Objetivo da ciência não é tirar Deus de ninguém, afirma Gleiser

Marcelo Gleiser
Gleiser acredita na coexistência entre a ciência e a religião
por Luiz Antônio Araújo para Zero Hora

Numa época em que cientistas de renome como Richard Dawkins e Sam Harris se dedicam a ampliar o fosso entre ciência e religião, o brasileiro Marcelo Gleiser (foto) assume a delicada tarefa de estender pontes entre os dois lados. Graduado em física pela PUC do Rio e doutorado em física teórica pelo King’s College, de Londres, esse carioca de 53 anos acredita que o entendimento entre as partes é o caminho natural. "Ciência e fé devem coexistir", resume.

Radicado nos Estados Unidos – desde 1991 é professor do Dartmouth College, uma das mais renomadas universidades americanas – , onde o fundamentalismo cristão desempenha um papel político de primeira grandeza, Gleiser sabe que nem sempre é possível evitar choques. Ele se opõe com vigor às tentativas de setores religiosos de definir a agenda científica. Discorda, porém, daqueles que, do alto das cátedras e dos fundos públicos e privados de financiamento à pesquisa, pretendem vingar Adão e expulsar o Criador do Paraíso do conhecimento.

Por telefone, de Hanover, New Hampshire, nos Estados Unidos, ele concedeu a seguinte entrevista:

Quando se discute a relação entre ciência e religião no universo acadêmico, o polo religioso é sempre o mais frágil. Nos últimos 50 anos, porém, a posição da ciência tem sido muito questionada. Como o senhor vê hoje a posição da ciência diante da religião?

Não existe uma posição da ciência em relação à religião. Existem posições de cientistas em relação à religião, e essas posições são muito diferenciadas. Num extremo, você tem os novos ateístas, como Richard Dawkins, Daniel Dennett e outros, que acham que ser religioso é ser louco ou estar completamente iludido em relação ao real. Eles fazem um ataque bastante agressivo em relação à fé. No outro extremo, você tem cientistas que são perfeitamente religiosos e veem em seu esforço científico uma aproximação com Deus, se forem judeus, cristãos ou muçulmanos, ou com uma espiritualidade que pode ser budista, hinduísta etc. Para eles, quanto mais aprendem sobre o universo e a natureza, mais se aproximam de Deus. Entre essas duas posições extremas, você tem uma porção de outras posições. No meu caso, vejo essa cruzada antirreligiosa que certos cientistas estão fazendo como uma completa perda de tempo, que não vai levar a nada e ignora o papel essencial que a religião tem na sociedade e em nossa cultura. As pessoas sabem muito pouco sobre história, filosofia e menos ainda sobre o espírito humano para entender o quanto a fé é importante na vida das pessoas. É muita presunção de certos cientistas achar que a ciência pode, dentro da posição dela, acabar com o papel da religião na vida das pessoas. Isso é um absurdo, por vários motivos. Entre eles, e é algo que vai ser assunto do meu próximo livro e vou abordar na minha conferência, o fato de que a ciência também tem limitações na sua concepção e no seu funcionamento.

Quais seriam essas limitações?

Certos cientistas que escrevem para o público, como Stephen Hawking, Bryan Greene e outros, ficam tão empolgados com certas ideias científicas que esquecem de onde elas vêm e quais são seus limites filosóficos e metafísicos. Existe muita distorção sobre o que a ciência pode fazer e já fez quanto à explicação de questões fundamentais, também tocadas pela religião, como a origem do universo, da vida e da mente. Dizer que a ciência entende a origem do universo é uma grande bobagem. A ciência tem teorias que explicam uma porção de coisas maravilhosas sobre o universo, e todos devemos ter muito orgulho delas. Mas a gente ainda não entende a origem do universo, e eu, particularmente, nem sei se a gente conseguiria, dentro do processo científico, entender.

Os EUA, onde o senhor está radicado, assistem à tentativa de interferência de setores religiosos na pesquisa e no ensino de matérias científicas. Como vê esse fenômeno?

