Pular para o conteúdo principal

Afirmar que 'Se Deus não existe, tudo é permitido' é grande tolice

Há leis humanas que punem comportamentos criminosos, portanto não dependendo da suposta moralidade pregada por religiosos

WALTER FILHO
promotor de Justiça

Sempre escuto em debates o seguinte: “Se Deus não existe, tudo é permitido”. Com essa expressão, os intolerantes religiosos justificam a obrigatoriedade da crença em um ser superior, ou seja, é preciso acreditar em um deus para se conduzir na trilha do bem. 

Não é bem assim que as coisas funcionam. Existem leis humanas que vedam determinados comportamentos com punição para quem violar as regras — crimes são tipificados.

Os costumes, as tradições, o bom senso, a piedade natural e tantos outros apegos nos impedem da prática de atos contrários ao bem-estar coletivo. Na contramão desses atributos, os radicais religiosos praticam atos sanguinários como imposição da fé propagada pelo grupo.

Se você não pensa igual a eles, é visto como inimigo – a liberdade de escolha é algo satânico e o liberto deve morrer. Na verdade, os depravados tentam esconder seus verdadeiros e inconfessáveis deleites sob o manto das ações criminosas.

Líderes religiosos
fazem previsões
alarmistas para
um mundo sem Deus

Ao olharmos para países de maioria ateísta, percebemos a tolice da frase inicial. Temos como exemplo Noruega e Dinamarca, onde as taxas de crimes são insignificantes, além de serem nações altamente desenvolvidas e destacadas no relatório da ONU que aponta o Índice de Desenvolvimento Humano (IDH) pelo mundo. 

Os serviços de saneamento ambiental atendem todas as residências da Dinamarca — 80% de seus habitantes são ateus. Dois anos atrás, a Noruega estava no topo do ranking como nação mais desenvolvida do planeta, tendo 72% de ateístas.

Os religiosos intransigentes querem punição para estes povos e para quem não acreditar em Deus. São criaturas que instauram em suas consciências a monarquia absoluta. A paixão avassaladora gera nestes indivíduos o fanatismo, um pesadelo que atormenta todos nós.

Podemos não amar as pessoas, mas somos obrigados a respeitá-las; assim, teríamos um mundo melhor para vivermos. Enquanto a humanidade não tiver uma visão sarada da divindade, o mundo vai continuar chorando os morticínios — é o perigo da vitória dos doentes.

> Esse texto foi publicado originalmente no "O Povo Online".

Ateísmo é a liberdade de se opor às ideias mais sagradas

Ateísmo é a evolução lógica da religião, diz Richard Dawkins

Comentários

Esta "afirmação" é oriunda do livro Os Irmãos Karamazov de Dostoyevski que era Esquizofrênico e Russo. É odiado pela maioria dos Ateus.
Paulo Lopes disse…
Odiado pela maioria dos ateus? Discordo. Dostoiévski é um dos maiores escritores da literatura mundial. Quem disse a frase foi um personagem do escritor, e não Dostoiévski. Isso pode fazer grande diferença.

Post mais lidos nos últimos 7 dias

90 trechos da Bíblia que são exemplos de ódio e atrocidade

Nova espécie de ave descoberta na Caatinga tem origem em variações do São Francisco

AdSense desmonetiza página do texto 'Ateísmo significa libertação do medo do sobrenatural'

Padre explica seu vídeo sobre mulher apanha porque quer

O padre cantor Fábio de Melo tem tentado nos últimos dias, nas redes sociais, rebater as acusações de que é machista.

