Para famílias de baixa renda, dízimo é despesa prioritária


Dinheiro da
 Bolsa Família
 vai para igrejas

As famílias de baixa renda consideram o dízimo e a oferta à Igreja como despesas prioritárias e se esforçam para não deixar de pagá-los, mesmo não havendo, nesse caso, o risco de serem incluídas em listas negras.

Foi o que descobriu uma pesquisa da AEF (Associação de Educação Financeira do Brasil) feita sobre o comportamento dessas famílias.

"A religião é a válvula de escape para muitos e o dízimo talvez seja o compromisso financeiro mais importante de algumas famílias", disse Cláudia Forte, superintendente da AEF.


A AEF resolveu colocar o dízimo no orçamento doméstico ao verificar que, para essas famílias, trata-se de um gasto muito importante.

Os dados da pesquisa começaram a ser levantados em 2013, abrangendo 49 municípios em 16 Estados e o Distrito Federal.

43,5 milhões de brasileiros foram divididos em dois grupos:

1º) Mulheres e homens aposentados com renda de até dois salários mínimos.

2º) Mulheres beneficiárias do programa Bolsa Família.

Uma análise mais apurada da pesquisa poderia revelar, por exemplo, em que medida as igrejas são beneficiadas indiretamente pela Bolsa Família.

Com informação AEF.


Embora mais pobres, fiéis da Igreja Universal pagam o maior dízimo

Deputado evangélico tem projeto para que dízimo seja descontado do salário

Kaká sai da Renascer após pagar dízimo de R$ 2,4 mi só em 2009




Pagar dízimo é mais importante que ter comida, diz mórmon

A responsabilidade dos comentários é de seus autores.

Comentários

Busca neste site