Aqui, essa questão, infelizmente, é muito politizada, e não deveria ser. Principalmente durante o governo George W. Bush, quando a direita religiosa foi ao poder, houve várias medidas que interferiam na liberdade de pesquisa científica. Isso causou indignação na maior parte da comunidade acadêmica, que não aceita interferência religiosa na pesquisa científica. Proibir pesquisa com células-tronco porque estão sendo extraídas de fetos é algo inaceitável. Quando isso acontece, parece que estamos voltando ao início do século XVII, quando a Igreja foi atrás de Galileu. Por outro lado, é óbvio que a pesquisa científica sempre tem um aspecto moral que não podemos deixar de lado. Temos de pensar sobre as implicações sociais, culturais e morais da pesquisa científica, e isso é verdade tanto no mundo da engenharia nuclear quanto no da engenharia genética. A questão da clonagem de humanos, que é extremamente complexa, desperta contrariedade na maioria absoluta da comunidade científica. Não existe nenhum uso médico disso. Se você quer ter filhos, há outros procedimentos e você não vai querer ter um filho que tenha o código genético igual ao seu. Dizer que a pesquisa com células-tronco interfere na vida dos fetos é uma besteira porque muitos dos embriões utilizados em clínicas de fertilização in vitro são descartados depois de algum tempo, e junto com esses embriões vão as células-tronco que poderiam ter sido usadas e não o foram. Ninguém está tirando a vida de ninguém. Além disso, hoje em dia há outros modos de obter células-tronco que não recorrem a embriões. Você tem de acoplar sempre a discussão sobre a implicação moral da pesquisa de ponta dentro do quadro político e social, e também como uma questão de ética científica. O cientista não é imune a essas questões éticas, muito pelo contrário – ele e ela devem refletir sobre a implicação ética do que estão fazendo. Por outro lado, o Estado também tem de tomar muito cuidado se for interferir no processo de descoberta e de pesquisa e científica a partir de uma moral que é calcada em religiões antiquadas.

Basear qualquer tipo de ética 
ou de moral na religião é 
extremamente obscurantista

Muitos religiosos, porém, se dizem portadores de uma espécie de ética suprema.

Basear qualquer tipo de ética ou de moral na religião é extremamente obscurantista. Uma das críticas ao ateísmo, que considero infeliz, é achar que só quem é religioso é moral. Você pode ser uma pessoa perfeitamente moral, ética, correta, respeitosa da vida e dos que estão a seu lado sem ter que acreditar em Deus. Usar a religião como uma justificação moral superior não faz o menor sentido. Todo ser humano, religioso ou não, deveria aceitar como preceito fundamental o respeito ao próximo e à vida, e isso não depende de acreditar ou não em Deus. Qualquer tipo de argumento calcado no discurso religioso como sendo superior a uma ética perfeitamente humana e social, para mim, não faz o menor sentido.

Como deveria ser fundamentada a convivência entre fé e ciência?

As fronteiras têm de ser respeitadas. O problema se inicia quando a religião começa a se meter no processo científico. Quando conselhos educacionais resolvem que não se pode mais ensinar a teoria da evolução de Darwin porque não é religiosa ou quando o Estado, controlado por interesses religiosos, decide interferir nos fundos de pesquisa científica básica porque afetam algum princípio religioso. Quando a religião interfere em algum aspecto do conhecimento, ela está andando para trás e não fazendo o papel importante que pode fazer na vida das pessoas. Por outro lado, quando a ciência faz pronunciamentos grandiosos do tipo “Deus não é mais necessário porque já entendemos tudo sobre o universo”, está abusando do que realmente sabe para fazer uma propaganda indevida. Essa coexistência tem de ser de respeito mútuo. Os cientistas têm de entender que existem 4 bilhões de pessoas no mundo que acreditam em alguma forma de Deus. A ciência não tem como papel tirar Deus de ninguém, e sim explicar como o mundo funciona e talvez minorar um pouco o sofrimento humano. Nesse quadro, as coisas poderiam funcionar bem. Isso prescinde uma separação da Igreja e do Estado, obviamente. A minha cruzada é mostrar que é uma perda de tempo os cientistas acharem que vão convencer as pessoas de que elas não precisam de religião. A religião atua em esferas além da ciência. Se morre alguém querido para você, você vai buscar consolo na sua família, no seu padre, no seu rabino ou seja lá em quem for. A religião oferece um sentido de comunidade, de pertencer, que é um grande antídoto contra a solidão humana. Nesse sentido, ela é extremamente importante. O que atrapalha, no discurso religioso, é a fé em entidades sobrenaturais, que eu acho desnecessária. Mas, certamente, a fé religiosa tem um papel importante na história e na cultura humana. Negar isso é não entender a história e a filosofia.