Pastores do Malafaia têm salário de até R$ 20 mil, casa e carro

Pastores mais habilidosos  estão sendo disputados  pelas igrejas Silas Malafaia, 53, informou que o salário dos pastores de sua igreja, a Assembleia de Deus Vitória em Cristo, vai de R$ 3.000, para iniciantes, a R$ 20.000, com benefícios que incluem casa mobiliada, escola para filhos e plano de saúde. Pastores com experiência têm direito a carro do ano. É a primeira vez que um líder religioso neopentecostal revelou o salário dos pastores. Na falta de maiores informações, os valores citados por Malafaia podem ser tomados como referência do mercado de salários dos pregadores da Bíblia. As perspectivas desses profissionais são as melhores possíveis, considerando que não precisam ter formação universitária. Um professor de ensino médio não ganha tanto, nem sequer um médico em início de carreira, por exemplo. “Mas é preciso saber ler a Bíblia, pregar, explicar”, disse Malafaia à jornalista Daniela Pinheiro, que escreveu para a revista Piauí de setembro reportagem sobre o pastor.

Em vídeo, Malafaia pede voto para Serra e critica Universal e Lula

Malafaia disse que Lula está fazendo papel de "cabo eleitoral ridículo" A seis dias das eleições, o pastor Silas Malafaia (foto), da Assembleia de Deus Vitória em Cristo, gravou um vídeo de 8 minutos [ver abaixo] pedindo votos para o candidato à prefeitura de São Paulo José Serra (PSDB) e criticou a Igreja Universal e o ex-presidente José Inácio Lula da Silva. Malafaia começou criticando o preconceito que, segundo ele, existe contra pastor que emite opinião sobre política, o mesmo não ocorrendo com outros cidadãos, como operários, sindicalistas, médicos e filósofos. O que não pode, afirmou, é a Igreja, como instituição, se posicionar politicamente. “A Igreja é de Jesus.” Ele falou que tinha de se manifestar agora porque quem for para o segundo turno, se José Serra ou se Fernando Haddad, é quase certeza que será eleito, porque Celso Russomanno está caindo nas pesquisas por causa do apoio que tem recebido da Igreja Universal. Afirmou que apoia Serra na expectativa de

Livro conta em 300 páginas histórias de papas das quais poucos sabem

Eleição de Haddad significará vitória contra religião, diz Chaui

Marilena Chaui criticou o apoio de Malafaia a Serra A seis dias das eleições do segundo turno, a filósofa e professora Marilena Chaui (foto), da USP, disse ontem (23) que a eleição em São Paulo do petista Fernando Haddad representará a vitória da “política contra a religião”. Na pesquisa mais recente do Datafolha sobre intenção de votos, divulgada no dia 19, Haddad estava com 49% contra 32% do tucano José Serra. Ao participar de um encontro de professores pró-Haddad, Chaui afirmou que o poder vem da política, e não da “escolha divina” de governantes. Ela criticou o apoio do pastor Silas Malafaia, da Assembleia de Deus do Rio, a Serra. Malafaia tem feito campanha para o tucano pelo fato de o Haddad, quando esteve no Ministério da Educação, foi o mentor do frustrado programa escolar de combate à homofobia, o chamado kit gay. Na campanha do primeiro turno, Haddad criticou a intromissão de pastores na política-partidária, mas agora ele tem procurado obter o apoio dos religi

Drauzio Varella afirma por que ateus despertam a ira de religiosos

Malafaia diz que vai ‘arrebentar’ candidatura do petista

Malafaia afirmou que não vai dar moleza para o candidato do PT O pastor Silas Malafaia (foto), da Assembleia de Deus Vitória em Cristo, do Rio, afirmou que vai se envolver na campanha do segundo turno das eleições municipais de São Paulo com o propósito de “arrebentar” a candidatura do petista Fernando Haddad por ter sido o mentor do chamado “kit gay” quando foi titular do Ministério da Educação. "Haddad já está marcado pelos evangélicos como o candidato do 'kit gay'”, disse. “Não vamos dar moleza para ele." Ao final do primeiro turno, quando Haddad começou a subir nas pesquisas de intenção de votos, o pastor gravou um vídeo manifestando apoio ao tucano José Serra. Nos próximos dias, Malafaia divulgará outro vídeo com ataques direitos ao petista. No Twitter, ele pede voto para “Serra 45” contra “Haddad, autor do kit gay”. O pastor teve encontro ontem em São Paulo com Serra, que agradeceu o apoio. Também participou do encontro o pastor Jabes de Alencar