tocantins doa prédio público a igreja evangélica

Embora mais pobres, fiéis da Igreja Universal pagam o maior dízimo

Para famílias de baixa renda, dízimo é despesa prioritária

Pagar dízimo é mais importante que ter comida, diz mórmon

Evangélicos quebram hegemonia dos católicos nas decisões do Estado



Receba por e-mail aviso de novo post

Comentários

-------- Busca neste site --------