O que são entidades sobrenaturais?

Qualquer entidade que viole certas leis fundamentais da natureza. Qualquer entidade que esteja além do espaço e do tempo, que seja onipresente e onisciente, eterna, sem extensão física ou temporal, para mim, é uma entidade sobrenatural.

Essa não é uma descrição de Deus?

Esse é um Deus. Existem, em mitologias espalhadas pelo planeta, outros deuses que também são eternos e existem além do espaço e do tempo. No Brasil e no mundo ocidental, a gente tem um pouco de miopia em relação a isso. Quase metade da população mundial que acredita em alguma coisa crê em deuses completamente diferentes desse Deus judaico-cristão-muçulmano. Mesmo no Brasil, as comunidades nativas não acreditam nesse Deus, a não ser por terem sido forçadas durante anos de evangelismo. Entidades sobrenaturais incluiriam qualquer coisa além de como entendemos que a matéria se relaciona com as leis da natureza. Inclui deuses, fadas, fantasmas, alma e todas as coisas que têm uma existência de como a matéria se autossustenta por meio das interações fundamentais.

Como o senhor vê a situação da pesquisa científica no mundo contemporâneo?

A pesquisa científica é um dos maiores motivos de orgulho que a humanidade tem. Isso sempre foi verdade, desde que a ciência moderna começou, há 400 anos, e continua sendo. O discurso pós-moderno, da subjetividade, de que não existem verdades, tem de ser tomado com muito cuidado. É claro que a ciência está sempre avançando. Conceitos científicos são renovados e reformados, e é justamente essa a beleza da ciência, de estar sempre se reinventando a partir de uma compreensão cada vez maior do mundo. Por isso, qualquer cientista que se diz dono de uma verdade deve ser olhado com suspeita. O que era verdade há 200 anos certamente não é mais hoje, e o que é verdade hoje não vai ser daqui a 200 anos. Por outro lado, basta olhar em volta para nos vermos falando ao telefone, no computador, tecnologias digitais, sondas em Marte e curas de doenças. Isso mostra que a ciência é um bem profundo. Também tem um lado mau, mas aí é outra conversa. Há várias áreas novas na ciência, como a astrobiologia, que estuda a possibilidade de vida fora da Terra, as ciências neurocognitivas, que estão aprendendo cada vez mais como funciona o cérebro, a engenharia genética, que está redefinindo o que sabemos sobre como a vida funciona e como a gente pode criar outras formas de vida no laboratório, e a própria nanotecnologia, que estuda a física dos objetos muito pequenos. Achar que o discurso científico está falido é fechar os olhos para o mundo em que estamos vivendo.

O que seria o lado mau da ciência e o que seria possível fazer para, se não anulá-lo, pelo menos controlá-lo?

O lado mau não vem da ciência, mas do caráter humano. Quando se fala do bem ou mal da ciência ou de a ciência ter feito mal à humanidade, é preciso lembrar que a ciência não fez bem nem mal. A ciência é um corpo de conhecimento que descreve como funciona a natureza. A escolha moral de como vamos usar esse conhecimento vem dos homens. São as pessoas que fazem escolhas e podem usar a radiação nuclear tanto para curar um câncer quanto para construir bombas. Esse lado de sombra ou luz da ciência é do ser humano, que também usa a religião para o bem ou para o mal. Essa escolha tem a ver mais com a natureza do ser humano do que com a da ciência. O que a comunidade científica pode fazer é tentar trazer esse discurso das implicações éticas e morais da ciência para a sociedade. E acho que isso acontece. Existe uma mobilização das comunidades científicas no Brasil e no mundo para que sejam debatidos os usos e abusos da ciência. E, de uma certa forma, isso está acontecendo. As guerras químicas e biológicas estão proibidas. O controle do armamento nuclear envolve uma porção de cientistas e tem algum sucesso. Pelo menos não temos nenhuma guerra nuclear desde 1945.





Livro de astrofísico defende a ideia de que o universo surgiu do nada
setembro de 2012

Ciência versus religião.


