Pular para o conteúdo principal

Ateísmo faz parte há milênios de tradições asiáticas

Textos antigos não consideram a possibilidade da existência de um ou deuses que teriam criado tudo

SIGNE COHEN
professora de estudos religiosos da Universidade de Missouri-Columbia, EUA

O ateísmo — a falta de crença em um deus ou deuses pessoais — pode parecer a muitos um conceito totalmente moderno, porque afinal há a impressão de que as tradições religiosas dominaram o mundo desde o início da história registrada.

Como estudiosa das religiões asiáticas, no entanto, muitas vezes fico impressionada com a prevalência do ateísmo e do agnosticismo — a visão de que é impossível saber se um deus existe — em textos asiáticos antigos. As tradições ateístas desempenham um papel significativo nas culturas asiáticas por milênios.

Ateísmo no budismo, jainismo


Embora o budismo seja uma tradição focada na libertação espiritual, não é uma religião teísta. O próprio Buda rejeitou a ideia de um deus criador. E filósofos budistas argumentam que a crença em um deus eterno nada mais é do que uma distração para os humanos que buscam a iluminação.

Embora o budismo não argumente que os deuses não existem, os deuses são vistos como completamente irrelevantes para aqueles que buscam a iluminação.

Uma forma semelhante de ateísmo funcional também pode ser encontrada na antiga religião asiática do jainismo, uma tradição que enfatiza a não violência contra todos os seres vivos, o desapego às posses mundanas e a prática ascética. Enquanto os jainistas acreditam em uma alma eterna ou jiva, que pode renascer, eles não acreditam em um criador divino.

Conforme o jainismo, o universo é eterno e, embora os deuses possam existir, eles também devem renascer, assim como os humanos. 

Para os budistas,
os deus não têm
nenhuma importância

Os deuses não desempenham nenhum papel na liberação e iluminação espiritual; os humanos devem encontrar seu próprio caminho para a iluminação com a ajuda de sábios professores humanos.

Outras filosofias ateístas


Na mesma época em que o budismo e o jainismo surgiram no século VI a. C., havia uma escola de pensamento explicitamente ateísta na Índia chamada escola Carvaka. Embora nenhum de seus textos originais tenha sobrevivido, os autores budistas e hindus descrevem os Carvakas como ateus convictos que acreditavam que nada existia além do mundo material.

Para os Carvakas, não havia vida após a morte, nem alma separada do corpo, nem deuses e nem mundo além deste.

Outra escola de pensamento, Ajivika, que floresceu na mesma época, também argumentava que os deuses não existiam, embora seus seguidores acreditassem em uma alma e no renascimento.

Os Ajivikas afirmavam que o destino da alma era determinado apenas pelo destino, e não por um deus, ou mesmo pelo livre arbítrio. Ensinavam que tudo era feito de átomos, mas que esses átomos se moviam e se combinavam entre si de formas predestinadas.

Assim como a escola Carvaka, a escola Ajivika é hoje conhecida apenas por textos compostos por hindus, budistas e jainistas. Portanto, é difícil determinar exatamente o que os próprios Ajivikas pensavam.

Por textos budistas, os Ajivikas argumentavam que não haver distinção entre o bem e o mal e o pecado não existia. A escola pode ter existido na mesma época que o budismo primitivo, no século V a.C.

Enquanto a tradição hindu da Índia abraça a crença em muitos deuses e deusas — 330 milhões deles, de acordo com algumas fontes — também existem correntes de pensamento ateístas encontradas no hinduísmo.

A escola Samkhya de filosofia hindu é um desses exemplos. Ela acredita que os humanos podem alcançar a libertação para si mesmos, libertando seu próprio espírito do reino da matéria.

Outro exemplo é a escola Mimamsa, que também rejeita a ideia de um deus criador. O filósofo Mimamsa Kumarila disse que se um deus criou o mundo sozinho no começo, como alguém poderia confirmar isso? Ele argumentou ainda que o mundo não poderia ter tão sofrimento se tivesse sido criado por um deus misericordioso.

Segundo o censo de 2011, havia aproximadamente 2,9 milhões de ateus na Índia. O ateísmo ainda é uma força cultural significativa país, bem como em outros países asiáticos influenciados pelas religiões indianas.

> Esse texto foi publicado originalmente no The Conversation.

• Livro mostra por que Platão é o pai da perseguição aos ateus

• Ateísmo é a evolução lógica da religião, diz Richard Dawkins



Comentários

Post mais lidos nos últimos 7 dias

Cientistas brasileiros e mexicanos descobrem pequena espécie de morcego

90 trechos da Bíblia que são exemplos de ódio e atrocidade

Veja 14 proibições das Testemunhas de Jeová a seus seguidores

Um em cada 4 brasileiros não tem acesso à coleta de esgoto, mostra IBGE

Veja os 10 trechos mais cruéis da Bíblia

Padre autor do mosaico de Aparecida é acusado de invocar a Trindade para ter sexo a três

Quatro séculos tentando provar a existência de Deus. E fica cada vez mais difícil

'Matem todos porque o Senhor conhece aqueles que são seus!' França, 22 de julho de 1209

Igrejas católicas alemãs estão sendo derrubadas. É a demolição da própria religião

Contar o número de deuses é difícil porque são muitos, dezenas de milhares, milhões