Comentários

  1. O Marcelo, não parece seguro nem sobre a religião ou a ciência.Afinal, ele é um cientista ou não? Ele deveria saber que a religião, ainda acha que o homem não foi a lua.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Como?!
      Achei que fossem o pessoal das teorias de conspiração que acham isso '-'

      Leia mais em http://www.paulopes.com.br/2012/09/cientista-diz-que-objetivo-da-ciencia-nao-e-tirar-deus-de-ninguem.html#ixzz27scWCEqy
      Paulopes informa que reprodução deste texto só poderá ser feita com o CRÉDITO e LINK da origem.

      Excluir
    2. que religião? anónimo 13:45. Não devemos correr o risco de generalizar.
      Ha muita gente, eu por exemplo, acredito em Deus mas não descarto a ciência.

      Excluir
    3. Anônimo 29 de setembro de 2012 13:45, e quem danado é os babacas que acreditam que o homem foi a lua? Nunca foram, aquele estória dos anos sessenta é invenção americana para enganar os otários!

      Excluir
    4. A ciência é baseada em evidências. O resto é imaginação.

      Excluir
    5. O Senhor Gleiser esquece em seu discurso a questão mais importante: A verdade. A ciencia procura demonstra-la em todos os seus aspectos enquanto a religião procura omiti-la em vários aspectos, considerar a verdade como transitória, em hipótese alguma justifica um apelo a mentira ou a ignorancia. Me parece que o Sr. Gleiser é mais um dentre tantos a se acovardam frente as adversidades enfrentadas por aqueles que suportam o peso social de defenderem a VERDADE.

      Excluir
  2. Este comentário foi removido pelo autor.

    ResponderExcluir
  3. Este homem merece todo o meu apresso e admiração,Sempre pensei da mesma forma.

    ResponderExcluir
  4. Pra ser sincero, ele está certo. O papel da ciência não é tirar as divindades de ninguém. Cada indivíduo deve escolher por conta própria se acredita em cosmologia ou cosmogonia.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. concordo contigo, cada um cre no que quiser mesmo que sejaq uma farsa com fins políticos.

      Excluir
  5. Quando um quando um cientista começa a falar que ciência e a religião podem coexistir e que não há conflitos... só me vem uma ideia na cabeça..."Covarde!"

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Concordo... esse negócio de juntar religião e ciência é algo totalmente incabível... são coisas totalmente distintas... não tem como mexer com ciência e não atingir preceitos religiosos e vice-versa..

      Excluir
    2. Covarde é que se esconde atrá de um teclado para criticar em vez de se equiparar academicamente para tentar publicar algo de mesmo impacto e peso.

      Excluir
  6. "deus", como as religiões pregam, NÃO existe, isso é um fato, inocente é quem acredita ainda nisso; este ser benevolente, onisciente, onipresente, onipotente, que não pode impedir barbáries que ocorrem todo o tempo.
    A ciência não explica tudo, e estamos muito, mas muito longe mesmo de sabermos de todas as leis que regem o universo, mas ainda é o único lado que eu prefiro estar, pois é real.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Ta certo esse cara é um hipócrita covarde..

      Excluir
  7. essa sabedoria que esse sujeito tem, nao e aceita nem pelos os que tem fe que sao os religiosos, e nem pelos os cientistas,pra mim esse cara nao e cientista ,ele e pastor fala fala e nao explica nada ,a religiosidade impede as pessoas de questionarem,causa intriga entre os grupos etnico,sera que isso nao diz algo?

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Como dizem, essa é só SUA opinião. Ele tem cacife e reconhecimento acadêmico para 'pregar'.

      Excluir
  8. Gostei muito do texto. Me identifiquei enormemente com as ideias do Marcelo. Ninguém é dono absoluto da verdade. É uma visão míope do homem pensar de forma extrema, considerando sua ideia como sendo a única válida. O cientista tem enorme poder na melhoria da qualidade de vida da humanidade, como também na contribuição para a evolução do conhecimento. Mas a Filosofia e a Religião também contribuem, de alguma forma, para essa melhoria e até mesmo para aumentar o conhecimento humano, por que não?
    Algumas pessoas extremistas adotam visões limitadas sobre a Ciência ou a Religião. Dependendo do lado em que se encontra, tende-se a pensar que o oposto está absolutamente errado. Essa forma de pensamento é um equívoco. Precisamos, como bem fez o Marcelo nessa entrevista, dar o crédito necessário para as duas vertentes, tanto para a Ciência como para a Religião.
    Foi muito adequada a observação do Marcelo de que há cientistas que de alguma forma acreditam em um Deus, como também há religiosos que defendem a Ciência. A população mundial é hoje, segundo a ONU, de cerca de 7 bilhões de seres humanos, e desse total, como bem ilustrou o Marcelo, cerca de 4 bilhões acreditam em algum tipo de forma divina. É uma grande tolice condenar essa massa de pessoas como se fossem todos fanáticos religiosos intolerantes e ignorantes. Não é bem assim. Como também não é verdade que no outro extremo só existem descrentes absolutos. Precisamos considerar que há um “dégradé” de opiniões diversas no meio do caminho, e o respeito é a palavra de ordem para que se possa ter realmente alguma qualidade de vida.
    A Ciência contribui enormemente para a evolução do conhecimento, e não deve nunca parar, pois é assim que a sociedade avança de verdade. Mas a Ciência não pode, sob pena de cometer o mesmo erro dos religiosos fundamentalistas, se arvorar no domínio da sabedoria e condenar qualquer tipo de crença no sobrenatural. Respeito, sempre. Idem para a Religião, e nesse caso, nem é necessário ir muito longe, pois todo religioso minimamente esclarecido sabe que, durante os longos séculos em que a Religião dominou o saber coletivo, a humanidade avançou muito pouco.
    Apoio total à proposta do Marcelo Gleiser. Um grande cientista, que no meu ver está à frente de seu tempo. Um humanista, que enxerga o óbvio que todos deveríamos enxergar.
    Sobre esse mesmo assunto, segue um artigo que postei em meu Blog, de minha autoria. Não pretende nem de longe ser científico, portanto faço a ressalva quanto ao conteúdo, é um post feito por um leigo entusiasta e simpatizante de assuntos relacionados à Filosofia, Ciência e Religião. Mas o considero honesto e adequado.
    http://isaqueu.wordpress.com/2011/04/22/arriscando-um-tema-dificil/

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Ele só está sendo politicamente correto.

      Excluir
    2. RESPEITO! Simplesmente isso! Fraco e impotente é o suposto cientista que por não conseguir convencer o religioso se frustra e parte para o extremismo e desprezo. Coisa de mente fechada e limitada.

      Excluir
  9. Ele tá certo, até porque grande parte dos cientistas e inventores eram e ainda são cristãos,também é sabido que grandes invenções e descobertas cientificas foram feitos dentro de mosteiros por religiosos e afins.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. falácia do apelo à autoridade mandou lembranças churrasco.

      Excluir
    2. e supostamente eram sacerdotes católicos e não evanjegues.

      Excluir
    3. Não tinham escolhas. Ou eram religiosos ou morriam de fome como meros camponeses.

      Excluir
    4. ou virava padre ou vivia lavrando plantações, óbvio como não podiam ser da nobreza foram prar a carreira sacerdotal, pois a igreja tinha e ainda tem poder.

      Excluir
  10. Ele tem um visão limitada da religião. A religião na cabeça dele faz afirmações sobrenaturais nas quais a ciência não possui capacidade de obter respostas. Há vários problemas nesta lógica. Primeiro que a religião faz muito mais do que afirmar aquilo que a ciência não consegue enxergar... As religiões muitas vezes fazem alegações acerca da natureza que contradiz diretamente a explicação vinda do nosso melhor entendimento cientifico. A origem do nosso universo, a origem da vida, a origem das espécies... Nenhuma dessas áreas há uma acordo entre a religião e a ciência. Só isso já exporia que o conflito entre ciência e religião é um FATO.

    Segundo que na ciência, quando não sabemos uma resposta, preenchemos com aquilo que é mais plausível, fazendo diversas ressalvas em torno do nosso desconhecimento sobre o assunto... Na religião, aquilo que não tem resposta é preenchido com histórias fantásticas sobre deuses e espíritos. Não há por parte da religião interesse de saber o que está acontecendo... mas sim de obter resposta que não tem nenhuma validação, mas ainda sim são resistentes a críticas.

    O principal, no entanto, é que o que move a religião não é o que move a ciência. A ciência é movida pela curiosidade... na nossa relação com o mundo... a religião é movida pela fé... que é a suspensão da realidade, vista como opressora aos anseios pessoais.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. bruno, prefiro duvidar de uma coisa até que se prove se se está certo ou existe, mas aceitar ideologias anacrônicas sem questionar é para pessoas fracas.

      Excluir
    2. Morrigan, não fazemos isso em nossas vidas... Muitas das coisas que confiamos ser verdade (acreditamos) vem do julgamento daquilo que outras pessoas disseram ou foram baseados em algumas evidências que julgamos ser o bastante para estabelecer um conclusão, ao menos que temporária.

      Neste momento, não tenho como ter certeza de que há água disponível na minha torneira, por exemplo. Mas acredito que sim, porque sempre teve água, e não encontro razão para acreditar que agora não tenha. Esse é um exemplo em muitos de que não afirmamos, tem caráter prático e não precisa ser algo solenemente baseado em evidencias empíricas.

      Na própria ciência, há muitas coisa que não vemos, mas deduzimos ser verdade por aproximações matemáticas e lógicas.

      Excluir
  11. Só falta ele dizer que a religião não atrasou a humanidade em séculos, e exterminou milhões de eres humanos e que só serve para exploração visando unicamente o dinheiro. A humanidade poderia ser muito mais justa sem religião mas ele acha que não pq consola um doente! Vide o que está acontencendo no Oriente...sem a religião eles viveriam em paz!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Este comentário foi removido pelo autor.

      Excluir
    2. correção: não dinheiro com poder de dominar mentes e governos.

      Excluir
    3. Concordo que em nome da religião se fazem atrocidades, mas é muita ignorância alguém achar que sem a religião a humanidade poderia ser muito mais justa - engodo dos neo ateístas. Não defendo religião, mas conheço as artimanhas das ideologias. O homem sempre arruma desculpas para cometer atrocidades, com religião ou sem religião, vide os países comunistas. É triste ver uma massa alienada por aqui influenciada por ideias esquerdistas e neo ateístas. Reflitam mais nas baboseiras que escrevem!!!!!!!

      Excluir
    4. crentelho reacionário Found: The Radar Never Fail.

      Excluir
    5. E a WW2? Não foi baseada em religião. E a bomba? Foi concebida por cientistas. Dntre eles religiosos. As atrocidades são feitas por homens, com características que todos temos, ganância, egoísmo, sede de poder, as desculpas podem ser as mais diversas. A religião bem ensinada e com princípios de humanísmo e igualdade pode sim ajudar a humanidade a viver menos pior.

      Excluir
  12. "O que atrapalha, no discurso religioso, é a fé em entidades sobrenaturais, que eu acho desnecessária."
    Fiquei confuso. O que é a religião sem crença em entidades sobrenaturais?

    ResponderExcluir
  13. Eu já citei essa ideia logo acima, e repito: fundamentalismo religioso é algo extremamente perigoso, discriminatório, doentio, limitado... porém, todo extremo deve ser observado com cautela, logo, o fundamentalismo “pseudo-científico”, na sua manifestação, também representa certo perigo, também discrimina, também sofre de limitação e se apresenta doente. Ser descrente, ateu, racional, “isso tudo levado ao extremo”, transforma o indivíduo em um ser humano tão limitado quanto o seu oposto. Lembremos sempre: quem pensa por si mesmo é livre, e ser livre é coisa muito séria. Você não é menos responsável pelo mundo em que vive por ser um descrente, e não goza de nenhuma benesse por achar que sua responsabilidade pelo mundo em que vive se funda em algum tipo de crença no sobrenatural. Liberdade, Igualdade e Fraternidade são os motores que devem nortear a conduta do homem, e isso vem desde a época das luzes, pra mim não mudou nada.
    Criticar “negativamente” um homem por sua postura sabiamente moderada, como o demonstrou ser Marcelo Gleiser, só confirma a visão míope, parcial, discriminatória e tendenciosa dos críticos.
    Você não precisa e não é obrigado a ter fé/crença alguma, mas não precisa também agredir, ainda que verbalmente, todos que contrariarem sua escolha. A sabedoria está na aceitação das diferenças, não na sua eliminação.

    ResponderExcluir
  14. "Se morre alguém querido para você, você vai buscar consolo na sua família, no seu padre, no seu rabino ou seja lá em quem for."

    Marcelo Gleiser propagandeando padres e rabinos.
    É o final dos tempos!

    ResponderExcluir
  15. Marqueteiro. Tá querendo vender livro para as massas.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Foi o mesmo que eu pensei.

      Excluir
    2. Quer manter o emprego juntoaos religiosos donos de universidades.

      Excluir
    3. Putz, inveja é uma M. mesmo! Kkkkkkk

      Excluir
  16. A Princesinha da Ciência, a Matemática, tornou-se uma das ferramentas mais poderosas da Terra, quando lhe foi adicionado o conceito de zero. Este está na origem e no caminho para qualquer quantidade inteira, racional, irracional, real ou imaginária.

    O Universo que compartilhamos tornou-se nossa casa e objeto de estudo a partir do momento em que houve o Big Bang. Todo o poder da energia e da matéria, destruindo e construindo mundos tem sua origem ou sua fonte no marco zero da criação. Pode-se considerar que Deus estava alojado dentro da singularidade quântica, que existia antes da grande explosão.

    A Religião é uma espécie de memória sem sede física ou corpórea, que nos impele a reaver quem ou o quê estava dentro da singularidade densa, escura e sem tempo.

    O Zero é uma singularidade matemática semelhante àquela pré big bang, em que toda e qualquer escala de grandeza ou pequenêz seria, simplesmente, insatisfatória

    A Religião (Culto a Divindades) está na origem de todas as civilizações. E sua propagação ao longo do tempo gera Ciência (Corpo Organizado de Conhecimento). Seus dogmas, milagres e entidades cumprem a função, necessária, de explicação provisória para os fenômenos que nos cercam. De fato, a Crença é uma hipótese aceita como verdade. Ao longo das gerações o teor de verdade da Crença pode se confirmar ou não. Vemos isto nos vários cultos religiosos já deixados de lado pela Humanidade.

    Eu ouso dizer então que, assim como energia é matéria e vice versa, Religião é Ciência e vice versa. A diferença é que as hipóteses da Ciência não estão fixadas por um sistema moral (algo como, Deus quis assim), o que faz a vida útil delas depender de testes mais apurados.

    Então, Ciência = Religião - Sistema Moral. Isto quer dizer que, se retirarmos o "Deus quis assim" da Religião, termos Ciência.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Se eu entendi, religião seria algo como a "ciência dos desesperados".

      Excluir
    2. Religião seria algo como ciência associada a um sistema moral, que torna difícil ou até impossível a substituição do conhecimento sacramentado pelo conhecimento adquirido.

      Excluir
    3. Excelente JAHBULON! Moral e ética é o que anda em crescente ecasses! E sua falta colapsará o venerado racionalismo.

      Excluir
  17. Não diria covardia, mas interesse em não espantar verbas vindas de religiosos que mandam no mundo econômico.

    Muito vacilante, ambíguo mesmo. Do tipo que acende uma vela para Deus e outra pro Diabo querendo ser o diplomata que conseguiu a paz entre coisas pouco conciliáveis. Religiosos não se metem só em ciência, se metem na política, nas leis, querem impor formas de pensar e ver o mundo, regrar a vida íntima das pessoas, perseguem quem não se enquadra. Ele me pareceu errático, com receio de melindrar não sei exatamente quem, talvez algum pagador de suas contas... Quando começou a aparecer na tv com suas apresentações imitando o Carl Segan, diziam nos meios acadêmicos que o Gleiser era faquinho, valia mesmo pela beleza que atraía telespectadoras e não tanto pelo conteúdo. Ou seja, dava Ibope. Envelheceu e piorou.

    Contemporizar dando vantagem histórico para religiões que vieram antes de qualquer ciência rudimentar é sinal de fraqueza, talvez não confie no próprio conhecimento e por isso ataca os outros dizendo que entendem menos de História do que ele.

    Não de pode negar a influência das religiões na caminhada da humanidade até aqui. Mas não quer dizer que elas tenham sido boas, talvez fôssemos melhores e mais desenvolvidos do que somos hoje sem nada disso, como saber se não podemos comparar um mundo com e sem as religiões, existindo paralelos e sem um saber do outro para não ter influências? É falta desses dois mundos que nos move a especular, sim, como seria a humanidade sem religiões. Talvez melhor, talvez pior, mas questionar é preciso e questionar gera conflitos e põe em risco verdades tidas como absolutas, com sérias ameaças de perda de poder, coisa que religiosos não admitem, por isso brigam não com a ciência, brigam entre si e só se unem para atacar a ciência.

    Talvez ele seja um caso do tipo 'se pode tirar a pessoa da religião, mas não a religião da pessoa'. Ele continua judeu, não se livrou das influências que recebeu dede que nasceu. Essas coisas da infância sempre deixam seus fantasmas por mais racional que tente ser na vida adulta.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Lia, seu texto foi muito mais interessante que o texto do tópico! Obrigado!

      Excluir
    2. O bom cientista não sai simplesmente descartando hipóteses por desagradar dessas. Isso é princípio básico.

      Excluir
    3. Admitir seu nível de ignorância agora é sinal de fraqueza?! Onde chegaremos com essa prepotência? Coisa típica de fazedores de guerras que nela justificam suas necessidades obscuras.

      Excluir
  18. Esse discursinho todo é a típica posição covarde dos agnósticos.

    Dizer que religião não se opõe à Ciência é um absurdo até para quem quer ficar em cima do muro.

    A religião sempre quis controlar toda a sociedade, desde a Ciência até a vida íntima das pessoas.

    Só ficou faltando ele dizer no final da entrevista que descrente bom é descrente “moderado” (agnóstico cagão).

    ResponderExcluir
  19. Graduado em física pela PUC ( Pontifícia Universidade CATÓLICA )

    Querendo misturar crendices e folclore ao estudo científico empírico, só podia ser um brasileiro mesmo...

    ResponderExcluir
  20. Diminui minha admiracao por ele, ciencia e religiao eh IMPOSSIVEL.

    ResponderExcluir
  21. Poucos Cientistas chegam aos pés do Carl Sagan como divulgadores da ciência. Marcelo Gleiser toma desta fonte como tantos outros cientistas pops ou divulgadores da ciência. O problema da Religião com a Ciência que o texto ignora é que ambos explicam o Universo, e quase sempre entram em oposição, oque é inevitável. Tente ensinar evolução a um criacionista é quase impossível sem derrubar ou abalar a fé deste.

    Alguns outros cientistas e sobretudo divulgadores da ciência de prestigio.

    Richard Danks é pobre em outras áreas e tendendo a dar respostas ao invés de criar duvidas que é o melhor caminho para uma mudança de paradigma. Tem uma retorica fraca inferior a do Marcelo Gleiser inclusive.
    stephen hawking por outro lado cometeu o mesmo erro de Albert Einstein ao falar de Deus metaforicamente, oque causou uma grande confusão além disso ele se debruça demais em teorias frágeis em termos empíricos.
    Neil deGrasse Tyson deste eu nutro uma considerável admiração a sua retorica é boa, ele começa sempre com uma pergunta e prende a atenção em uma linha argumentativa extremamente didática, Possui uma visão histórica da ciência notória, seus textos são obras primas tais quais os do Carl Sagan.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. dawkins é um biólogo, não um físico deve ser lembrado.

      Excluir
  22. Nunca concordei com a visão desse pseudo cientista Marcelo Gleiser e nessa reportagem para mim está clara, é um cientista que vive as custas de universidades religiosas, portanto é um covarde que nunca vai expor suas ideias de fato.

    ResponderExcluir
  23. Ele nunca quis dar o passo definitivo, ultrapassando a linha divisória entre o conhecimento e o misticismo.

    Na verdade, pelos seus escritos, Gleiser dá a impressão de que a religião serve de amparo, de um subterfúgio para encararmos a realidade.

    Discordo de sua visão, onde procura encontrar relações entre contextos totalmente distintos, como um Fritjof Capra reescrito. O conhecimento torna a hipótese religiosa inválida, desnecessária, por mais que ele, Gleiser, procure no sentido contrário como um ato de fé, uma fé na existência de um 'diálogo', de uma troca de experiências.

    A única experiência que o misticismo propõe é queimar o conhecimento e o avanço da humanidade como fizeram, entre tantos, com Giordano Bruno.

    A postura de Gleiser, é uma postura comedida para não levantar as chamas da discussão vazia entre religião versus ciência.

    Mas este é um tipo de discurso que no meio acadêmico é muito adequado, mas que para declarar uma posição contra o misticismo e a ignorância dele decorrente, nada melhor que a verve de um Hitchens ou Dawkins.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Concordo na íntegra contigo Anarchos.

      Excluir
  24. Hipócrita, Sabem muito bem q a ciência invalida o conhecimento passado pelas religiões..

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Busca neste site